BIOESTIMULANTE, BIOFERTILIZANTE E INOCULAÇÃO DE SEMENTES NO CRESCIMENTO E PRODUTIVIDADE DA SOJA

Authors

  • Carlos Alderete Prieto Discente da Escuela Superior de Enseñanza Cruce Itakyry, Universidad Nacional del Este. Itakyry, Paraguay
  • Jimmy Walter Rasche Alvarez Docente da Facultad de Ciencias Agrarias-Universidad Nacional de Asunción. San Lorenzo, Paraguay
  • Julio César Karajallo Figueredo Docente da Escuela Superior de Enseñanza Cruce Itakyry, Universidad Nacional del Este. Itakyry, Paraguay
  • Simeón Aguayo Trinidad Docente da Escuela Superior de Enseñanza Cruce Itakyry, Universidad Nacional del Este. Itakyry, Paraguay

DOI:

https://doi.org/10.32404/rean.v4i2.1167

Abstract

Com o objetivo de avaliar o efeito da aplicação de biostimulante (BES), de biofertilizante (BIO) e da inoculação (INO) de sementes de soja com Bradyrhizobium sobre o crescimento e a produtividade da soja foi realizada a pesquisa em Minga Porã, Paraguai, em um Rhodic Paleudult (Latossolo Vermelho). O delineamento experimental foi de blocos ao acaso num arranjo fatorial 3x3x3, com 5 repetições. O fator um foi a aplicação de bioestimulante – controle, 500 mL em 100 kg de semente e 500 mL no estágio R2 da soja. O fator dois foi a aplicação de biofertilizante - controle, 160 e 320 L ha-1 no estágio V1 da soja, e o fator três foi a inoculação com Bradyrhizobium - controle, 200 mL e 400 mL em 100 kg de semente. Foi determinada a altura final de planta, massa de 1000 grãos e produtividade de grãos. A produtividade aumentou 6,78% com a aplicação de biofertilizante na dose de 320 L ha-1 em estágio V1. Existe interação do bioestimulante com o inoculante em altura de planta e produtividade de grãos. Quando aplicado 500 mL de bioestimulante no estágio R2 da soja com a maior dose de inoculante (400 mL por 100 kg de semente-1) há decréscimo da produtividade. Nem sempre a mistura de vários produtos resulta em aumento de produtividade.

References

(1) AGUAYO B, C. A.; RASCHE A, J. W. Fertilización foliar con boro en el cultivo de la soja, Revista Investigación Agraria, San Lorenzo-Py, v.17, n. 2, p. 129-137, 2015. Disponível em: http://www.agr.una.py/revista/index.php/ria/article/view/283. Acesso em: 5 de junho de 2016.

(2) ALBRECHT, L. P.; BRACCINI, A. L.; SCAPIN, C. A.; AVILA, M. R.; A. L. P.; BARBOSA, M. C. Qualidade das sementes de soja produzidas sob manejo com biorregulador. Revista Brasileira de Sementes, Londrina-PR, v. 32, n. 4; p. 39-48. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbs/v32n4/05.pdf. Acesso em: 3 de maio de 2016.

(3) BELLINI, G; SCHMIDT FILHO, E; MORESKI, H. M. Influência da aplicação de um fertilizante biológico sobre alguns atributos físicos e químicos do solo. Revista em Agronegócio e Meio Ambiente, Maringá-PR, v. 6, n. 2, p. 325-336. 2013. Disponível em: http://periodicos.unicesumar.edu.br/index.php/rama/article/view/2345. Acesso em: 13 de fevereiro de 2016.

(4) BENINTENDE, S.; UHRICH, W.; HERRERA, M.; GANGGE, F.; STERREN, M.; BENINTENDE, M. Comparación entre coinoculación con Bradyrhizobium japonicum y Azospirillum brasilense e inoculación simple con Bradyrhizobium japonicum en la nodulación, crecimiento y acumulación de N en el cultivo de soja Agriscientia, Córdoba-Ar, v. 26, n. 2, p. 71-77. 2010. Disponível em: www.scielo.org.ar/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1668-298X2010000200002 Acesso em: 3 de maio de 2016.

(5) BERTOLIN, D. C.; SÁ, M. E; ARF, O.; FURLANI JUNIOR, E.; COLOMBO A. S.; CARVALHO F. L. B. M. Aumento da produtividade de soja com a aplicação de bioestimulantes. Bragantia, Campinas-SP, v. 69, n. 2, p.339-347, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/brag/v69n2/11.pdf. Acesso em: 12 de fevereiro de 2016.

(6) CÂMARA, F. L. A. Efeitos do substrato e da imersão em IBA, sobre o enraizamento de propágulos de mandioquinha-salsa. Horticultura Brasileira, Brasília-DF, v. 7, n. 1, p. 44, 1989. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-05362000000100012. Acesso em: 3 de abril de 2016.

