APLICAÇÃO DE BIOESTIMULANTES E Bacillus subtilis NA GERMINAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INICIAL DA CULTURA DO MILHO

Antonio Carlos Buchelt, Carlos Renato Metzler, José Lucas Castiglioni, Tiago Ferrarezi Dassoller, Matheus Sergio Lubian

Resumo


O presente trabalho teve como objetivo avaliar a germinação e o crescimento inicial da cultura do milho em sementes submetidas à aplicação de bioestimulantes (ProGibb 400® e Stimulate®) e de Bacillus subtilis. O experimento foi realizado no laboratório de tecnologia e sementes da Universidade do Estado de Mato Grosso, Campus de Alta Floresta. O delineamento utilizado foi o inteiramente casualizado, com dez tratamentos com quatro repetições de 25 sementes cada. Os tratamentos utilizados foram: Testemunha, ProGibb 400® 1, 2 e 3 com doses respectivas de 25, 50 e 75 mg kg-1 de sementes, Stimulate® 1, 2 e 3 com doses respectivas de 5, 10 e 15 mL kg-1 de sementes e Bacillus subtilis 1, 2 e 3 com doses respectivas de 4, 6 e 8 mL kg-1 de sementes. Os parâmetros avaliados foram: germinação, comprimento da parte aérea, comprimento das raízes, massa fresca da parte aérea, massa fresca das raízes e massa seca da parte aérea e das raízes. As aplicações dos bioestimulantes e do Bacillus subtilis não influenciaram na germinação, comprimento das raízes e comprimento da parte aérea, massa fresca da parte aérea e massa seca das raízes na cultura no milho. A aplicação do ProGibb 400® na cultura do milho aumenta o comprimento da parte aérea e a massa seca no início do desenvolvimento.


Texto completo:

PDF

Referências


(I) Alves, B.M, Cargnelutti Filho, A., Toebe, C.B.M., Silva, L.P., 2015. Divergência genética de milho transgênico em relação à produtividade de grãos e da qualidade nutricional. Ciência Rural, 45(5), 884-891.

(II) Araújo, F.F., 2008. Inoculação de sementes com Bacillus subtilis, formulado com farinha de ostra e desenvolvimento de milho, soja e algodão. Ciência e Agrotecnologia, 32(2), 456-462.

(III) Araújo, F.F., Hungria, M., 1999. Nodulação e rendimento de soja co-infectada com Bacillus subtilis e Bradyrhizobium japonicum/Bradyrhizobium elkanii. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 34(9), 1633-1643.

(IV) Arteca, R.N., 1996. Plant growth substances: principles and applicacions. New York, Chapman & Hall.

(V) Bertolin, D.C., Sá, M.E., Arf, O., Haga, K.Y., Abrantes, L.F., Nogueira, D.C., 2008. Efeito de bioestimulantes no teor e no rendimento de proteínas de grãos de soja. Agrarian, (2), 23-34.

(VI) Bontempo, A.F., Alves, F.M., Carneiro, G.D.O.P., Machado, L.G., Silva, L.O.D., Aquino, L.A., 2016. Influência de bioestimulantes e nutrientes na emergência e no crescimento inicial de feijão, soja e milho. Revista Brasileira de Milho e Sorgo, 15(1), 86-93.

(VII) Brasil. Ministério da Agricultura e Reforma Agrária, 2009. Regra para análise de sementes. Brasília, SNDA/DND/CLAV, 308 p.

(VIII) Castro, P.R.C., Kluge, R.A., 1996. Ecofisiologia de cultivos anuais. São Paulo, Nobel.

(IX) Castro, P.R.C., Vieira, E.L., 2001. Aplicações de reguladores vegetais na agricultura tropical. Guaíba: Agropecuária.

(X) Dourado Neto, D., Dario, G.J.A., Barbieri, A.P.P., Martin, T.N., 2014. Ação de bioestimulantes no desempenho agronômico de milho e feijão. Bioscience Journal, 30(3), 371-379.

