IDENTIFICAÇÃO DE GENÓTIPOS DE FEIJOEIRO COMUM TOLERANTES AO ALUMÍNIO

Visualizações: 714

Authors

  • Rodrigo Ribeiro Fidelis Professor Associado Universidade Federal do Tocantins Campus Universitário de Gurupi
  • Patricia Sumara Moreira Fernandes Estudante de Agronomia Universidade Federal do Tocantins Campus Universitário de Gurupi
  • Erica Rodrigues Moreira Pesquisador PNPD / Pós Graduação em Produção Vegetal Universidade Federal do Tocantins Campus Universitário de Gurupi
  • Taynar Coelho de Oliveira Tavares Pesquisador PNPD / Pós Graduação em Produção Vegetal Universidade Federal do Tocantins Campus Universitário de Gurupi

DOI:

https://doi.org/10.32404/rean.v5i4.1894

Abstract

Este trabalho teve como objetivo identificar genótipos de feijão comum tolerantes ao alumínio, em solução nutritiva. O experimento foi conduzido em condições de casa de vegetação, na Universidade Federal do Tocantins – Campus Universitário de Gurupi – TO, em blocos inteiramente casualizados, com seis repetições e tratamentos dispostos em esquema fatorial constituído por 15 genótipos e quatro tratamentos: 0, 3 e 6 mg L-1 de alumínio em pH 4,0 ± 0,2 e 0 mg L-1 de alumínio em pH 6,5 ± 0,2. Foram avaliadas as seguintes características: comprimento da parte aérea, comprimento radicular, massa seca da parte aérea e massa seca radicular. Concluiu-se que existe variabilidade genética entre os genótipos de feijão comum quanto à tolerância ao alumínio. Os cultivares IPR Chopim e VC3 foram considerados tolerantes ao alumínio, apresentando bom desenvolvimento radicular. Com isso, a utilização desses genótipos em programas de melhoramento genético pode ser uma alternativa para a agricultura familiar, por possuírem características agronômicas desejáveis relacionadas à tolerância por alumínio.

References

(I) Brasil. 2015. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Projeções do Agronegócio: Brasil 2011/2012 a 2021/2022. Brasília-DF: Mapa/ AGE, 133 p.

(II) Brasil. 2009 Ministério Da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para Análise de Sementes. Brasília-DF: Mapa/ACS, 395p.

(III) Bresolin, A.P.S., Castro, C.M., Mittelmann, A., Oliveira, A.C., Mistura, C.C., Ahlert, R.J., Farias, D.R., Luz, V.K., Silva, V.N., 2012. Resposta de populações de azevém anual ao alumínio tóxico em condições hidropônicas. Magistra, 24, 332-340.

(IV) Cançado, G.M.A., CARNEIRO, N.P., Carneiro, A.A., Purcino, A.A.C., Guimarães, C.T., Alves, M.C., Parentoni, S.N., Souza, I.R.P., Paiva, E., 2001. Novas perspectivas para a adaptação de culturas ao cerrado. Biotecnologia Ciência e desenvolvimento, 4, 56-61.

(V) Carlin, S.D., Rhein, A., Santos, D.M.M., 2012. Efeito simultâneo da eficiência hídrica e do alumínio tóxico no solo na cultivar IAC91-5155 de cana-de-açúcar. Semina: Ciências Agrárias, 33, 553-564.

(VI) Conab. Companhia Nacional de Abastecimento. Acompanhamento de safra brasileira de grãos. 3º levantamento, Brasília-DF: Conab, 2013. Disponível em:<http://www.conab.gov.br/conteudos.php?a=1253&ordem=produto&Pagina_objcmsconteudos=17#A_objcmsconteudos>. Acesso em: 20 fev. 2017.

(VII) Conab. Companhia Nacional de Abastecimento. Acompanhamento de safra brasileira de grãos. 4º levantamento, Brasília-DF: Conab, 2017. Disponível em: <http://www.conab.gov.br/conteudos.php?a=1253&t=2>. Acesso em: 20 fev. 2017.

(VIII) Ferreira, D.F., 2011. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia, 35, 15-76.

(IX) Freitas, F.A., Kopp, M.M., Sousa, R.O., Zimmer, P.D., Carvalho, F.I.F., Oliveira, A.C., 2006. Absorção de P, Mg, Ca e K e tolerância de genótipos de arroz submetidos a estresse por alumínio em sistemas hidropônicos. Ciência Rural, 36, 72-79.

(X) Hervé, C. B., Calai, F.A., Nava, I.C, Dela Torre, C.A., 2013. Tolerância ao alumínio tóxico em germoplasma brasileiro elite de aveia. Ciência Rural, 43, 1364-1370.

