Rompendo silêncios: questões de gênero e memória em Sinfonia em Branco, de Adriana Lisboa.

Visualizações: 681

Autores

  • Pilar Lago e Lousa Universidade Estadual de Campinas - Unicamp

Resumo

Em Sinfonia em Branco (2001), de Adriana Lisboa, a narrativa deflagra mulheres fraturadas pela experiência brutal do trauma. Os desdobramentos da agressão sexual sofrida por Clarice afetam tanto sua mãe, Otacília, quanto sua irmã Maria Inês, e as três mulheres trilham caminhos e pautam escolhas diferentes, mas que revelam que cada uma resistiu à sua maneira. O corpo feminino, mesmo quando em silêncio, fala e é nele que são inscritas histórias violentas que denunciam temáticas como estupro, omissão, incesto, pedofilia, perda da infância. A autora problematiza a disciplinarização desses corpos e a misoginia para converter essa sinfonia, a princípio cheia de lacunas e interdições, em afetos e alteridade. O objetivo deste trabalho é verificar como as ferramentas literárias dão conta das tensões que permeiam a obra a fim de revelar uma representação feminina para além das práticas e discursos patriarcais opressores. Para tal, analisaremos o livro sob a perspectiva de duas chaves teóricas principais: os estudos feministas e de gênero; os estudos da memória. Utilizaremos os arcabouços teóricos de estudiosas como Beatriz Sarlo (2007), Elisabeth Grosz (2000), Guacira Lopes Louro (2010), Michael Pollak (1992), Michelle Perrot (2003; 2017), e Rebecca Solnit (2017).

Biografia do Autor

Pilar Lago e Lousa, Universidade Estadual de Campinas - Unicamp

Doutoranda em Teoria e História Literária (com ênfase em Crítica Literária) pela Universidade Estadual de Campinas - Unicamp. Orientanda da professora Suzi Frankl Sperber. Sua área de atuação, interesse e pesquisa é a literatura contemporânea, com ênfase em representação e autorrepresentação de mulheres na literatura, estudos de gênero, autoria feminina e teorias feministas; além de atuar nas áreas de Teoria e Crítica Literária e Literaturas Estrangeiras.

Referências

Referências

ALMEIDA, Sandra Regina Goulart. Mobilidades culturais, geografias afetivas: espaço urbano na narrativa brasileira contemporânea. In: DALCASTAGNÈ, Regina; LEAL, Virgínia Maria Vasconcelos. Espaço e gênero na literatura brasileira contemporânea. Porto Alegre: Zouk, 2015. p. 15-39.

BENTO, Carlos Henrique. Tempo, trauma e a condição feminina em Sinfonia em branco, de Adriana Lisboa. Letras em Revista, v. 3, n.2, p. 22-28. Teresina, UESPI, 2012. Disponível em: https://ojs.uespi.br/index.php/ler/issue/view/4. Acesso em 2 Dez. 2017.

BOSI, Ecléa. A substância social da memória. In: ___. O tempo Vivo da Memória: Ensaios de Psicologia Social. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003. p. 13-48.

COSTA, Claudia de lima. O sujeito no feminismo: revisitando os debates. Cadernos Pagu. Campinas, n. 19, pp. 59-90. Campinas, Núcleo de estudos de Gênero – Pagu, 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332002000200004&lng=en&nrm=iso&tlng=pt . Acesso em: 05 jun. 2017.

DALCASTAGNÈ, Regina. Literatura Brasileira Contemporânea: um território contestado. Vinhedo: Editora Horizonte/Rio de Janeiro: Editora da UERJ, 2012.

FELIX, Regina. R. Tom, volume e arranjo no chiaroscuro da memória: Sinfonia em branco, de Adriana Lisboa. Estudos de literatura brasileira contemporânea, n.37, p. 93-103. Brasília, POSLIT UNB, 2011. Disponível em: http://periodicos.unb.br/index.php/estudos/article/view/4004/3379 . Acesso em 28 Nov. 2016.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. O que significa elaborar o passado? In: ___. Lembrar, escrever, esquecer. 2 ed. São Paulo: Editora 34, 2009. p. 97-105.

GROSZ, Elizabeth. Corpos Reconfigurados. Cadernos Pagu, n. 14, p. 45-86. Campinas, Campinas, Núcleo de estudos de Gênero – Pagu, 200. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8635340. Acesso em: 31 ago. 2017.

LEAL, Virgínia Maria Vasconcelos. O gênero em construção nos romances de cinco escritoras brasileiras contemporâneas. In: DALCASTAGNÈ, Regina; LEAL, Virgínia Maria Vasconcelos. Deslocamentos de gênero na narrativa brasileira contemporânea. São Paulo: Editora Horizonte, 2010. p. 65-96.

LOPES, Denilson. Imagem & Diversidade sexual: estudos da homocultura. São Paulo: Nojosa, 2004.

LOURO, Guacira Lopes. Pedagogias da Sexualidade. In: ______ (Org.). O corpo educado: Pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010. p. 7-34.

LISBOA, Adriana. Sinfonia em branco. 2. ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 2013.

PERROT, Michelle. Minha história das mulheres. Trad. Ângela M. S. Côrrea. São Paulo: Contexto, 2017.

______. Os silêncios do corpo da mulher. Tradução de Luiz Antônio Oliveira de Araújo. In: MATOS, Maria Izilda Santos de; SOIHET, Rachel. O corpo feminino em debate. São Paulo: Editora da Unesp, 2003. p. 13-28.

POLLAK, Michael. Memória e identidade social. Revista Estudos Históricos, v. 5, n. 10, pp. 200-212. Rio de Janeiro: PPHPBC/FGV, 1992.

SARLO, Beatriz. Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. Companhia das letras; Editora da UFMG, São Paulo; Belo Horizonte, 2007.

SOLNIT, Rebecca. A mãe de todas as perguntas: reflexões sobre os novos feminismos. Tradução Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das letras, 2017.

WOLF, Naomi. O mito da Beleza: como as imagens são usadas contra as mulheres. Tradução de Waldéa Barcellos. Rio de Janeiro: Rocco, 1992.

Downloads

Publicado

2019-02-15

Como Citar

LOUSA, Pilar Lago e. Rompendo silêncios: questões de gênero e memória em Sinfonia em Branco, de Adriana Lisboa. REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, [S. l.], v. 3, n. 20, p. 30–51, 2019. Disponível em: https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/3156. Acesso em: 14 abr. 2024.