VIDA ÚTIL DE VARIEDADES DE MANGABA ENDÊMICAS DO CERRADO EM DIFERENTES ESTÁDIOS DE MATURAÇÃO

Visualizações: 820

Authors

  • Ana Paula Silva Siqueira Instituto Federal Goiano campus Urutaí- Departamento de Ciência e Tecnologia de Alimentos
  • Cristiane Maria Ascari Morgado Universidade Federal de Goiás- Departamento de Agronomia
  • Karina Athaide Cavalcante Universidade Federal de Goiás Departamento de Agronomia
  • Luís Carlos Cunha Júnior Universidade Federal de Goiás- Departamento de Agronomia
  • Eli Regina Barboza Souza Universidade Federal de Goiás- Departamento de Agronomia

DOI:

https://doi.org/10.32404/rean.v5i3.1927

Abstract

A mangabeira é uma frutífera nativa do Cerrado de grande potencial produtivo. Os frutos são globosos, de coloração verde amarelada e agridoces, são também muito perecíveis e explorados por comunidades que vivem do extrativismo de frutíferas desse bioma. Diante da importância desse fruto e de sua alta perecibilidade, objetivou-se com este estudo avaliar a vida útil de duas variedades de mangaba endêmicas do cerrado (Harconia speciosa var. gardineri e var. cuiabenses) colhidas em diferentes estádios de maturação, armazenadas em temperatura média de 20 ºC. Após armazenamento os frutos foram avaliados físico-quimicamente em relação ao teor de sólidos solúveis, acidez titulável, ratio, firmeza e teor de ácido ascórbico diariamente até sua senescência, detectada por aparência e aroma do fruto. Os dados foram tratados estatisticamente através do teste de normalidade de dados e ANOVA. As mangabas maduras tiveram um maior valor de acidez e maior média de sólidos solúveis que as mangabas verdes. A maior concentração de ácido ascórbico também foi encontrada na mangaba madura. A var. cuiabenses se destacou com relação à composição química.  Foi possível concluir que os frutos de mangaba colhidos já amadurecidos tem vida útil de três dias enquanto que os colhidos na maturidade fisiológica antes do completo amadurecimento demoram cerca de 9 dias para amadurecerem.

Author Biographies

Cristiane Maria Ascari Morgado, Universidade Federal de Goiás- Departamento de Agronomia

Departamento de Agronomia da Universidade Federal de Goiás

Karina Athaide Cavalcante, Universidade Federal de Goiás Departamento de Agronomia

Departamento de Agronomia

Universidade Federal de Goiás

References

AOAC - Association Official Analytical Chemistis. Official Methods of Analysis of AOAC International. 18. ed. Gaithersburg: AOAC, 2010.

ADÁMOLI, J.; MACEDO, J.; AZEVEDO, L. G.; NETO, J. M. Caracterização da região dos Cerrados. In: GOEDERT, W. J. (Ed.) Solos do Cerrado: Tecnologias e estratégias de manejo. Planaltina: CPAC, São Paulo, 1987, p. 33-98.

Andrade Júnior, Valter C.; Guimarães, A. G.; Azevedo, A. M.; Pinto, N. A.V.D.; Ferreira, M.A.M. Conservação pós-colheita de frutos de morangueiro em diferentes condições de armazenamento. Horticultura Brasileira, Brasília, v.34, n.3, p.405-411, 2016.

Andrade, R.S.G.; Diniz, M.C.T; Neves, E.A.; Nóbrega, J.A. Determinação e distribuição de ácido ascórbico em três frutos tropicais. Eclética Química, Araraquara, v.27 n. spce., p.393-401, 2002.

Ávila, R.; Oliveira, L. F.; Ascheri, D. P. R. Caracterização dos frutos nativos dos cerrados: araticum, baru e jatobá. Revista Agrotecnologia, Ipameri, v.1, p.53-69, 2010.

BRASIL. Ministério da Agricultura e Reforma Agrária. Secretaria Nacional da Irrigação. Departamento Nacional de Meteorologia. Normas climatológicas: 1961-1990. Brasília: Ministério da Agricultura e Reforma Agrária: 1992. 84 p.

Calbo, A.G., Nery, A.A. Medida de firmeza em hortaliças pela técnica de aplanação. . Horticultura Brasileira, Brasília, v. 3, n.1, p.14-18, 1995.

Carnelossi, M. A. G.; Toledo, W. F. F.; Souza, D. C. L.; Lira, M. de L.; Silva, G. F. da; Jalali, V. R. R.; Viégas, P. R. de A. Conservação pós-colheita de mangaba (Hancornia speciosa Gomes). Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v.28, n.5, p.1119-1125, 2004.

