APLICAÇÃO DA CONSTELAÇÃO FAMILIAR NO JUDICIÁRIO

Gabriela Ribeiro Mendonça Maldonado, Luiz Tadeu Martins de Oliveira

Resumo


A terapia se desenvolveu em meados da década de 1970. A prática da Constelação Familiar, lida mais com a intuição e as emoções do que com o racional. Constelado é representado por outra pessoa e essas outras pessoas podem reproduzir papéis subjetivos, como doença, sofrimento, dinheiro. É uma dinâmica que pode acontecer em grupo ou individual, quando acontece em grupo as pessoas participantes não podem se conhecer e quando individual o próprio terapeuta assume os papéis durante a constelação. A constelação vem sendo aplicada em processos judiciais com a finalidade de obter maiores índices de acordo. Quando aplicados em processos, as pessoas reproduzem situações reais, que podem ser desde questões familiares como divórcio, herança, adoção, quanto em relação a infratores, com a finalidade de descobrir a verdadeira origem do problema e solucionar isso na sua origem.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN - 2318-7034

Curso de Direito da UEMS - Unidade Universitária de Dourados

Núcleo de Estudos e Pesquisas em Direito, Estado, Constituição e Direitos Fundamentais e Humanos - UEMS