CRESCIMENTO INICIAL DE ESPÉCIES DE UROCHLOA EM FUNÇÃO DA PROFUNDIDADE DE SEMEADURA

Authors

  • Fenelon Lourenço de Sousa Santos Universidade Estadual de Goiás
  • Willany Rayany Formiga Melo Universidade Estadual de Goiás
  • Paulo Henrique Moreira Coelho Universidade Estadual de Goiás
  • Cleiton Gredson Sabin Benett Instituto Federal Goiano, Urutaí-GO
  • Marciane Cristina Dotto Universidade Federal do Tocantins

DOI:

https://doi.org/10.32404/rean.v2i4.685

Abstract

A utilização de plantas de cobertura é uma prática cada vez mais adotada por produtores que utilizam o sistema plantio direto (SPD). No entanto, a profundidade de semeadura tem grande importância na implantação de consórcios de culturas anuais de grãos com gramíneas forrageiras, por influenciar diretamente a emergência das plântulas, podendo ser um fator decisivo para o sucesso do sistema de integração lavoura-pecuária (ILP). Objetivou-se, com esse trabalho, avaliar o crescimento inicial de plântulas de Urochloa brizantha cv. BRS Piatã, U. brizantha cv. BRS Paiaguás e U. ruziziensis em razão da profundidade de semeadura. O delineamento experimental utilizado foi inteiramente casualizado, em esquema fatorial 3x5, sendo três espécies e cinco profundidades (0, 2, 4, 6 e 8 cm), com três repetições. Foram avaliados: o índice de velocidade de emergência, a porcentagem de emergência de plântulas, produção de fitomassa verde e seca da parte aérea e das raízes e a razão de massa radicular. As espécies U. brizantha cv. Piatã, U. brizantha cv. Paiaguás e U. ruziziensis apresentam um maior acúmulo de fitomassa seca, quando semeados a 2,10, 3,61 e 3,67 cm, respectivamente, sendo essas profundidades recomendadas como ideais para semeadura.

Author Biographies

Fenelon Lourenço de Sousa Santos, Universidade Estadual de Goiás

Engenheiro Agrônomo, mestrando em Produção Vegetal, pela UEG, Câmpus Ipameri-GO.

Cleiton Gredson Sabin Benett, Instituto Federal Goiano, Urutaí-GO

Professor Doutor, IFG, Urutaí-GO.

Marciane Cristina Dotto, Universidade Federal do Tocantins

Engenheira Agrônoma, Doutoranda em Produção Vegetal, UFT, Gurupi-TO.

References

(1) CAVARIANI, C.; NAKAGAWA, J.; VELINI, E. D. Mistura de fertilizantes fosfatados com sementes de Brachiaria decumbens Stapt Brachiaria brizantha (Hochst Ex A. Rich) Stapt. Revista Brasileira de Sementes, Pelotas-RS, v. 16, n. 2, p. 163-167, 1994.

(2) CORSI, M.; MARTHA JR., G.B.; PAGOTTO, D.S. Sistema radicular: dinâmica e resposta a regimes de desfolha. In: Mattos, W.R.S. (Ed.) A produção animal na visão dos brasileiros. Piracicaba: Sociedade Brasileira de Zootecnia, 2001. p.838-852.

(3) CRUSCIOL, C. A. C.; SORATTO, R. P.; BORGHI, E.; MATEUS, G. P. Benefits of integrating crops and tropical pastures as system of production. Better Crops International, Atlanta, v. 94, n. 1, p. 14-16, 2010.

(4) DIAS-FILHO, M. B. Formação e manejo de pastagens. Belém-PA: Embrapa Amazônia Oriental, 2012. 9p. (Comunicado Técnico, 235).

(5) FINI, A.; FERRINI, F.; FRANGI, P.; AMOROSO, G.; GIORDANO, C. Growth, leaf gas exchange and leaf anatomy of three ornamental shrubs grown under different light intensities. European Journal of Horticultural Science, Belgium, v. 75, n. 3, p. 111-117, 2010.

(6) FOLONI, J. S. S.; CUSTÓDIO, C. C.; POMPEI, F. P.; VIVAN, M. R. Instalação de espécie forrageira em razão da profundidade no solo e contato com fertilizante formulado NPK. Pesquisa Agropecuária Tropical, Goiânia-GO, v. 39, n. 1, p. 7-12, 2009.

(7) FREITAS, R. J.; NASCENTE, A. S.; SANTOS, F. L. S. População de plantas de milho consorciado com Urochloa ruziziensis. Pesquisa Agropecuária Tropical, Goiânia-GO, v. 43, n. 1, p. 79-87, 2013.

