ESTIMATIVAS VOLUMÉTRICAS PARA UM POVOAMENTO ADENSADO DE EUCALYPTUS SP. EM REGIME DE CURTA ROTAÇÃO

Authors

  • Jéssica Silva Nunes Universidade Federal de Goiás - Regional Jataí Curso de Engenharia Florestal
  • Thelma Shirlen Soares Universidade Federal de Goiás - Regional Jataí Curso de Engenharia Florestal

DOI:

https://doi.org/10.32404/rean.v4i4.1661

Abstract

Este estudo teve como objetivo estabelecer equações volumétricas, fatores de forma, de empilhamento e de cubicação para um povoamento de eucalipto com 24 meses de idade, implantado em regime de curta rotação, sob diferentes espaçamentos (3,0 m x 0,5 m; 3,0 m x 1,0 m; 3,0 m x 1,5 m; 3,0 m x 2,0 m; 3,0 m x 2,5 m e 3,0 m x 3,0 m), em Jataí-GO. Para o ajuste volumétrico as árvores foram cubadas pelo método de Smalian, sendo avaliadas seis equações para cada espaçamento. Após a seleção das equações realizou-se o teste de identidade de modelos. Também foram obtidos, para cada espaçamento, os fatores de forma, empilhamento e cubicação. A equação oriunda do modelo de Spurr foi selecionada para os espaçamentos 3,0 m x 0,5 m; 3,0 m x 1,5 m e 3,0 m x 2,0 m. Para os espaçamentos 3,0 m x 1,0 m e 3,0 m x 3,0 m a equação originada pelo modelo de Schumacher-Hall foi a selecionada. Já no espaçamento 3,0 m x 2,5 m a equação selecionada foi a gerada pelo modelo de Stoate. Pelo teste de identidade de modelos, verificou-se que apenas nas junções dos espaçamentos 3,0 m x 0,5 m e 3,0 m x 2,0 m pode-se utilizar de um modelo reduzido sendo este: V = 0,006661 + 0,000036 dap²h. Os fatores de forma variaram entre 0,48 e 0,56, enquanto que os fatores de empilhamento entre 1,44 a 2,05 e os fatores de cubicação de 0,57 a 0,70.

References

(1) AZEVEDO, G. B.; SOUSA, G. T. O.; BARRETO, P. A. B.; CONCEIÇÃO JÚNIOR, V. Estimativas volumétricas em povoamentos de eucalipto sob regime de alto fuste e talhadia no sudoeste da Bahia. Pesquisa Florestal Brasileira, Colombo-PR, v. 31, n. 68, p. 309-318, 2011.

(2) BARROS, M. V.; FINGER, C. A. G.; SCHNEIDER, P. R.; SANTINI, E. J. Fator de cubicação para toretes de Eucalyptus grandis e sua variação com o tempo de exposição ao ambiente. Revista Ciência Florestal, Santa Maria-RS, v. 18, n. 3, p. 109-119, 2008.

(3) CABACINHA, C. D.; MELLO, J. M.; DALANESI, P. E. Acuracidade nas estimativas volumétricas de Eucalyptus saligna, Revista Científica Eletrônica de Engenharia Florestal, Garça-SP, v. 1, n. 2, p. 1-4, 2003.

(4) CAMOLESI, J. F; SCOLFORO, J. R. S.; OLIVEIRA, A. D.; ACERBI JÚNIOR, F. W.; RUFINI, A. L.; MELLO, J. M. Ajuste, seleção e teste de identidade de modelo para volume e número de moirões da candeia (Eremanthus erythropappus). Cerne, Lavras-MG, v. 16, n. 4, p. 431-441, 2010.

(5) DRESCHER, R.; PELISSARI, A. L.; GAVA, F. H. Fator de forma artificial para povoamentos jovens de Tectona grandis em Mato Grosso. Revista Pesquisa Florestal Brasileira, Colombo-PR, v. 30, n. 63, p. 1-7, 2010.

(6) FIGUEIREDO, E. O.; SCOLFORO, J. R. S.; OLIVEIRA, A. D. Estimativa de percentual de casca e do fator de forma em povoamentos jovens de teca (Tectona grandis L.f.). Rio Branco-AC: Embrapa Acre, 2005. 5 p. (Comunicado Técnico, 165)

(7) GRAYBILL, F. A. Theory and application of the linear model. Belmont: Duxbury Press; 1976. 704 p.

(8) KURCHAIDT, S. M.; ZANETTE, V. H.; KOEHLER, H. S. Identidade de modelos em fragmento de floresta ombrófila mista. Enciclopédia Biosfera, Goiânia-GO, v. 10, n. 19, p. 2302-2311, 2014.

