Grupo psicoterapêutico com crianças que vivenciaram o divórcio dos pais

Visualizações: 289

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61389/bbq.v5i9.6458

Palavras-chave:

divórcio, reconfiguração familiar, grupo psicoterápico

Resumo

O presente estudo é um relato de experiência, realizado como projeto de extensão, de uma acadêmica de Psicologia acerca de sua participação em um grupo psicoterapêutico com crianças que vivenciaram o divórcio dos pais. Desenvolvido a partir de referenciais teóricos acerca de grupo psicoterapêutico com crianças, no qual atividades lúdico-terapêuticas favorecem as intervenções, o grupo foi composto por três crianças, duas psicólogas e uma discente de Psicologia, que atuou como observadora participante. As atividades ocorreram ao longo de doze encontros semanais, de duração média de noventa minutos. Foram utilizados recursos lúdicos para mediar o diálogo com os participantes. O grupo psicoterapêutico proporcionou às crianças um espaço para dialogar sobre a família, o divórcio dos pais, as mudanças e os conflitos. Enquanto experiência profissional, a observação participante contribuiu muito para a aquisição de conhecimentos teóricos e práticos acerca de intervenção grupal com crianças.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nicolle Esselin Lazarini Fazolino, Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM)

Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM). Psicóloga residente em Saúde do Adulto no Programa de Residência Integrada Multiprofissional e em Área Profissional da Saúde - (PRIMAPS) da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM).

Luciana Maria da Silva, Universidade Federal do Triângulo Mineiro - UFTM

Docente do Departamento de Saúde Coletiva, Instituto de Ciências da Saúde, da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), Uberaba-MG.

Docente dos cursos de Graduação em Enfermagem, Psicologia e Medicina.

Possui graduação em Psicologia (bacharelado e formação de psicólogo) e mestrado e doutorado em Psicobiologia pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo.

Tem experiência na área de Psicologia da Saúde e Hospitalar, atuando principalmente nos seguintes temas: humanização em saúde, parentalidade, famílias em processo de reconfiguração, intervenção psicológica, saúde coletiva e transtornos alimentares.

Luana Rodrigues de Oliveira Tosta, Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM)

Psicóloga pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM/ 2016). Especialista na saúde da criança e do adolescente pelo Programa de Residência Integrada e Multiprofissional e em Área profissional em Saúde (PRIMAPS / 2016-2018) da UFTM. Especialista em Teoria Psicanalítica pela Universidade de Uberaba (Uniube / 2017-2019). Mestranda em Psicologia, na Linha de Pesquisa: Psicologia e Família (PPGP-UFTM / 2019-2021).

Liniker Douglas Lopes da Silva, Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FFCLRP-USP)

Doutorando em Psicologia pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FFCLRP-USP), na área de concentração Psicologia em Saúde e Desenvolvimento. Mestre em Psicologia pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), na linha de pesquisa Psicologia e Saúde. Graduado em Psicologia pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM). Tem experiência na área de Psicologia com ênfase em Teoria Sistêmica, atuando principalmente nos seguintes temas: Família, Parentalidade, Conjugalidade, Divórcio, Alienação Parental, Dinâmicas Familiares e terapia familiar sistêmica. Psicólogo Clínico na cidade de Uberaba-MG, oferecendo atendimento a crianças, adolescentes, adultos, casais e famílias, pautado na Abordagem Sistêmica.

Referências

ABREU, C. D. et al. Divórcio dos pais: sentimentos e percepções das crianças. Semina: Ciências Sociais e Humanas, [s. l.], v. 41, n. 1, p. 19-32, 2020. DOI: https://doi.org/10.5433/1679-0383.2020v41n1p19

AFONSO, T. et al. O uso do diário de campo na inserção ecológica em uma família de uma comunidade ribeirinha amazônica. Psicologia & Sociedade, [s. l.], v. 27, n. 1, p. 131-141, 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/1807-03102015v27n1p131

AGUIRRE, A. M. B. A primeira experiência clínica do aluno: ansiedades e fantasias presentes no atendimento e na supervisão. Psicologia: Teoria e Prática, [s. l.], v. 2, n. 1, p. 3-31, 2000.

ALMEIDA, N.; MONTEIRO, S. Os meus pais já não vivem juntos: intervenção em grupo com crianças e jovens de pais divorciados. Lisboa: Coisas de Ler, 2012.

BORDONI, J. D. A.; TONET, L. As oficinas de pais e filhos como instrumento para coibir a alienação parental. Themis: Revista da Esmec, Fortaleza, v. 14, p. 105-129, 2016.

BRASIL. Lei n. 6.515, de 26 de dezembro de 1977. Regula os casos de dissolução da sociedade conjugal e do casamento, seus efeitos e respectivos processos, e dá outras providências. Brasília, DF: Casa Civil, 1977. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L6515.htm. Acesso em: 20 jul. 2020.