COCETTA, G. et al. Ascorbic acid metabolism during bilberry (Vaccinium myrtillusL.) fruit development). Journal of Plant Physiology, v. 169, n.11, p. 1059–1065, 2012.

Chitarra, M. I. F.; Chitarra, A. B. Pós-colheita de frutos e hortaliças: Fisiologia e manuseio. Lavras: ESAL/FAEPE, 2005. 320p

CRUZ-RUS, E. et al.Regulation of L-ascorbic acid content in strawberry fruits. Journal of Experimental Botany, v. 62, n. 12, p. 4191–4201, 2011.

CRUZ-RUS, E.; BOTELLA, M. A.; GOMEZ-JIMENEZ, M. C. Analysis of genes involved in L-ascorbic acid biosynthesis during growth and ripening of grape berries. Journal of Plant Physiology, v. 167, n. 9, p. 739–748, 2010.

EMPRAPA. Sistema de produção da mangaba para os tabuleiros costeiros e baixadas litorâneas. Versão eletrônica, nov/2007. Disponível em: <http://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/FontesHTML/Mangaba/SistemaProducaoMangabaTabuleirosCosteiros/Introducao.html>. Acesso em: mar. 2017.

EMBRAPA -Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Sistema brasileiro de classificação de solos. Brasília: Embrapa Produção de Informação, 1999. 412 p.

FINGER, F. L.; VIEIRA, G. Controle da perda pós-colheita de água em produtos hortícolas. Viçosa: UFV, 2002. 29 p.

Hansen, O. A. de S.; Cardoso, R. L.; Fonseca, A. A. O.; Viana, E. de S.; Hansen, D. de S.; Barreto, N. S. E. Desenvolvimento e avaliação da estabilidade de néctar de mangaba. Magistra, Cruz das Almas, v. 25, n.2, p.148-156, 2013.

LIMA, M. A. C. de; ALVES, R. E.; FILGUEIRAS, H. A. C.; ENÉAS-FILHO, J. Comportamento respiratório e qualidade pós-colheita de graviola (Annona muricata L.) ‘morada’ sob temperatura ambiente. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 25, n. 1, p.49-52, 2003.

MAIEVES, H. A.; LÓPEZ-FROILÁN, R.; MORALES, P.; PÉREZ-RODRÍGUEZ, M.L.; RIBANI, R.H.; CÁMARA, M.; SÁNCHEZ-MATA, M.C. Antioxidant phytochemicals of Hovenia dulcis Thunb. peduncles in different maturity stages. Journal of Functional Foods, v. 18, n,1, p.1117-1124, 2015.

MIRAHMADI, F; HANAFI, QM; ALIZADEH, M; MOHAMADI, H; SARSAIFEE, M.. Effect of low temperature on physico-chemical properties of different strawberry cultivars. African Journal of Food Science and Technology, v.2, n.5, p. 109-115, 2011.

Nascimento, R. S. M., Cardoso, J. A.; Cocozza, F. D. M. Caracterização física e físico-química de frutos de mangabeira (Hancornia speciosa Gomes) no oeste da Bahia. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v.18, n.8, p.856-860, 2014.

Pereira, M. C. T.; Salomão, L. C. C.; Mota, W. F. da; Vieira, G. Atributos físicos e químicos de frutos de oito clones de jabuticabeiras. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v.22, n. espec. p.16-21, 2000.

VALENTE, A. Ascorbic acid content in exotic fruits: A contribution to produce quality data for food composition databases. Food Research International, v. 44, n.7, p.2237–2242, 2011.

Venturini Filho, W. G. Bebidas alcoólicas – Ciência e tecnologia. São Paulo: Blucher. 2010. 461p.

Sacramento, C. K. do; Matos, C. B.; Souza, C. N.; Barretto, W. S.; Faria, J. C. Características físicas, físico-químicas e químicas de cajás oriundos de diversos municípios da região sul da Bahia. Magistra, Cruz das Almas, v.19, p.283-289, 2007.

STROHECKER, R.L.; Henning. H.M. Analisis de vitaminas: métodos comprobados. Madrid: Paz Montalvo. 428 p, 1967.

Published

2018-09-20

How to Cite

Siqueira, A. P. S., Morgado, C. M. A., Cavalcante, K. A., Cunha Júnior, L. C., & Souza, E. R. B. (2018). VIDA ÚTIL DE VARIEDADES DE MANGABA ENDÊMICAS DO CERRADO EM DIFERENTES ESTÁDIOS DE MATURAÇÃO. REVISTA DE AGRICULTURA NEOTROPICAL, 5(3), 91–96. https://doi.org/10.32404/rean.v5i3.1927

Most read articles by the same author(s)