ÁCIDO GIBERÉLICO AUXILIA NA SUPERAÇÃO DA DORMÊNCIA FISIOLÓGICA E EXPRESSÃO DE VIGOR DAS SEMENTES DE GRAVIOLA

Authors

  • Carlos Henrique Queiroz Rego Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, campus de Chapadão do Sul
  • Fernanda Brito Cardoso Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, campus de Chapadão do Sul
  • Mayara Fávero Cotrim Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, campus de Chapadão do Sul
  • Ana Carina da Silva Cândido Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, campus de Chapadão do Sul
  • Charline Zaratin Alves Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, campus de Chapadão do Sul

DOI:

https://doi.org/10.32404/rean.v5i3.2354

Abstract

As sementes de graviola (Annona muricata) apresentam tegumento resistente e impermeável, além de substâncias inibidoras que dificultam a germinação das sementes. Assim, objetivou-se avaliar a contribuição da embebição em ácido giberélico para a superação da dormência e aumento da germinação das sementes de graviola. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado, com cinco tratamentos e quatro repetições. As sementes foram escarificadas e em seguida embebidas por 24 horas a 25 ºC em soluções contendo 0; 50; 100; 150 e 200 mg L-1 (ppm) de ácido giberélico. Após este período de embebição as sementes foram submetidas ao teste de germinação, sendo avaliados a porcentagem de germinação, o índice de velocidade e o tempo médio de germinação. As concentrações de ácido giberélico apresentaram efeito sobre a germinação e índice de velocidade de germinação. Conclui-se que a embebição das sementes de graviola na concentração aproximada de 140 ppm de ácido giberélico auxilia na superação da dormência, aumentando a germinação e o índice de velocidade de germinação.

Author Biographies

Carlos Henrique Queiroz Rego, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, campus de Chapadão do Sul

Produção e Tecnologia de Sementes

Fernanda Brito Cardoso, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, campus de Chapadão do Sul

Produção e Tecnologia de Sementes

Mayara Fávero Cotrim, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, campus de Chapadão do Sul

Produção e Tecnologia de Sementes

Ana Carina da Silva Cândido, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, campus de Chapadão do Sul

Produção e Tecnologia de Sementes

Charline Zaratin Alves, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, campus de Chapadão do Sul

Produção e Tecnologia de Sementes

References

(I) Bewley, J.D.; Black, M. 1994. Seeds: physiology of development and germination. 2.ed., Plenum Press, New York.

(II) Borghetti, F.; Ferreira, A.G. 2004. Interpretação de resultados de germinação. Germinação: do básico ao aplicado. Artmed, Porto Alegre, pp. 209-222.

(III) Cardoso, V. Germinação. 2004. In: Kerbauy, G.B. Fisiologia Vegetal. Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, pp. 386-408.

(IV) Cardoso, V.J.M. 2009. Conceito e classificação da dormência em sementes. Oecologia Brasiliensis, 2, 1, 619-631.

(V) Casanova, L.; Casanova, R.; Moret, A.; Agustí, M. 2009. The application of gibberellic acid increases berry size of" Emperatriz" seedless grape. Spanish Journal of Agricultural Research, 7, 4, pp. 919-927.

(VI) Costa, P.N.; Bueno, S.S.C.; Ferreira, G. 2011. Fases da germinação de sementes de Annona emarginata (Schltdl.) H. Rainer em diferentes temperaturas. Revista Brasileira de Fruticultura, 33, 1, pp. 253-260.

(VII) Silva, E.A.A.; Melo, D.L.; Davide, A.C.; Bode, N.; Abreu, G.B.; Faria, J.M.; Hilhorst, H.W. 2007. Germination Ecophysiology of Annona crassiflora seeds. Annals of Botany, 99, 5, pp. 823-830.

(VIII) Dalanhol, S.J.; Mombach, T.C.; Toderke, M.L.; Nogueira, A.V.; Bortolini, M.F. 2013. Dormência em sementes de Annona cacans warm.(annonaceae). Revista Acadêmica: Ciência Animal, 11, pp. 183-189.