(XI) Dourado Neto, D., Dario, G.J.A., Vieira Júnior, P.A., Manfron, P.A., Martin, T.N., Bonnecarrére, R.A.G., Crespo, P.E.N., 2004. Aplicação e influência do fitorregulador no crescimento das plantas de milho. Revista da Faculdade de Zootecnia, Veterinária e Agronomia, 11(1), 1-9.

(XII) Ferreira, D.F., 2011. Sisvar: A computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia, 35(6), 1039-1042.

(XIII) Ferreira, L.A., Oliveira, J.A., Von Pinho, É.V.R., Queiroz, D.L., 2007. Bioestimulante e fertilizante associados ao tratamento de sementes de milho. Revista Brasileira de Sementes, 29(2), 80-89.

(XIV) Junges, E., Toebe, M., Santos, R.F.D., Finger, G., Muniz, M.F.B., 2013. Effect of priming and seed-coating when associated with Bacillus subtilis in maize seeds. Revista Ciência Agronômica, 44(3), 520-526.

(XV) Klahold, C.A., Guimarães, V.F., Echer, M.M., Klahold, A., Contiero, R.L., Becker, A., 2006. Resposta da soja (Glycine max (L.) Merrill) à ação de bioestimulante. Acta Scientiarum Agronomy, 28(2), 179-185.

(XVI) Martins, A.G., Rampim, L., Rosset, J.S., Prior, M., Coppo, J.C., 2016. Aplicação de bioestimulante em sementes de milho cultivado em solos de diferentes texturas. Scientia Agraria Paranaensis, 15(4), 440-445.

(XVII) Mazzuchelli, R.D.C.L., Sossai, B.F., Araújo, F.D., 2014. Inoculação de Bacillus subtilis e Azospirillum brasilense na cultura do milho. Colloquium Agrarie, 10(2), 40-47.

(XVIII) Moterle, L.M., Santos, R.F., Braccini, A.L., Scapim, C.A., Barbosa, M.C., 2008. Efeito da aplicação de biorregulador no desempenho agronômico e produtividade da soja. Acta Scientiarum. Agronomy, 30(5), 701-709.

(XIX) Nakagawa, J., 1999. Teste de vigor baseado no desempenho das plântulas, in: Krzyzamowski, F.C., Vieira, R.D., França Neto, J.B., (Ed.), Vigor de sementes: conceito e testes. Londrina, ABRATES, p. 1-24.

(XX) Santos, D.G., Yamashita, O.M., Carvalho, M.A.C., Oliveira, L.C.A., Rabelo, H.O., Mera, L.P., Rocha, A.M., 2018. Germination and Early Development of Corn Seeds under the Influence of Plant Growth Regulator. Journal of Agriculture and Ecology Research International, 17(1), 1-6.

(XXI) Santos, V.M., Melo, A.V., Cardoso, D.P., Gonçalves, A.H., Varanda, M.A.F., Taubinger, M., 2013. Uso de bioestimulantes no crescimento de plantas de Zea mays L. Revista Brasileira de Milho e Sorgo, 12(3), 307-318.

(XXII) Silva, R.T.V, Homechini, M., Endo, R.M., Fonseca, I.C.B, 2002. Efeito do tratamento de semente e da profundidade de semeadura no desenvolvimento de plantas de aveia-branca (Avena sativa L.) e a microflora da rizosfera e do rizoplano. Revista Brasileira de Sementes, 24(1), 237-243.

(XXIII) Silva, T.T.A., Von Pinho, E.V.R, Cardoso, D.L., Ferreira, C.A., Alvim, P.O., Costa, A.A.F., 2008. Qualidade fisiológica de sementes de milho na presença de bioestimulantes. Ciência Agrotecnologia, 32(3), 840-846.

(XXIV) Taiz, L., Zeiger, E., 2013. Fisiologia vegetal, quinta ed. Porto Alegre, Artmed.

(XXV) Zanuzo, M.R., Lermenn, F., Bezerra, E.L., 2012. Influência do uso de ácido giberélico (AG), no desenvolvimento e rendimento de milho safrinha. Uniciências, 16(1), 25-31.




DOI: https://doi.org/10.32404/rean.v6i4.2762

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 JOURNAL OF NEOTROPICAL AGRICULTURE

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.