(XI) Hoagland, D.R., Arnon, D.I., 1950. The water culture method for growing plants without soil. Berkeley-CA: Agricultural Experimental Station, The collage of Agriculture. p. 1-32. (Circular, 347).

(XII) Huang, C.F., Yamaji, N., Nishimura, M., Tajima, S., Ma, J. F., 2009. A bacterial-type ABC transporter is involved in aluminum tolerance in rice. Plant Cell, 21, 655-667.

(XIII) Köppen, W., 1948. Climatologia: con un estudio de los climas de la tierra. Fondo de Cultura Econômica. Pachuca, México. 479 p.

(XIV) Lopes Junior, C.O., Amorim, A.C.P., Souza, M.W.S., Silva, V.D.M., Silva, M.R., Silvestre, M.P.C., 2010. Otimização da extração enzimática da proteína do feijão. Acta Scientiarum Technology, 32, 319-325.

(XV) Ma, J.F., 2007. Syndrome of aluminium toxicity and diversity os aluminium resistance in higher plants. Internation Review of Cytology, 264, 225-252.

(XVI) Mattiello, E.M., Pereira, M.G., Zonta, E., Mauri, J., Mattiello, J.D., Merieles, P.G., Sil¬va, I.R., 2008. Produção de matéria seca, crescimento radicular e absorção de cálcio, fósforo e alumínio por Coffea canephora e Coffea arabica sob influência da atividade do alumínio em solução. Revista Brasileira de Ciência do Solo, 32, 425-434.

(XVII) Martins, C.E., Miguel, P.S.B., Rocha, W.S.D., Sobrinho, F.S., Gomes, F.T., Oliveira, A.V. 2011. Seleção de genótipos de Brachiaria ruziziensis quanto à tolerância ao alumínio em solução nutritiva. Revista de Ciências Agrárias, 34, 154-162.

(XVIII) Miguel, P.S.B., Gomes, F.T., Rocha, W.S.D., Martins, C.E, Carvalho, C. A., Oliveira, A.V., 2010. Efeitos tóxicos do alumínio no crescimento das plantas: mecanismos de tolerância, sintomas, efeitos fisiológicos, bioquímicos e controles genéticos. CES Revista, 24, 12-30.

(XIX) Nolla, A, Schlindwein, J.A., Anghinoni, I., 2007. Crescimento, morfologia radicular e liberação de compostos orgânicos por plântulas de soja em função da atividade de alumínio na solução do solo de campo natural. Ciência Rural, 37, 97-101.

(XX) Parentoni, S.N., Alves, V.M.C., Milach, S.K., Cançado, G.M.A., Bahia Filho, A.F.C.B., 2001. Melhoramento para tolerância ao alumínio como fator de adaptação a solos ácidos. In: Nass, L.L., Valois, A.C.C., Melo, I.S., Valadares-Inglis, M.C. (Eds). Recursos genéticos e Melhoramento, Rondonópolis-MT: Fundação Mato Grosso. p. 783-851.

(XXI) Peixoto, P.H.P., Pimenta, D.S., Cambraia, J., 2007. Alterações morfológicas e acúmulo de compostos fenólicos em plantas de sorgo sob estresse de alumínio. Bragantia, 66, 17-25.

(XXII) Sanchez-Chacón, C.D., Federizzi, L.C., Milach, S.C.K., Pacheco, M.T., 2002. Variabilidade genética e herança da tolerância à toxicidade do alumínio em aveia. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 35, 1797-1808.

(XXIII) Sharma, A.D., Sharma, H., Lightfoot, D.A., 2011. The genetic control of tolerance to aluminum toxicity in the ‘Essex’ by ‘Forrest’ recombinant inbred line population. Theoretical and Applied Genetics, 122, 687-694.

(XXIV) Zeffa, D.M., Sandoli Filho, R., Moda-Cirino, V., Pavan, M.A., 2011. Variabilidade Genética Para Tolerância à Toxidez de Alumínio em Cultivares e Linhagens Promissoras de Feijão. UNOPAR. Científica: Ciências Exatas e Tecnologia, 10, 21-28.

Published

2018-12-10

How to Cite

Fidelis, R. R., Fernandes, P. S. M., Moreira, E. R., & Tavares, T. C. de O. (2018). IDENTIFICAÇÃO DE GENÓTIPOS DE FEIJOEIRO COMUM TOLERANTES AO ALUMÍNIO. REVISTA DE AGRICULTURA NEOTROPICAL, 5(4), 26–33. https://doi.org/10.32404/rean.v5i4.1894

Most read articles by the same author(s)