(IX) Jong, M.; Mariani, C.; Vriezen, W.H. 2009. The role of auxin and gibberellin in tomato fruit set. Journal of Experimental Botany, 60, 5, pp. 1523-1532.

(X) Ferreira, G.; Erig, P. R.; Moro, E. 2002. Giberellic acid use on sugar apple (Annona squamosa L.) Seeds aiming seedling production in different packs. Revista Brasileira de Fruticultura, 24, 1, pp. 178-182.

(XI) Ferreira, G.; Guimarães, V.F.; Pinho, S.Z.; Oliveira, M.C.; Richart, A.; Braga, J.F.; Dias, G.B. 2006. Curva de absorção de água em sementes de atemoia (Annona cherimola MILL. x Annona squamosa L.) CV. ‘Gefner’. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, 28, 1, pp. 121-124.

(XII) Junqueira, N.; Junqueira, K. 2014. Principais doenças de anonáceas no Brasil: descrição e controle. Revista Brasileira de Fruticultura, 36, 55-64.

(XIII) Labouriau, L.; Valadares, M. 1976. On the germination of seeds of Calotropis procera (Ait.) Ait. f. Anais. Anais da Academia Brasileira de Ciências, Rio de Janeiro, 48, 2, pp. 263-284.

(XIV) Lobo, M.; Delgado, O.; Cartagena, J.E.; Fernández, E.; Medina, C.I. 2007. Categorización de la germinación y la latencia en semillas de chirimoya (Annona cherimola L.) Y guanábana (Annona muricata L.), como apoyo a programas de conservación de germoplasma. Agronomía Colombiana, 25, 2, pp. 231-244.

(XV) Maguire, J.D. 1962. Speed of germination - aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigor1. Crop Science, 2, 2, pp. 176-177.

(XVI) Marcos Filho, J. 2015. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. 2. ed., Abrates, Londrina.

(XVII) Menegazzo, M.L.; Oliveira, A.C.; Kulczynski, S.M.; Silva, E.A. 2012. Efeitos de métodos de superação de dormência em sementes de pinha (Annona squamosa L.). Agrarian, 5, 15, pp. 29-35.

(XVIII) Peng, J.; Harberd, N.P. 2002. The role of ga-mediated signalling in the control of seed germination. Current Opinion in Plant Biology, 5, 5, pp. 376-381.

(XIX) Serrani, J.C.; Sanjuán, R.; Ruiz-Rivero, O.; Fos, M.; García-Martínez, J.L. 2007. Gibberellin regulation of fruit set and growth in tomato. Plant Physiology, 145, 1, pp. 246-257.

(XX) Stenzel, N.M.C.; Murata, I.M.; Neves, C. 2003. Superação da dormência em sementes de atemóia e fruta-do-conde. Revista Brasileira de Fruticultura, 25, 2, pp. 305-308.

(XXI) Taiz, L.; Zeiger, E. 2017. Fisiologia e desenvolvimento vegetal. Artmed editora, Porto Alegre.

(XXII) Vieira, A.R.; Oliveira, J.A.; Guimaraes, R.M.; Pinho, E.V.R.V.; Pereira, C.E.; Clemente, A.C.S. 2008. Marcador isoenzimático de dormência em sementes de arroz. Revista Brasileira de Sementes, Lavras, 30, 1, pp. 81-89.

Published

20/09/2018

How to Cite

Rego, C. H. Q., Cardoso, F. B., Cotrim, M. F., Cândido, A. C. da S., & Alves, C. Z. (2018). ÁCIDO GIBERÉLICO AUXILIA NA SUPERAÇÃO DA DORMÊNCIA FISIOLÓGICA E EXPRESSÃO DE VIGOR DAS SEMENTES DE GRAVIOLA. REVISTA DE AGRICULTURA NEOTROPICAL, 5(3), 83–86. https://doi.org/10.32404/rean.v5i3.2354