O estudo de geometria a partir de software GeoGebra

Trajetória hipotética de aprendizagem – THA

Visualizações: 36

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61389/bbq.v6.e7724

Palavras-chave:

estudo de geometria, processo de generalização, tecnologia educacional

Resumo

O presente trabalho se insere em um projeto de extensão que tem como objetivo fornecer subsídios e ferramentas para que o professor da Rede de Educação possa planejar e desenvolver em suas aulas investigativas com o uso das tecnologias no ensino dos conceitos de Geometria envolvendo a transformação geométrica “Rotação, Translação e Homotetia” de forma a propiciar aos participantes cursistas uma experiência de investigação matemática que possa subsidiar uma análise coletiva das potencialidades do uso Software GeoGebra. O surgimento de dinâmicas matemáticas tem contribuído para a criação de ambientes educacionais que permite ao participante desenvolver habilidades criativas (compreensão, exploração / descoberta, justificação / validação). A atividade de extensão da pesquisa se fundamentou em Simon, Tzur, Heinz e Kinzel para aprendizagem por meio de Trajetória Hipotética de Aprendizagem - THA. A metodologia foi pesquisa-ação; a ação de extensão foi desenvolvida no laboratório de Informática da UEMS - Nova Andradina em projetos de extensão desde o ano de 2008 até a presente data, a coleta de dados feita por questionário, recolha dos materiais produzidos nos encontros e observação dos participantes, com análise interpretativa. Os resultados indicaram que as interações dinâmicas com o sistema tecnológico na THA favoreceram a generalização necessária que proporcionou importantes possibilidades para a aprendizagem conceitual de Matemática na construção de conceitos ligados à Geometria e evidenciaram o relacionamento entre a prática do formador e o aprendizado na formação em um entorno tecnológico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sonner Arfux de Figueiredo, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - UEMS

Possui graduação em Matemática pela Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (2000). Especialização Lato Sensu em Educação Matemática pela Faculdade de Educação São Luiz - Jaboticabal - SP (2001). Mestrado em Engenharia Mecânica pela Universidade de Taubaté - UNITAU/SP (2004), Doutor em Educação Matemática pela Universidade Anhanguera de São Paulo-SP, com Sanduíche na Universidade de Alicante-Espanha. Foi Coordenador Pró-tempore do Curso de Licenciatura em Computação (2010-2011); Coordenador do Curso de Segunda Licenciatura em Computação UEMS/CAPES/PARFOR, 2010-2013, Membro do Conselho Universitário da UEMS. Atualmente é Professor Titular da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul. Gerente da Unidade Universitária de Nova Andradina (2007-2013) (2015- atual), Professor do Curso de Licenciatura em Matemática e Professor no programa de Pós Graduação Educação Científica e Matemática-Mestrado Profissionalizante. Tem experiência na área de Educação, tendo participado de diversos projetos de formação de professores.Tenho atuado principalmente na formação inicial de professores e na educação tecnológica.

Maria Eduarda Evaristo da Silva, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul

Atualmente é estudante em licenciatura em Matemática na Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul(UEMS). Desenvolve um projeto sobre os conceitos do software GeoGebra e atua como voluntária do projeto NAUEMS-NOVA ANDRADINA.

Referências

ALMEIDA, M. E. B.; VALENTE, J. A. Tecnologias e currículo: trajetórias convergentes ou divergentes? São Paulo: Paulus, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Parâmetros Curriculares Nacionais: volume 3: Matemática. Brasília, DF: MEC/SEF, 1997.

CASTRO FILHO, J. A. A formação de professores para o uso de novas tecnologias para o ensino de Matemática. [S. l: s. n.], 2001.

LOBO DA COSTA, N. M.; Prado, M. E. B. B. A integração das tecnologias digitais ao ensino de matemática: desafio constante no cotidiano escolar do professor. Revista Perspectivas Educação Matemática, [s. l.], v. 8, n. 16, p. 99-120, 2015.

PIAGET, J. O desenvolvimento do pensamento: equilibração das estruturas cognitivas. Lisboa: Dom Quixote, 1977.

PIAGET, J. Equilibration of cognitive structures. Chicago: University of Chicago Press, 1985.

SIMON, M. A.; TZUR, R.; HEINZ, K.; KINZEL, M. Explicating a mechanism for conceptual learning: elaborating the construct of reflective Abstraction. Journal for Research in Mathematics Education, [s. l.], v. 35, n. 5, p. 305-329, 2004. DOI: https://doi.org/10.2307/30034818

VERGNAUD, G. La théorie des champs conceptuels. Recherches en Didactique des Mathématiques, Grenoble, v. 10, p. 133-169, 1990.

Downloads

Publicado

2024-04-15

Como Citar

Figueiredo, S. A. de, & Silva, M. E. E. da. (2024). O estudo de geometria a partir de software GeoGebra: Trajetória hipotética de aprendizagem – THA . BARBAQUÁ, 6, e7724. https://doi.org/10.61389/bbq.v6.e7724

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)