ANÁLISE TEMPORAL DA MICROBACIA MARIANA NO MUNICÍPIO DE ALTA FLORESTA, MATO GROSSO

Amauri Bambolim, Abilene Rodrigues Donde

Resumo


O uso do sensoriamento remoto tem sido amplamente utilizado por pesquisadores a fim de obter melhores resultados sobre a constante dinâmica da cobertura vegetal. O presente trabalho teve como objetivo realizar uma análise temporal utilizando técnicas de sensoriamento remoto da Microbacia Mariana, localizada no município de Alta Floresta – MT. Foram utilizadas 3 imagens do satélite Landsat 5 sensor TM dos anos de 1990, 2000 e 2010 e uma imagem do satélite Landsat 8 sensor OLI do ano de 2016. Para a classificação das imagens foi utilizado o classificador não supervisionado máxima verossimilhança para a obtenção da classe Floresta e a classe Uso Alternativo do Solo. A análise demonstrou que os anos de 1990, 2000, 2010 e 2016 apresentaram 54%, 25,5%, 27,25% e 25,8% respectivamente de cobertura de floresta nativa e 68,5%, 48,13%, 60,41% e 62,15% de Área de Preservação Permanente (APP), preservada nos anos de 1990, 2000, 2010 e 2016 respectivamente. Houve uma degradação maior entre os anos de 1990 e 2000 e posterior paralização no desflorestamento da região com um aumento significativo das áreas de APPs, após o ano 2000.


Texto completo:

PDF

Referências


(1) ALMEIDA, A. N; ANGELO, H.; SILVA J. C. G. L.; SOARES, P. R. C.; KANIESKI, M. R. Efetividade do Aumento da Área de Reserva Legal por Meio de Instrumento Legal na Taxa de Desmatamento da Amazônia Brasileira. Floresta e Ambiente, Seropédica-RJ, v. 20, n. 2, p. 143-148, 2013.

(2) COUTINHO, L. M.; ZANETTI, S. S.; CECÍLIO, R. A.; GARCIA, G. O.; XAVIER, A. C. Usos da Terra e Áreas de Preservação Permanente (APP) na Bacia do Rio da Prata, Castelo-ES. Floresta e Ambiente, Seropédica-RJ, v. 20 n. 4, p. 425-434, 2013.

(3) CUNHA, J. M. P. Dinâmica migratória e o processo de ocupação do Centro-Oeste brasileiro: o caso de Mato Grosso. Revista Brasileira de Estudos de População, Rio de Janeiro-RJ, v. 23, n. 1, p. 87-107, 2006.

(4) FERREIRA, J. C. V. Mato Grosso e Seus Municípios. Cuiabá-MT: Secretaria de Estado de Educação, 2001. p. 365.

(5) FLORENZANO, T. G. Iniciação em Sensoriamento Remoto. 3. ed. São Paulo-SP: Oficina de Textos, 2011. 128 p.

(6) JACOVINE, L. A. G.; SILVA, M. L.; VALVERDE, S. R.; FILHO, E. I. F.; COELHO, F. M. G.; PAIVA, H. N. Quantificação das áreas de preservação permanente e de reserva legal em propriedades da bacia do Rio Pomba-MG. Revista Árvore, Viçosa-MG, v. 32, n. 2, p. 269-278. 2008.

(7) OLIVEIRA, P. C. A.; RODRIGUES, G. S. S. C.; RODRIGUES, S. C. Fragilidade ambiental e uso do solo da Bacia Hidrológica do Córrego Pindaíba, Uberlândia-MG, Brasil. Revista Ambiente e Água, Taubaté-SP, v. 3, n. 1, p. 54-69, 2008.

(8) SODRÉ, A. A. Novo Código Florestal Comentado: Lei 12.651/2012, Leme-SP: Mizuno, 2013. 249 p.

(9) TANCREDI, N. S. H.; ALMEIDA, J. R.; LINS, G. A.; GUERRA, A. J. T.; JORGE, M. C. O. Uso de geotecnologias em laudos periciais ambientais: estudo de caso no município de Jacundá, Pará. Revista Geografar, Curitiba-PR, v. 7, n. 1, p. 1-19, 2012.




DOI: https://doi.org/10.32404/rean.v4i3.1613

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 JOURNAL OF NEOTROPICAL AGRICULTURE

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.