(8) GARCIA, C. M. P.; ANDREOTTI, M.; TARSITANO, M. A. A.; TEIXEIRA FILHO, M. C. M.; LIMA, A. E. S.; BUZZETI, S. Análise econômica da produtividade de grãos de milho consorciado com forrageiras dos gêneros Brachiaria e Panicum em sistema de plantio direto. Revista Ceres, ViçosaMG, v. 59, n. 2, p. 157-163, 2012.

(9) IKEDA, F. S. I; VICTORIA FILHO, R.; VILELA, L.; MARCHI, G.; CAVALIERI, S. D.; SILVA, A. A. Emergência e crescimento inicial de cultivares de Urochloa em diferentes profundidades de semeadura. Planta Daninha, Viçosa-MG, v. 31, n. 1, p. 71-78, 2013.

(10) KWAK, M. J.; LEE, S. H.; WOO, S. Y. Growth and anatomical characteristics of different water and light intensities on cork oak (Quercus suber L.) seedlings. African Journal of Biotechnology, Grahamstown, v. 10, n. 53, p. 10964-10979, 2011.

(11) MAGUIRE, J. D. Speed of germination aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science, Madison-USA, v. 2, n. 2, p. 176-177, 1962.

(12) MENEZES, L. A. S.; LEANDRO, W. M. Avaliação de espécies de cobertura do solo com potencial de uso em sistema de plantio direto. Pesquisa Agropecuária Tropical, GoiâniaGO, v. 34, n. 3, p. 173-180, 2004.

(13) MODOLO, A. J.; FERNANDES, H. C.; SCHAEFER, C. E. G.; SILVEIRA, J. C. M. Efeito da compactação do solo sobre a emergência de plântulas de soja em sistema plantio direto. Ciência e Agrotecnologia, Lavras-MG, v. 32, n. 4, p. 1259-1265, 2008.

(14) PACHECO, L. P.; PIRES, F. R.; MONTEIRO, F. P.; PROCÓPIO, S. O.; ASSIS, R. L.; CARMO, M. L.; PETTER, F. A. Desempenho de plantas de cobertura em sobressemeadura na cultura da soja. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília-DF, v. 43, n. 7, p. 815-823, 2008.

(15) PACHECO, L. P.; PIRES, F. R.; MONTEIRO, F. P.; PROCÓPIO, S. O.; ASSIS, R. L.; PETTER, F. A. Profundidade de semeadura e crescimento inicial de espécies forrageiras utilizadas para cobertura do solo. Ciência e Agrotecnologia, Lavras-MG, v. 34, n. 5, p. 1211-1218, 2010.

(16) PIRES, F. R.; SOUZA, C. M.; QUEIROZ, D. M.; MIRANDA, G. V.; GALVÃO, J. C. C. Alteração de atributos químicos do solo e estado nutricional e características agronômicas de plantas de milho, considerando as modalidades de calagem em plantio direto. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa-MG, v. 27, n. 1, p. 121-131, 2003.

(17) PORTES, T. A.; CARVALHO, S. I. C.; OLIVEIRA, I. P.; KLUTHCOUSKI, J. Análise do crescimento de uma cultivar de braquiária em cultivo solteiro e consorciado com cereais. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília-DF, v. 35, n. 7, p. 1349-1358, 2000.

(18) RICHETTI, A. Viabilidade econômica da cultura do milho safrinha, 2012 em Mato Grosso do Sul. Dourados-MS: Embrapa Agropecuária Oeste, 2012. 8p. (Comunicado Técnico, 172).

(19) VALLE, C. B.; EUCLIDES, V. P. B.; MONTAGNER, D. B.; VALÉRIO, J. R.; FERNANDES, C. D.; MACEDO, M. C. M;

VERZIGNASSI, J. R.; MACHADO, L. A. Z. BRS Paiaguás: a new Brachiaria (Urochloa) cultivar for tropical pastures in

Brazil. Tropical Grasslands – Forrajes Tropicales, Campo Grande-MS, v. 1, n.1, p. 121-122, 2013

Published

26/11/2015

How to Cite

Santos, F. L. de S., Melo, W. R. F., Coelho, P. H. M., Benett, C. G. S., & Dotto, M. C. (2015). CRESCIMENTO INICIAL DE ESPÉCIES DE UROCHLOA EM FUNÇÃO DA PROFUNDIDADE DE SEMEADURA. REVISTA DE AGRICULTURA NEOTROPICAL, 2(4), 1–6. https://doi.org/10.32404/rean.v2i4.685

Most read articles by the same author(s)

1 2 > >>