ÁCIDO GIBERÉLICO AUXILIA NA SUPERAÇÃO DA DORMÊNCIA FISIOLÓGICA E EXPRESSÃO DE VIGOR DAS SEMENTES DE GRAVIOLA

Carlos Henrique Queiroz Rego, Fernanda Brito Cardoso, Mayara Fávero Cotrim, Ana Carina da Silva Cândido, Charline Zaratin Alves

Resumo


As sementes de graviola (Annona muricata) apresentam tegumento resistente e impermeável, além de substâncias inibidoras que dificultam a germinação das sementes. Assim, objetivou-se avaliar a contribuição da embebição em ácido giberélico para a superação da dormência e aumento da germinação das sementes de graviola. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado, com cinco tratamentos e quatro repetições. As sementes foram escarificadas e em seguida embebidas por 24 horas a 25 ºC em soluções contendo 0; 50; 100; 150 e 200 mg L-1 (ppm) de ácido giberélico. Após este período de embebição as sementes foram submetidas ao teste de germinação, sendo avaliados a porcentagem de germinação, o índice de velocidade e o tempo médio de germinação. As concentrações de ácido giberélico apresentaram efeito sobre a germinação e índice de velocidade de germinação. Conclui-se que a embebição das sementes de graviola na concentração aproximada de 140 ppm de ácido giberélico auxilia na superação da dormência, aumentando a germinação e o índice de velocidade de germinação.


Texto completo:

PDF

Referências


(I) Bewley, J.D.; Black, M. 1994. Seeds: physiology of development and germination. 2.ed., Plenum Press, New York.

(II) Borghetti, F.; Ferreira, A.G. 2004. Interpretação de resultados de germinação. Germinação: do básico ao aplicado. Artmed, Porto Alegre, pp. 209-222.

(III) Cardoso, V. Germinação. 2004. In: Kerbauy, G.B. Fisiologia Vegetal. Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, pp. 386-408.

(IV) Cardoso, V.J.M. 2009. Conceito e classificação da dormência em sementes. Oecologia Brasiliensis, 2, 1, 619-631.

(V) Casanova, L.; Casanova, R.; Moret, A.; Agustí, M. 2009. The application of gibberellic acid increases berry size of" Emperatriz" seedless grape. Spanish Journal of Agricultural Research, 7, 4, pp. 919-927.

(VI) Costa, P.N.; Bueno, S.S.C.; Ferreira, G. 2011. Fases da germinação de sementes de Annona emarginata (Schltdl.) H. Rainer em diferentes temperaturas. Revista Brasileira de Fruticultura, 33, 1, pp. 253-260.

(VII) Silva, E.A.A.; Melo, D.L.; Davide, A.C.; Bode, N.; Abreu, G.B.; Faria, J.M.; Hilhorst, H.W. 2007. Germination Ecophysiology of Annona crassiflora seeds. Annals of Botany, 99, 5, pp. 823-830.

(VIII) Dalanhol, S.J.; Mombach, T.C.; Toderke, M.L.; Nogueira, A.V.; Bortolini, M.F. 2013. Dormência em sementes de Annona cacans warm.(annonaceae). Revista Acadêmica: Ciência Animal, 11, pp. 183-189.

(IX) Jong, M.; Mariani, C.; Vriezen, W.H. 2009. The role of auxin and gibberellin in tomato fruit set. Journal of Experimental Botany, 60, 5, pp. 1523-1532.

(X) Ferreira, G.; Erig, P. R.; Moro, E. 2002. Giberellic acid use on sugar apple (Annona squamosa L.) Seeds aiming seedling production in different packs. Revista Brasileira de Fruticultura, 24, 1, pp. 178-182.

(XI) Ferreira, G.; Guimarães, V.F.; Pinho, S.Z.; Oliveira, M.C.; Richart, A.; Braga, J.F.; Dias, G.B. 2006. Curva de absorção de água em sementes de atemoia (Annona cherimola MILL. x Annona squamosa L.) CV. ‘Gefner’. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, 28, 1, pp. 121-124.

(XII) Junqueira, N.; Junqueira, K. 2014. Principais doenças de anonáceas no Brasil: descrição e controle. Revista Brasileira de Fruticultura, 36, 55-64.

(XIII) Labouriau, L.; Valadares, M. 1976. On the germination of seeds of Calotropis procera (Ait.) Ait. f. Anais. Anais da Academia Brasileira de Ciências, Rio de Janeiro, 48, 2, pp. 263-284.

(XIV) Lobo, M.; Delgado, O.; Cartagena, J.E.; Fernández, E.; Medina, C.I. 2007. Categorización de la germinación y la latencia en semillas de chirimoya (Annona cherimola L.) Y guanábana (Annona muricata L.), como apoyo a programas de conservación de germoplasma. Agronomía Colombiana, 25, 2, pp. 231-244.

(XV) Maguire, J.D. 1962. Speed of germination - aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigor1. Crop Science, 2, 2, pp. 176-177.

(XVI) Marcos Filho, J. 2015. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. 2. ed., Abrates, Londrina.

(XVII) Menegazzo, M.L.; Oliveira, A.C.; Kulczynski, S.M.; Silva, E.A. 2012. Efeitos de métodos de superação de dormência em sementes de pinha (Annona squamosa L.). Agrarian, 5, 15, pp. 29-35.

(XVIII) Peng, J.; Harberd, N.P. 2002. The role of ga-mediated signalling in the control of seed germination. Current Opinion in Plant Biology, 5, 5, pp. 376-381.

(XIX) Serrani, J.C.; Sanjuán, R.; Ruiz-Rivero, O.; Fos, M.; García-Martínez, J.L. 2007. Gibberellin regulation of fruit set and growth in tomato. Plant Physiology, 145, 1, pp. 246-257.

(XX) Stenzel, N.M.C.; Murata, I.M.; Neves, C. 2003. Superação da dormência em sementes de atemóia e fruta-do-conde. Revista Brasileira de Fruticultura, 25, 2, pp. 305-308.

(XXI) Taiz, L.; Zeiger, E. 2017. Fisiologia e desenvolvimento vegetal. Artmed editora, Porto Alegre.

(XXII) Vieira, A.R.; Oliveira, J.A.; Guimaraes, R.M.; Pinho, E.V.R.V.; Pereira, C.E.; Clemente, A.C.S. 2008. Marcador isoenzimático de dormência em sementes de arroz. Revista Brasileira de Sementes, Lavras, 30, 1, pp. 81-89.




DOI: https://doi.org/10.32404/rean.v5i3.2354

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 JOURNAL OF NEOTROPICAL AGRICULTURE

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.