ANÁLISE FITOSSOCIOLÓGICA E ESTRUTURA FLORÍSTICA DE UMA FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL

Amauri Bambolim, Abilene Rodrigues Donde, Júlio César Wojciechowsk

Resumo


A análise fitossociológica bem como a composição florística de florestas naturais é de grande valor para compreensão da dinâmica das comunidades florestais. O presente trabalho teve como objetivo analisar uma área de floresta estacional decidual localizada no município de Santa Tereza no estado do Rio Grande do Sul. Foram instaladas 100 parcelas de 10 x 10 demarcadas em um hectare no interior da floresta, onde foram medidos e identificados todos os indivíduos com circunferência à altura do peito (CAP) ≥ 30 cm. O levantamento foi realizado adotando-se o método de parcelas contíguas, seguindo a metodologia de Muller-Dombois e Ellemberg (1974). A densidade total de 875 indivíduos por hectare, sendo 56 espécies, 46 gêneros e 30 famílias. As famílias Fabaceae e Euphorbiaceae apresentaram o maior número de espécies. A espécie Lonchocarpus campestres, apresentou o maior índice de valor de importância (IVI) e maior índice de valor de cobertura (IVC). O índice de diversidade de Shannon (H’) foi de 3,34 nats/ind. e o índice de equabilidade de Pielou (J) foi de 0,83. A maior parte dos indivíduos estão em classe de altura entre 8 e 10 m e classe de diâmetro entre 9 e 15 cm.


Texto completo:

PDF

Referências


(I) BALBINOT, R.; LAMBRECHT, F. R.; BREUNIG, F. M.; TRAUTENMÜLLER, J. W.; GALVÃO, L. S.; DENARDI, L.; VENDRUSCOLO, R. Análise fitossociológica de um fragmento de Floresta Estacional Decidual: Parque Estadual do Turvo, RS. Revista Pesquisa Florestal Brasileira, Colombo – PR, v. 36, n. 86, p. 103-113, 2016.

(II) CALLEGARO, R. M.; ARAÚJO, M. A.; LONGHI, S. L. Fitossociologia de agrupamentos em Floresta Estacional Decidual no Parque Estadual Quarta Colônia, Agudo – RS. Agrária - Revista Brasileira de Ciências Agrárias, Recife- PE, v. 9, n. 4, p. 590-598, 2014.

(III) CORSINI, C. R.; SCOLFORO, J. R. S.; OLIVEIRA, A. D.; MELLO, J. M.; MACHADO, E. L. M. Diversidade e similaridade de fragmentos florestais nativos situados na região nordeste de Minas Gerais. Cerne, Lavras-MG, v. 20, n. 1, p. 1-10, 2014.

(IV) GONÇALVES, T. S. A floresta estacional decidual no Brasil: distribuição geográfica e influência dos aspectos pedogeomorfológicos na vegetação. Revista Monografias Ambientais – REMOA, Santa Maria-RS, v.14, n.1, p.144-153, 2015.

(V) GUEDES, J.; KRUPEK, R. A. Florística e fitossociologia do componente arbóreo de um fragmento de floresta ombrófila densa do estado de São Paulo. Revista Acta Biológica Catarinense, Joinville-SC, v. 3, n. 1, p. 12-24, 2016.

(VI) HAIDAR, R. F.; FAGG, J. M. F.; PINTO, J. R. R.; DIAS, R. R.; DAMASCO, G.; SILVA, L. C. R.; FAGG, C. W. Florestas estacionais e áreas de ecótono no estado do Tocantins, Brasil: parâmetros estruturais, classificação das fitofisionomias florestais e subsídios para conservação. Acta Amazonica, Manaus-AM, v. 43, n. 3, p. 261-290, 2013.

(VII) MABONI, C. A.; MACHADO, M. A.; LONGHI, S. J.; ROVEDDER, A. P.; VOLPATO, S. M. S.; D’ AVILA, M. C. A.S.; DA SILVA, T. T. Análise de agrupamentos em remanescente de floresta estacional decidual. Revista Ciência Florestal, Santa Maria-RS, v. 25, n. 3, p. 781-789, 2015.

(VIII) R CORE TEAM. R: A language and environment for statistical computing. Vienna, Austria: R Foundation for Statistical Computing, 2016. Disponível em: . Acesso em: 14 dez. 2016




DOI: https://doi.org/10.32404/rean.v5i2.1544

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 JOURNAL OF NEOTROPICAL AGRICULTURE

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.