BRASIL. Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília, DF: Casa Civil, 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/l8069.htm. Acesso em: 23 jan. 2020.

BRASIL. Lei n. 12.318, de 26 de agosto de 2010. Dispõe sobre a alienação parental e altera o art. 236 da Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. Brasília, DF: Casa Civil, 2010. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12318.htm. Acesso em: 20 jul. 2020.

BRASIL. Ministério da Justiça. Conselho Nacional de Justiça. Oficina de pais e filhos: cartilha do instrutor. Brasília, DF: Casa Civil, 2016.

BRITO, M. M.; SILVA, A. A. B. a mediação familiar e o fim do relacionamento conjugal: o problema do acesso à justiça e a experiência das oficinas de parentalidade. Revista de Formas Consensuais de Solução de Conflitos, [s. l.], v. 3, n. 2, p. 19-36, 2017. DOI: https://doi.org/10.26668/IndexLawJournals/2525-9679/2017.v3i2.2255

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Referências técnicas para atuação de psicólogas(os) em varas de família. Brasília: CFP, 2019.

COSTA, T. Psicanálise com crianças. 2. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

FERNANDES, W. J.; SVARTMAN, B.; FERNANDES, B. S. (org.). Grupos e configurações vinculares. Porto Alegre: Artmed, 2003.

GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T. Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

GRANDESSO, M. A. Quem é a dona da história? In: CRUZ, H. M. (org.). Papai, mamãe, você... E eu? Conversações terapêuticas em famílias com crianças. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2000. p. 101-122.

JURAS, M. M.; COSTA, L. F. O divórcio destrutivo na perspectiva de filhos com menos de 12 anos. Estilos da Clínica, [s. l.], v. 16, n. 1, p. 222-245, 2011. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v16i1p222-245

NEGRÃO, N. T.; GIACOMOZZI, A. I. A separação e disputa de guarda conflitiva e os prejuízos para os filhos. LIBERABIT, Lima, v. 21, n. 1, p. 103-114, 2015.

NÜSKE, J. P. F.; GRIGORIEFF, A. G. Alienação parental: complexidades despertadas no âmbito familiar. Pensando Famílias, [s. l.], v. 19, n. 1, p. 77-87, 2015.

OLIVEIRA, J. L. A. P.; CREPALDI, M. A. Relação entre o pai e os filhos após o divórcio: revisão integrativa da literatura. Actualidades en Psicología, Lisboa, v. 32, n. 124, p. 91-109, 2018. DOI: https://doi.org/10.15517/ap.v32i124.29021

ORTOLAN, M. L. M. et al. Grupos de dinâmica infantil e os efeitos terapêuticos do brincar. Revista SPAGESP, [s. l.], v. 19, n. 2, p. 23-33, 2018.

SARMET, Y. A. G. Os filhos de Medeia e a síndrome da alienação parental. Psicologia USP, [s. l.], v. 27, n. 3, p. 482-491, 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-656420140113

SCATENA, L. Grupos com crianças: uma revisão bibliográfica. 2009. Trabalho de Conclusão de Curso (Aprimoramento Profissional do Hospital das Clínicas) – Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

SILVA, L. D. L. et al. O exercício da parentalidade após a dissolução conjugal: uma revisão integrativa. Pensando Famílias, [s. l.], v. 23, n. 1, p. 105-120, 2019.

SILVA, L. D. L. et al. A construção da parentalidade após a dissolução conjugal e as oficinas de parentalidade. Nova Perspectiva Sistêmica, [s. l.], v. 29, n. 66, p. 87-100, 2020. DOI: https://doi.org/10.38034/nps.v29i66.519

SILVA, L. M. et al. Oficinas de parentalidade. Participação, [s. l.], v. 27, p. 18-26, 2015.

SOUZA, R. M. Depois que papai e mamãe se separaram: um relato dos filhos. Psicologia: Teoria e Pesquisa, [s. l.], v. 16, n. 3, p. 203-211, 2000. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-37722000000300003

TRINCA, W. (org.). Formas de investigação clínica em psicologia. São Paulo: Vetor, 1997.

TRINDADE, J.; MOLINARI, F. Divórcio: do processo psicológico, do luto e dos efeitos na criança. Revista do Ministério Público do RS, Porto Alegre, v. 70, p. 167-181, 2011.

Downloads

Publicado

2023-05-29

Como Citar

Lazarini Fazolino, N. E., Silva, L. M. da, de Oliveira Tosta, L. R., & Lopes da Silva, L. D. (2023). Grupo psicoterapêutico com crianças que vivenciaram o divórcio dos pais. BARBAQUÁ, 5(9), 53–69. https://doi.org/10.61389/bbq.v5i9.6458

Edição

Seção

Relato de experiência