(7) ONO, E. O.; CAMPOS, M. F.; LIMA, G. P. P.; RODRIGUES, J. D. Desenvolvimento de plantas de soja em resposta aos reguladores vegetais. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre-RS, v. 5, n. S2, p. 9-11, 2007. Disponível em: http://www.ufrgs.br/seerbio/ojs/index.php/rbb/article/view/47/49. Acesso em: 5 de maio de 2016.

(8) CAMPOS, B. C. Dose de inoculante turfoso para soja em plantio direto. Ciência Rural, Santa Maria-RS, v. 29, n. 3, p. 423-426, 1999. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-84781999000300007. Acesso em: 14 de maio de 2016.

(9) CARVALHO, C. G. P.; FARIAS, C. A. A.; TOLEDO, J. F. F.; ALMEIDA, L. A.; KIIHL, R. A. S.; OLIVEIRA, M. F.; HIROMOTO, D. M.; TAKEDA, C. Proposta de classificação dos coeficientes de variação em relação à produtividade e altura da planta de soja. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília-DF, v. 38, n. 2, p.187-193, 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pab/v38n2/v38n2a04.pdf. Acesso em: 10 de agosto de 2015.

(10) CARVALHO, J. C.; VIECELLI, C. A.; ALMEIDA D. K. Produtividade e desenvolvimento da cultura da soja pelo uso de regulador vegetal. Acta Iguazu, Cascavel-PR, v. 2, n 1, p. 50-60, 2013. Disponível em: http://e-revista.unioeste.br/index.php/actaiguazu/article/view/8166. Acesso em: 12 de agosto de 2015.

(11) CHEN, L. S., FIGUEIREDO, A., PEDROSA, F. O., HUNGRIA, M. Genetic characterization of soybean rhizobia in Paraguay. Applied and Environmental Microbiology, Bethesda-USA, v. 66, n. 11, p. 5099-5103. 2000. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC92426/. Acesso em: 8 de maio de 2016.

(12) CUBILLA A, M. M; WENDLING, A.; ELTZ, F. L. F; AMADO, J. C.; MIELNICZUK. Recomendaciones de fertilización para Soja, Trigo, Maíz y Girasol bajo el Sistema de Siembra Directa en el Paraguay. Asunción-Py: Artemac S.A., 2012. 88 p. Disponível em: http://capeco.org.py/wp-content/uploads/2015/06/libro-final_recomendaciones-de-fertilizacion-paraguay_2012.pdf. Acesso em: 20 de março de 2016.

(13) DARIO, G. J. A; MARTIN, T. N; DOURADO NETTO, D; MANFRON, P. A; BONNECARRERE, A. G.; CRESPO, P. E. N. Influência do uso de fitorregulador no crescimento da soja. Revista da FZVA. Uruguaiana-RS, v. 12, n. 1, p. 63-70. 2005. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fzva/article/download/2303/1796. Acesso em: 15 de agosto de 2015.

(14) EMBRAPA. EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos Centro Nacional de Pesquisa de Solos. 2 ed. Rio de Janeiro-RJ: Embrapa Solos, 2006. 306 p.

(15) FERRARIS, G.; COURETOT, L. Contribución de diferentes prácticas de manejo a la obtención de rendimientos potenciales en soja. Efectos sobre la nodulación, el rendimiento y su interacción con prácticas de manejo. Pergamino-Ar: INTA, 2012. 7 p. (Documento técnico 227).

(16) FERREIRA, L. A; OLIVEIRA, J. A.; VON PINHO, E. V. R.; QUEIROZ, D. L. Bioestimulante e fertilizante associados ao tratamento de sementes de milho. Revista Brasileira de Sementes, Londrina-PR, v. 29, n. 2, p. 80-89, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-31222007000200011&lng=en&nrm=iso. Aceso em 12 de junho de 2015.

(17) HUNGRÍA, M., CAMPO, R. J., MENDES, C. L. Fixação biológica do nitrogênio na cultura da soja. Londrina-PR: Embrapa Soja, 2001. 48p. (Circular Técnica 35). Disponível em: https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/459673/1/circTec35.pdf. Acesso em: 4 de maio de 2016.

(18) HUNGRÍA, M.; ARAÚJO, F. F. Nodulação e rendimento de soja co-inoculada com Bacillus subtilis e Bradyrhizobiumj aponicum/B. elkanii. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasilia-DF, v. 34, n. 9, p. 1633-1643. 1999. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pab/v34n9/7615.pdf. Acesso em: 6 de abril de 2016.