(9) LEITE, D. R.; MIGUEL, E. P; SANTOS, G. A.; ENCINAS, M. I.; REZENDE, A. V. Análise comparativa entre dois procedimentos para estimativa da variável volume em um povoamento de Eucalyptus urophylla, no município de Mineiros – Goiás. Enciclopédia Biosfera, Goiânia-GO, v. 7, n. 13, p. 1684-1700, 2011.

(10) MELO, L. C.; BARRETO, P. A. B.; OLIVEIRA, F. G. R. B.; NOVAES, A. B. Estimativas volumétricas em povoamentos de Pinus caribaeae var. hondurensis no sudoeste da Bahia. Revista Pesquisa Florestal Brasileira; Colombo-PR, v. 33, n. 76, p.1-8, 2013.

(11) MIGUEL, E. P.; CANZI, L. F.; RUFINO, R. F.; SANTOS, G. A. Ajuste de modelo volumétrico e desenvolvimento de fator de forma para plantios de Eucalyptus grandis localizados no município de Rio Verde – GO. Revista Enciclopédia Biosfera, Goiânia-GO, v. 6, n. 11, p. 1-13, 2010.

(12) NICOLETTI, M. F.; SOUZA, K.; SILVESTRE, R.; FRANÇA, M. C.; ROLIM, F. A. Relação hipsométrica para Pinus taeda L. em diferentes fases do ciclo de corte. Floresta e Ambiente, Seropédica-RJ, v. 23, n. 1, p. 80-89, 2016.

(13) PACHECO J. M.; FIGUEIREDO FILHO A. F.; DIAS N. A.; MACHADO A. S.; LIMA R. Efeito da densidade inicial no crescimento de Pinus taeda L. na região Centro Sul do Paraná. Scientia Forestalis, Piracicaba-SP, v. 43, n. 106, p. 353-365, 2015.

(14) PAULA NETO, F.; REZENDE, A. V.; CAMPOS, J. C. C.; REZENDE, J. L. P. Análise do comportamento dos fatores de empilhamento para Eucalyptus grandis. Revista Árvore, Viçosa-MG, v. 17, n. 1, p. 45-59, 1993.

(15) PEREIRA, A. R. S.; CORDEIRO, M. A.; ABREU, J. C.; SANTOS, R. O.; SILVA, J. N. M. Modelagem volumétrica para Eucalyptus urograndis no município de Porto Grande, Amapá, Brasil. Biota Amazônia, Macapá-AM, v. 6 n. 4, p. 10-14, 2016.

(16) QUEIROZ, D.; MACHADO, A. S.; FIGUEIREDO FILHO, A.; ARCE, J. E.; KOEHLER, H. S. Identidade de modelos em funções de afilamento para Mimosa scabrella Bentham em povoamentos nativos da região metropolitana de Curitiba/PR. Floresta, Curitiba-PR, v. 38, n. 2, p. 339-349, 2008.

(17) REGAZZI, A. J.; SILVA, C. H. O. Testes para verificar a igualdade de parâmetros e a identidade de modelos de regressão não-linear em dados de experimento com delineamento em blocos casualizados. Revista Ceres, Viçosa-MG, v. 57, n. 3, p. 315-320, 2010.

(18) ROCHA T. B.; CABACINHA C. D.; ALMEIDA R. C.; PAULA A.; SANTOS R. C. Avaliação de métodos de estimativa de volume para um povoamento de Eucalyptus urophylla S. T. Blake no Planalto da Conquista-BA. Enciclopédia Biosfera, Goiânia-GO, v. 6, n. 10, p. 1-13, 2010.

(19) SCHRÖDER T.; PEREIRA L. D.; HOFIÇO N. S. A. Comparação de métodos de estimativa de volume total para Eucalyptus grandis W. Hill ex Maiden. Floresta e Ambiente, Seropédica-RJ, v. 20, n. 4, p. 480-486, 2013.

(20) THOMAS, C.; ANDRADE, C. M; SCHNEIDER, P. R.; FINGER, C. A. G. Comparação de equações volumétricas ajustadas com dados de cubagem e análise de tronco. Revista Ciência Florestal, Santa Maria-RS, v. 16, n. 3, p. 319-327, 2006.

(21) VAN LAAR, A. The growth of unthinned Pinus patula in relation to spacing. South African Forestry Journal, Stellenbosch, n. 107, p. 3-11, 1978.

Published

14/12/2017

How to Cite

Nunes, J. S., & Soares, T. S. (2017). ESTIMATIVAS VOLUMÉTRICAS PARA UM POVOAMENTO ADENSADO DE EUCALYPTUS SP. EM REGIME DE CURTA ROTAÇÃO. REVISTA DE AGRICULTURA NEOTROPICAL, 4(4), 77–86. https://doi.org/10.32404/rean.v4i4.1661