POTENCIAL FISIOLÓGICO DE SEMENTES DE SOJA EM DIFERENTES DOSES E ÉPOCAS DE APLICAÇÃO DE ZINCO

Authors

  • Fernando Castro de Oliveira Universidade Estadual de Goiás, Campus Ipameri, Ipameri-GO, Brasil
  • Cleiton Gredson Sabin Benett Universidade Estadual de Goiás, Câmpus Ipameri, Goiás, Brasil.
  • Katiane Santiago Silva Benett Universidade Estadual de Goiás, Câmpus Ipameri, Goiás, Brasil.
  • Natália Arruda Universidade Estadual de Goiás, Câmpus Ipameri, Goiás, Brasil.
  • Bruna do Carmo Vieira Instituto Federal Goiano, Campus Urutaí, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.32404/rean.v4i5.2191

Abstract

A soja é uma das culturas mais importantes do mundo, porém, quando cultivada em solos com deficiências de nutrientes pode influenciar negativamente no potencial fisiológico das sementes. O objetivo desta pesquisa é avaliar o efeito de doses e épocas de aplicação de zinco no potencial fisiológico de sementes de soja, cultivada em solo da região do Cerrado. O experimento foi instalado no município de Ipameri – Goiás, utilizou-se o delineamento inteiramente casualizado, em esquema fatorial 2 (épocas V9 e R1) x 5 (doses 0, 3, 6, 9 e 12 kg ha-1 de zinco), com quatro repetições. Para avaliar o potencial fisiológico das sementes foi realizado o teste de germinação, os testes tradicionais de vigor para espécie e o teste de tetrazólio. Os resultados foram submetidos à análise de variância e as médias comparadas pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade e para analisar as doses de Zn utilizou-se a análise de regressão. As diferentes doses de Zn e épocas de aplicação não influenciaram no potencial fisiológico das sementes de soja, porém influenciou positivamente para a massa de 100 sementes e o teste de envelhecimento acelerado.

Author Biographies

Fernando Castro de Oliveira, Universidade Estadual de Goiás, Campus Ipameri, Ipameri-GO, Brasil

Departamento de Agronomia. Área: fitotecnia.

Cleiton Gredson Sabin Benett, Universidade Estadual de Goiás, Câmpus Ipameri, Goiás, Brasil.

Departamento de Agronomia. Area de Mecanização Agrícola e Fitotecnia.

Katiane Santiago Silva Benett, Universidade Estadual de Goiás, Câmpus Ipameri, Goiás, Brasil.

Departamento de Agronomia. Area: fitotecnia.

Natália Arruda, Universidade Estadual de Goiás, Câmpus Ipameri, Goiás, Brasil.

Departamento de Agronomia. Area: fitotecnia.

Bruna do Carmo Vieira, Instituto Federal Goiano, Campus Urutaí, Brasil.

Departamento de Agronomia. Area: fitotecnia.

References

(1) ABREU, C. A.; LOPES, A. L.; SANTOS, G. Micronutrientes. In: NOVAIS, R.F.; ALVAREZ V., V.H.; BARROS, N. F.; FONTES, R. L. F.; CANTARUTTI, R. B.; NEVES, J. C. L. Fertilidade do Solo. Viçosa, MG: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 2007. p. 645-736.

(2) ALENCAR, E. R.; FARONI, L. R. D.; LACERDA FILHO, A. F.; PETERNELLI, L. A.; COSTA, A. R. Qualidade dos grãos de soja em função das condições de armazenamento. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande-PB, v. 13, n. 5, p. 606-613, 2009.

(3) BRASIL/MAPA. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. Regras para análise de sementes. Secretaria de Defesa Agropecuária. Brasília-DF: Mapa/ACS, 2009. 395p.

(4) BRASIL/MAPA. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E DO ABASTECIMENTO. Instrução Normativa n. 45, de 17 de setembro de 2013. Estabelece os padrões para produção e comercialização de sementes de soja (Glycine max L.). Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, Anexo XXIII, 20 setembro, 2013.

(5) CARDOSO, M. R. D.; MARCUZZO, F. F. N.; BARROS, J. R. Classificação climática de Köppen-Geiger para o Estado de Goiás e o Distrito Federal. ACTA Geográfica, Roraima-RR, v. 8, n. 16, p. 40-55, 2014.

(6) CARVALHO, N.M.; NAKAGAWA, J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. 4. ed. Jaboticabal-SP: Funep, 2000. 588 p.

(7) CARVALHO, T. C.; NOVEMBRE, A. D. L. C.; MORAES, M. H. D.; GALIARDI, B. Envelhecimento acelerado e ocorrência de fungos em duas cultivares de soja. Semina: Ciências Agrárias, Londrina-PR, v. 32, n. 1, p. 165-172, 2011.

(8) CHAVES, L. H. G.; MESQUITA, E. F.; ARAUJO, D. L.; FRANÇA, C. P. Crescimento, distribuição e acúmulo de cobre e zinco em plantas de pinhão manso. Revista Ciência Agronômica, Fortaleza-CE, v. 41, n. 2, p. 167-176, 2010.

(9) EL HAGGAN, E. A. L. M. A. Effect of micronutrients foliar application on yield and quality traits of soybean cultivars. International Journal of Agriculture and Crop Sciences, London, v. 7, n. 11, p. 908-914, 2014.

(10) FERREIRA, L. A.; OLIVEIRA, J. A.; VON PINHO, E. V. R.; QUEIROZ, D. V. Bioestimulante e fertilizante associados ao tratamento de sementes de milho. Revista Brasileira de Sementes, Londrina-PR, v. 29, n. 2, p. 80-89, 2007.

