Chamada para publicação - Nº 14 , v.1, 2018 - Caio Fernando Abreu, 70 anos: uma homenagem

Caio Fernando Abreu, 70 anos: uma homenagem

 

No dia 12 de setembro de 2018 Caio Fernando Abreu completaria 70 anos de vida. Diante de uma data tão significativa, a melhor maneira de homenageá-lo será falando sobre sua obra. Caio F. – como costumava assinar suas cartas –, deixou uma relevante contribuição para a literatura brasileira, com livros traduzidos na Europa, além de ser considerado um ícone da contracultura pela geração que viveu os anos de chumbo da ditadura militar no Brasil. Sua morte prematura, em 1996, não significou seu esquecimento para o mundo das letras. Pelo contrário, deu início à redescoberta de sua obra, atraindo novos leitores e instigando pesquisadores a analisar e descobrir a riqueza de sua literatura.

Grande parte de sua obra é composta por contos, gênero que cultivou com grande interesse, criando verdadeiras obras-primas. Mas isso não o impediu de caminhar em outras direções, escrevendo romances, peças de teatro, poemas, crônicas e cartas com valor literário inquestionável. Além disso, Caio também se aventurou no campo da tradução, vertendo para o português alguns autores estrangeiros, como Carson McCullers, Susan Sontag e Amós Oz.

Caio foi uma figura errante, sem porto seguro nem parada. E para aplacar essa inquietação toda, fez o que de melhor sabia fazer: escreveu. Escrever foi-lhe necessário não só para acalmar seus demônios, mas também para alimentar sua alma. A sanha de escrever, uma vontade incontrolável, foi um exercício inevitável, “interminável” e “incessante”, como diria Maurice Blanchot, para quem “escrever é entregar-se ao interminável”. Foi o que Caio fez! Como em um enredo trágico, escrever foi um destino do qual não pôde escapar – e nem tentou! Consciente disso, Caio abraçou esse fatum e o transformou em um exercício incansável na busca de si mesmo. Preso à escrita, Caio transformou a sede de escrever em uma forma de dar sentido à vida e se resguardar da morte: “Talvez seja sina, essa de escrever, e então ter as respostas da vida real na vida recriada, nunca na própria vida real –como as pessoas que não criam costumam ter. E deve estar certo assim, deve haver uma ordem e um sentido nisso”, escreveu ele em uma de suas cartas.

A proposta deste número é, como já se evidenciou no título, fazer uma justa homenagem a Caio Fernando Abreu pelos seus 70 anos. Nesse sentido, serão muito bem acolhidos artigos que discutam a importância de sua obra para a literatura brasileira, com análises e reflexões que tragam contribuições para sua fortuna crítica. Os textos devem tratar de qualquer um dos gêneros literários cultivados pelo autor, apresentando aos leitores novas perspectivas de leitura para sua obra.

 

Para além do dossiê temático a Web Revista Linguagem Educação e Memória também acolhe para avaliação artigos, ensaios e resenhas nas diversas áreas dos estudos literários, em caráter de tema livre.

 

As contribuições devem ser submetidas na página da Web Revista Linguagem Educação e Memória: http://periodicosonline.uems.br/index.php/WRLEM/index

Data limite para submissão no sistema: 15/05/2018

Organizadores

 

Prof. Dr. Flávio Pereira Camargo (UFG)

Prof. Me. Rosicley Andrade Coimbra (PPGLL-UFG/Capes)