GERMINAÇÃO E EMERGÊNCIA DE SEMENTES DE MILHO DE DIFERENTES TAMANHOS SUBMETIDAS À TRATAMENTOS QUÍMICOS

Visualizações: 1505

Authors

  • Lucas Guilherme Bulegon Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Centro de Ciências Agrárias - UNIOESTE, Marechal Cândido Rondon-PR, Brasil
  • Deise Dalazen Castagnara Universidade Federal do Pampa/Unipampa, Uruguaiana, RS, Brasil,
  • Claudio Yuji Tsutsumi
  • Marcos Cristiano Erig
  • Tiago Zoz

DOI:

https://doi.org/10.32404/rean.v2i2.263

Abstract

Com o atual sistema de cultivo intensivo cresce a necessidade de práticas culturais que possibilitem uma emergência e um desenvolvimento inicial adequado de plântulas. Assim, no presente trabalho objetivou-se estudar os efeitos de diferentes tratamentos de sementes sobre diferentes peneiras na germinação e emergência de plântulas de milho. O delineamento experimental utilizado foi em blocos casualizados em esquema fatorial 2 x 4, com dois tamanhos das sementes (C2 e R3) e quatro tratamentos das sementes: testemunha; tratamento com tiametoxam; tiametoxam + fertilizante misto; tiametoxam + fertilizante misto + carbendazim + thiram, e quatro repetições. Avaliou-se a germinação e vigor de sementes. Uma menor germinação de sementes foi encontrada quando realizou-se o tratamento químico das sementes com tiametoxam + fertilizante misto e também quando se acrescentou carbedazim + thiram. Para a emergência de plântulas, os tratamentos com tiametoxam + fertilizante misto e os que receberam carbedazim + thiram, promoveram as menores médias, independente da peneira utilizada, sendo que a aplicação isolada de tiametoxam elevou a emergência de plântulas na peneira C2. Desta forma tratamento químico das sementes com combinação de nutrientes e outros princípios ativos interferem negativamente na germinação e emergência de plântulas, independente da peneira utilizada, porém o uso de tiametoxam isolado não reduz a germinação e emergência de plântulas com exceção na peneira R3 que reduz a emergência de plântulas.

Author Biography

Claudio Yuji Tsutsumi

Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Centro de Ciências Agrárias - UNIOESTE, Marechal Cândido Rondon-PR, Brasil

References

(1) AGUILERA, L.A.; CARON, B. O.; CELLA, W. L.; JUNIOR, I. L. Qualidade fisiológica de sementes de milho em função da forma e do tratamento químico das sementes. Ciência Rural, Santa Maria-RS, v. 30, n. 2, p. 211-215. 2000.

(2) BATTISTUS, A. G.; KUNH, O. J.; STANGARLIN, J. R.; HOFFMANN, M. R. B.; STULP, J. L.; ISTCHUK, A. N. Comportamento da cultura do trigo tratado com enraizador e bioativador de plantas. Scientia Agraria Paranaensis, Marechal Cândido Rondon-PR, v. 12, n. 1 p. 17-29, 2013.

(3) BRASIL. Ministério da Agricultura e Reforma Agrária. Regras para análise de sementes, Brasília-DF: SNDA/DNDV/CLAV. 2009. 399 p.

CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J., Sementes: ciência, tecnologia e produção. 4.ed. Jaboticabal: Funep. 2000. 588 p.

(4) COLMAN, B. A.; MASSON, G. L.; MISSIO, H. G.; NUNES, A. S.; CEOLIN, A. C. Efeito da adição de inseticidas no tratamento de sementes de soja com bioestimulante. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, Pombal-PB, v. 5, n. 5, p. 45-48, 2012.

(5) CONAB. COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO. Acompanhamento da safra brasileira de grãos, Brasília-DF: Conab, 2015.

(6) CORRÊA JUNIOR, E. S.; HOSSEN, D. C.; GUIMARAES, S.; LIMA, A. M.; NUNES, U. R. Respostas fisiológicas de sementes de milho a tratamentos químicos. Revista Trópica: Ciências Agrárias e Biológicas, Chapadinha-MA, v. 7, n. 1, p. 58-65, 2013.

(7) FANCELLI, A. L.; DOURADO NETO, D. Ecofisiologia e fenologia. In: FANCELLI, A. L.; DOURADO NETO, D. Produção de milho, Guaiba-RS: Agropecuária. 2000. 360 p.

(8) FERREIRA, D. F. SISVAR – A computer statiscal analyssis system. Ciência e Tecnologia, Lavras-MG, v. 35, n. 4, p. 1039, 1042, 2011.