(11) FRANDOLOSO, V.; MENEGHELLO, G. E.; ANDRE, M. A.; DEUNER, C. MENEGAZ, W. Physiological quality of soybean seeds produced in four edaphoclimatic regions of Santa Catarina. Journal Seed Science, Londrina-PR, v. 37, n. 3, p. 226-233, 2015.

(12) FREITAS, M. C. M. A. Cultura da Soja no Brasil: O crescimento da produção brasileira e o surgimento de uma nova fronteira agrícola. Enciclopédia Biosfera – Centro Científico Conhecer, Goiânia-GO, v. 7, n. 12, p. 1-12, 2011.

(13) GONÇALVES JÚNIOR, A. C.; NACKE, H.; MARENGONI, N. G.; CARVALHO, E. A.; COELHO, G. F. Produtividade e componentes de produção da soja adubada com diferentes doses de fósforo, potássio e zinco. Ciência e Agrotecnologia, Lavras-MG, v. 34, n. 3, p. 660-666, 2010.

(14) INOCÊNCIO, M. F. RESENDE, A. V.; FURTINI NETO, A. E.; VELOSO, M. P.; FERRAZ, F. M.; HICKMANN, C. Resposta da soja à adubação com zinco em solo com teores acima do nível crítico. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília-DF, v. 47, n. 10, p. 1550-1554, 2012.

(15) KOBRAEE, S.; SHAMSI, K. Relationships between oil, protein and dry matter in soybean seed with some of micronutrients fertilization. Research Journal of Soil Biology, New York, v. 7, n. 2, p. 56-63, 2015.

(16) MAGUIRE, J. D. Speed of germination-aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science, Madison, v. 2, n. 1, p. 176-177, 1962.

(17) MALAVOLTA, E.; VITTI, G. C.; OLIVEIRA, S. A. Avaliação do estado nutricional das plantas: princípios e aplicações. 2. ed. Piracicaba-SP: POTAFOS, 1997. 319 p.

(18) MARCOS FILHO, J. Teste de envelhecimento acelerado. In: KRZYZANOWSKI, F. C.; VIEIRA, R. D.; FRANÇA NETO, J. B. (Ed.) Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina-PR: ABRATES, 1999. cap.3. p. 1-24.

(19) MARCOS FILHO, J. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. Londrina-PR: ABRATES, 2015. 666 p.

(20) MARSCHNER, P. Marschner’s mineral nutrition of hight plants. 3. ed. Oxford: Elsevier, 2012. 643 p.

(21) OHSE, S.; REZENDE, B. L. A.; LISIK, D.; OTTO, R. F. Germinação e vigor de sementes de melancia tratadas com zinco. Revista Brasileira de Sementes, Londrina-PR, v. 34, n. 2, p. 282-292, 2012.

(22) RIBEIRO, A. C.; GUIMARÃES, P. T. G.; ALVAREZ, V. H. Recomendações para o uso de corretivos e fertilizantes em Minas Gerais – 5ª aproximação. Viçosa-MG: UFV, 1999. 359 p.

(23) SADEGHZADEH, B. A review of zinc nutrition and plant breeding. Journal of Soil Science and Plant Nutrition, Temuco-Chile, v. 13, n. 4, p. 905-927, 2013.

(24) SANTOS H. G.; JACOMINE P. K. T.; ANJOS L. H. C.; OLIVEIRA V. A.; LUMBRERAS J. F.; COELHO M. R.; ALMEIDA J. A.; CUNHA T. J. F.; OLIVEIRA J. B. Sistema brasileiro de classificação de solos. 3. ed. Brasília-DF: Embrapa, 2013. 353 p.

(25) SCHEEREN, B. R.; PESKE, S. T.; SCHUCH, L. O. B; BARROS, A. C. A. Qualidade fisiológica e produtividade de sementes de soja. Revista Brasileira de Sementes, Londrina-PR, v. 32, n. 3, p. 35-41, 2010.

(26) SILVA, J. B.; VIEIRA, R. D. Avaliação do potencial fisiológica de sementes de beterraba. Revista Brasileira de Sementes, Londrina-PR, v. 28, n. 2, p.128-134, 2006.

(27) TAIZ, L.; ZEIGER, E. Plant Physiology. 5 ed. Massachusetts: Sinauer Associates, 2010. 782 p.

(28) VIEIRA, R. D.; CARVALHO, N. M.; BUZETTI, S. Efeito da adubação com zinco sobre a qualidade fisiológica de sementes de soja. Revista Brasileira de Sementes, Londrina-PR, v. 9, n. 1, p. 107-111, 1987.

(29) WENDT, L.; GOMES-JUNIOR, F. G.; ZORATO, M. F.; MOREIRA, G. C. Avaliação do potencial fisiológico de sementes de soja por meio de imagens. Pesquisa Agropecuária Tropical, Goiânia-GO, v. 44, n. 3, p. 280-286, 2014

Published

20/12/2017

How to Cite

Oliveira, F. C. de, Benett, C. G. S., Benett, K. S. S., Arruda, N., & Vieira, B. do C. (2017). POTENCIAL FISIOLÓGICO DE SEMENTES DE SOJA EM DIFERENTES DOSES E ÉPOCAS DE APLICAÇÃO DE ZINCO. REVISTA DE AGRICULTURA NEOTROPICAL, 4(5), 66–71. https://doi.org/10.32404/rean.v4i5.2191

Most read articles by the same author(s)

1 2 3 > >>