(19) PEKHOLTZ, F. (Org) Superficie sembrada, producción y productividad del cultivo de soja. Campaña 2014/15. Asunción-Py: Instituto de Biotecnología Agrícola. 2015. 26 p. (Boletín técnico). Disponível em: http://www.inbio.org.py/uploads/Estimacion_de_superficie_sembrada,_produccion_y_productividad_del_cultivo_de_soja,_campana_2014-2015.pdf Acesso em 8 de março de 2016.

(20) LÓPEZ, O.; GONZALEZ, E; LAMAS, P. A; MOLINAS, A. S; FRANCO, E. S., GARCÍA, S.; RÍOS, E. O. Estudio de reconocimiento de suelos, capacidad de uso de la tierra y propuesta de ordenamiento territorial preliminar de la Región Oriental del Paraguay. Asunción-Py: Banco Mundial, DMA, 1995. 246 p. Disponível em: http://www.geologiadelparaguay.com/Estudio-de-Reconocimiento-de-Suelos-Regi%C3%B3n-Oriental-Paraguay.pdf. Acesso em: 5 de junho de 2016.

(21) MEDEIROS B, M.; WANDERLEY, P. A; WANDERLEY, M. J. A. Biofertilizantes líquidos. Revista Biotecnologia, Ciência & Desenvolvimento, Brasilia-DF, v. 31, n. 2, p. 38-44, 2003. Disponível em: http://www.biotecnologia.com.br/revista/bio31/biofertilizante.pdf. Acesso em: 5 de janeiro de 2016.

(22) MEDEIROS, M. B.; LOPES, J. S. Biofertilizantes líquidos e sustentabilidade agrícola. Bahia Agrícola, Salvador-BA, v. 7, n. 3, p. 24-26, 2006. Disponível em: http://www.seagri.ba.gov.br/sites/default/files/comunicacao05_v7n3.pdf. Acesso em: 4 de maio de 2016.

(23) MEGHVANSI, M. K.; MAHNA, S. K. Evaluating the Symbiotic Potential of Glomus intraradices and Bradyrhizobium japonicum in Vertisol with Two Soybean Cultivars. American-Eurasian Journal of Agronomy, Dubai-UAE, v. 2, n. 1, p. 21-25, 2009. Disponível em: http://www.idosi.org/aeja/2(1)09/5.pdf. Acesso em: 5 de março de 2016.

(24) MESQUITA, A. C; GAMA S, D. R; YURI, J. E; NASCIMENTO S, E; DOURADO F, T. S. Utilização de biofertilizante na produção de duas cultivares de melão. Revista SODEBRAS, Curitiba-PR, v. 9, n. 107, p. 52-55, 2014. Disponível em: https://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/bitstream/doc/998498/1/jONY2014.pdf. Acesso em: 3 de maio de 2016.

(25) MORTELE L. M.; SANTOS R. F.; BRACCINI, A. L.; SCAPIM, C. A.; BARBOSA, M. C. Efeito da aplicação de biorregulador no desempenho agronômico e produtividade da soja. Acta Scientiarum Agronomy, Maringá-PR, v. 30, p. 701-709. 2008. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciAgron/article/view/5971. Acesso em: 12 de abril de 2016.

(26) OLIVEIRA, R. C; SANTOS, D. V. Adubação foliar na estimulação de nodulação e produtividade da soja. Cultivando o Saber. Cascavel-PR, v. 4, n. 1, p. 140-146, 2011.

(27) SANTOS, A. C.; AKIBA, F. Biofertilizantes líquidos: uso correto na agricultura alternativa. Rio de Janeiro-RJ: Seropédica - Imprensa Universitária/UFRRJ, 1996. 35p.

(28) SOTELO, C. E.; LECONTE, M. C.; IGLESIAS, M. C. Efecto de la inoculación al cultivo antecesor sobre la nodulación de la soja, en suelos de desmonte. Agrotecnia, Corrientes-Ar, v. 20, n. 1, p. 13-17. 2010. Disponível em: http://baunne.unne.edu.ar/revista_agrotecnia/pdfs/AG_20_10_03_Sotelo.pdf Acesso em: 8 de maio de 2016.

(29) VITTI, G. C., CARDOSO, E. J. B. N., PINTO, T. L. F. Avaliação da decomposição da palha, estado nutricional, produtividade e qualidade da cana colhida sem queima a partir da aplicação do produto Microgeo. Piracicaba-SP: Escola Superior de Agricultura Luís de Queiroz-USP, 2000. 64 p

Published

24/05/2017

How to Cite

Alderete Prieto, C., Rasche Alvarez, J. W., Karajallo Figueredo, J. C., & Aguayo Trinidad, S. (2017). BIOESTIMULANTE, BIOFERTILIZANTE E INOCULAÇÃO DE SEMENTES NO CRESCIMENTO E PRODUTIVIDADE DA SOJA. REVISTA DE AGRICULTURA NEOTROPICAL, 4(2), 1–8. https://doi.org/10.32404/rean.v4i2.1167