ANALISE FÍSICO-QUÍMICA DE FRUTOS DE ACHACHAIRU COLETADOS EM DIFERENTES PARTES DA PLANTA

Márcio Silva Melo, Cleiton Gredson Sabin Benett, Bruno Silva Melo, Samara Leticia Oliveira Lourenço, Frederico Severino Barboza

Resumo


O achachairu, também conhecido como mangostinho, é originária da Bolívia cujo nome científico é Garcinia humilis, pertence à família Clusiaceae. O presente trabalho teve como propósito avaliar a qualidade físico-química de frutos de achachairu em diferentes partes da planta. O experimento foi conduzido no laboratório da Universidade Estadual de Goiás, Câmpus Ipameri, localizado no município de Ipameri-GO. O delineamento experimental utilizado foi o inteiramente casualizado, com três partes de coleta de frutos na planta (superior, mediana e base), sendo cada repetição constituída de três plantas. Os frutos de mangostinho foram utilizados de árvores provenientes do pomar da própria área experimental do Câmpus. Foram realizadas as seguintes avaliações físicas e químicas: massa de frutos, massa de sementes, diâmetro de fruto, pH, sólidos solúveis totais (°Brix), acidez total titulável, razão SS/AT e rendimento de polpa. Os dados foram submetidos à análise de variância e as médias comparadas pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade. Nas condições avaliadas do experimento os frutos adquiridos da parte superior da copa são os mais indicados tanto para a comercialização in natura como para o processamento industrial, pois obtiveram melhores qualidades pós-colheita nos parâmetros avaliados.

Texto completo:

PDF

Referências


(1) ARDAYA, B. D. El cultivo de achachairu Garcinia humilis: manual de recomendaciones. Santa Cruz, Bolívia: Centro de Investigacíon Agricola Tropical, 2009. 101 p. (Manual de Recomendaciones).

(2) BARBOSA, E.; ARTIOLI, F. A. A fruta achachairú. 2007. Artigo em Hypertexto. Disponível em:

fobibos.com/Artigos/2007_1/achachairu/index.htm>. Acesso em: 06 de jun. de 2017.

(3) BARBOSA, W.; CHAGAS, E. A.; MARTINS, L.; PIO, R.; TUCCI, M. L. S.; ARTIOLI, F. A. Germinação de sementes e desenvolvimento inicial de plântulas de achachairu. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal-SP, v. 30, n. 1, p. 263-266, 2008.

(4) CARDOSO, M. R. D.; MARCUZZO, F. F. N.; BARROS, J. R. Classificação climática de Köppen-Geiger para o Estado de Goiás e o Distrito Federal. ACTA Geográfica, Boa Vista-RR, v. 8, n. 16, p. 40-55, 2014.

(5) COELHO, A. A.; OLIVEIRA, E. M. S.; RESENDE, E. D. Dimensionamento amostral para a caracterização da qualidade pós colheita do maracujá-amarelo. Revista Ceres, Viçosa-MG, v. 58, n. 1, p. 23-28, 2011.

(6) CURY, G. C.; GISBERT, M. C. A.; PORCEL, W. J. R. Um estudo da fruta comestível de Garcinia gardeneriano. Revista Boliviana de Química, La Paz- Bolívia, v. 33, n. 5, p. 158-163, 2016.

(7) GUIMARÃES, M. M; SILVA, M. S. Valor nutricional e características químicas e físicas de frutos de murici-passa (Byrsonima verbascifolia). Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas-SP, v. 28 n. 4, p. 817-821, 2008.

(8) IAL. INSTITUTO ADOLFO LUTZ. Normas analíticas do IAL: métodos químicos e físicos para análise de alimentos. 5. ed. IAL: São Paulo-SP, 2008. 1020 p.

(9) JANICK, J.; PAULL, R. E. Rheedia laterifolia – Achachairú. In: JANICK, J.; PAULL, R. The encyclopedia of Fruit & Nuts. 3. ed. London, UK: CAB International, 2008. p. 272-273.

(10) LIMA, C. S. M.; GALARÇA, S. P.; BETEMPS, D. L.; RUFATO, A. R.; RUFATO, L. Avaliação física, química e fitoquímica de frutos de Physalis, ao longo do período de colheita. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal–SP, v. 34, n. 4, p. 1004-1012, 2012.

(11) LIRA JUNIOR, J. S.; BEZERRA, J. E. F.; LEDERMAN, I. E.; MOURA, R. J. M. Produção e características físico-químicas de clones de cirigueleira na Zona da Mata Norte de Pernambuco. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, Recife-PE, v. 5, n. 1, p. 43-48, 2010.

(12) NASCIMENTO, V. E.; MARTINS, A. B. G.; HOJO, R. H. Caracterização física e química de frutos de mamey. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal–SP, v. 30, n. 4, p. 953-957, 2008.

(13) OLIVEIRA, J.A.R.; MARTINS, L. H. S.; VASCONCELOS, M. A. M.; PENA, R. S.; CARVALHO, A. V. Caracterização física, físico-química e potencial tecnológico de frutos de camapu (Physalis angulata). Revista Brasileira de Tecnologia Agroindustrial, Curitiba-PR, v. 5, n. 2, p. 573-583, 2011a.

(14) OLIVEIRA, V. S.; AFONSO, M. R. A.; COSTA, J. M. C. Caracterização físico-química e comportamento higroscópico sapoti liofilizado. Revista Ciência Agronômica, Fortaleza–CE, v. 42, n. 2, p. 342-348, 2011b.

(15) PALAPOL, Y.; KETSA, S.; STEVENSON, D.; COONEY, J. M.; ALLAN, A. C.; FERGUSON, I. B. Colour development and quality of mangosteen (Garcinia mangostana L.) fruit during ripening and after harvest. Postharvest Biology and Technology, Nova Zelândia, v. 51, n.3, p. 349-353, 2009.

(16) SANTOS H. G.; JACOMINE P. K. T.; ANJOS L. H. C.; OLIVEIRA V. A.; LUMBRERAS J. F.; COELHO M. R.; ALMEIDA J. A.; CUNHA T. J. F.; OLIVEIRA J. B. Sistema brasileiro de classificação de solos. Brasília-DF: Embrapa Solos, 2013. 353p.

(17) YILMAZ, K. U.; ERCISLI, S.; ZENGIN, Y.; SENGUL, M. KAFKAS, E. Y. Preliminary characterisation of cornelian cherry (Cornus mas L.) genotypes for their physico-chemical properties. Food Chemistry, Netherlands, v. 114, n. 2, p. 408-412, 2009.




DOI: https://doi.org/10.32404/rean.v4i5.2189

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 JOURNAL OF NEOTROPICAL AGRICULTURE

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.