(9) FRANZIN, S. M.; MENEZES, N. L.; GARCIA, D. C.; ROVESI, T. Avaliação do vigor de sementes de alface nuas e peletizadas. Revista Brasileira de Sementes, Londrina-PR, v. 26, n. 2, p. 114-118, 2004.

(10) LAUXEN, L. R.; VILLELA, F. A.; SOARES, R. C., Desempenho fisiológico de sementes de algodoeiro tratadas com tiametoxam. Revista Brasileira de Sementes, Londrina-PR, v. 32, n. 3, p. 61-68, 2010.

(11) MARTINS, C. C.; MARTINELLI-SENEME, A.; CASTRO, M. M.; NAKAGAWA, J.; CAVARIANI. C. Comparação entre métodos para a avaliação do vigor de lotes de sementes de couve-brócolos (Brassica oleracea l. var. italica plenk). Revista Brasileira de Sementes, Londrina-PR, v. 24, n. 2, p. 96-101, 2002.

(12) MENEZES, N. L.; LERSCH-JUNIOR, I.; STORCK, L. Qualidade física e fisiológica das sementes de milho após o beneficiamento. Revista Brasileira de Sementes, Londrina-PR, v. 24, n. 1, p. 97-102, 2002.

(13) MONDO, V. H. V.; CICERO, S. M. Análise de imagens na avaliação da qualidade de sementes de milho localizadas em diferentes posições na espiga. Revista Brasileira de Sementes, Londrina-PR, v. 27, n. 1, p. 9-18, 2005.

(14) MOTERLE, L. M.; SANTOS, R. F.; SCAPIM, C. A.; BRACCINI, A. L.; BONATO, C. M.; CONRADO, T. Efeito de biorregulador na germinação e no vigor de sementes de soja. Revista Ceres, Viçosa-MG, v. 58, n. 5, p. 651-660, 2011.

(15) ORSO, G. A.; SANTOS, E. L.; MOREIRA, G. C. Avaliação do vigor de sementes de milho conforme sua posição na espiga e tipo de cruzamento. Cultivando o Saber, Cascavel-PR, v. 4, n. 3, p. 189-195, 2011.

(16) PEREIRA, C. E.; OLIVEIRA, J. A.; GUIMARÃES, R. M.; VIEIRA, A. R.; EMILIORELI, E.; OLIVEIRA, G. E. Tratamento fungicida e peliculazação de sementes de soja submetidas ao armazenamento. Ciência e Agrotecnologia, Lavras-MG, v. 35, n. 1, p. 158-164, 2011.

(17) SANTOS, F.; MEDINA, P. F.; LOURANÇÃO, A. L.; PARISI, J. J. D.; GODOY, I. J. Qualidade de semente de amendoim armazenadas no estado de São Paulo. Bragantia, Campinas-SP, v. 72, n. 3, p. 310-317. 2013a.

(18) SANTOS, C. A. C.; PEIXOTO, C. P.; VIEIRA, E. L.; CARVALHO, E. V.; PEIXOTO, V. A. B. Stimulate na germinação de sementes, emergência e vigor de plântulas de girassol. Journal Bioscience. Uberlândia-MG, v. 29, n. 3, p. 605-616. 2013b.

(19) SANTOS, V. M.; MELO, A. V.; CARDOSO, D. P.; GONÇALVES, A. H.; VARANDA, M. A. F.; TAUBINGER, M. Uso de bioestimulantes no crescimento de plantas de Zea mays L., Revista Brasileira de Milho e Sorgo, Sete Lagoas-MG, v. 12, n. 3, p. 307-318. 2013c.

(20) SMIDERLE, O. J.; CICERO, S. M. Tratamento inseticida e qualidade de sementes de milho. Revista Brasileira de Sementes. Londrina-PR, v. 20, n. 2, p. 223-230, 1998.

(21) VASQUEZ, G, H.; ARF, O.; SARGI, B. A.; PESSOA, A. C. O. Influência do tamanho e da forma da semente de milho sobre o desenvolvimento da planta e a produtividade de grãos. Bioscience Journal, Uberlândia-MG, v. 28, n. 1, p. 16-24. 2012.

(22) VIEIRA, E. L. Manual de Fisiologia Vegetal. São Luis: EDUFMA. 2010

Published

2015-07-07

How to Cite

Bulegon, L. G., Castagnara, D. D., Tsutsumi, C. Y., Erig, M. C., & Zoz, T. (2015). GERMINAÇÃO E EMERGÊNCIA DE SEMENTES DE MILHO DE DIFERENTES TAMANHOS SUBMETIDAS À TRATAMENTOS QUÍMICOS. REVISTA DE AGRICULTURA NEOTROPICAL, 2(2), 86–94. https://doi.org/10.32404/rean.v2i2.263

Most read articles by the same author(s)

1 2 > >>