Unidade demonstrativa de compostagem de resíduos orgânicos do ambiente escolar e fomento à educação ambiental

Visualizações: 58

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61389/bbq.v6.e8331

Palavras-chave:

Composto, Vermicomposto, Composteira, Merenda

Resumo

Este trabalho resultou de um projeto de extensão direcionado para a comunidade de uma escola estadual de tempo integral pertencente ao município de Ivinhema-MS, instalada nas dependências da UEMS, no ano de 2022. Com o preparo de refeições, observou-se grande descarte de restos alimentares que poderiam ser destinados à compostagem. Objetivou-se implantar uma unidade de compostagem na Unidade da UEMS, utilizando, como ferramenta de Educação Ambiental, os resíduos gerados. Quatro composteiras foram construídas, duas destinadas à compostagem simples e duas à vermicompostagem por minhocas. Foram realizados encontros com a comunidade escolar e o Grupo PET para tratar da temática da geração de resíduos e alternativas de descarte correto, visando sensibilizar a comunidade escolar a adotar o uso de composteiras domésticas. Além da importância educativa, os produtos da compostagem (composto, húmus, fertilizante líquido) podem ser destinados à comercialização e à aplicação em cultivos domésticos. Os resíduos coletados (150,2 kg) produziram 27 kg de adubo sólido e 22,5 litros de chorume, reduzindo mais de 80% a massa inicial. Não houve diferença significativa entre os tratamentos dos resíduos com e sem minhocas. As composteiras mostraram-se essenciais para a destinação correta de parte dos resíduos orgânicos gerados na escola, no ano de 2022, evitando-se o seu envio para aterros. Embora os alunos não tenham participado rotineiramente das atividades, houve envolvimento durante os encontros, um aspecto fundamental ao desenvolvimento de senso crítico e analítico frente ao cenário ambiental atual e ao estímulo para o compartilhamento do conhecimento adquirido.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jonilda Silva Alves, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - UEMS

Licenciada em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), Unidade de Ivinhema.

Glaucia Almeida de Morais, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - UEMS

Doutora em Ciências Biológicas, área de Biologia Vegetal, Professora efetiva no Curso de Ciências Biológicas-Licenciatura/UEMS/ Unidade de Ivinhema

José Vitor Nobrega de Lima, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - UEMS

Graduando em Ciências Biologicas na modalidade Liecenciatura/UEMS/Unidade de Ivinhema-MS.

Luan Otavio Fernandes Caetano , Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - UEMS

Graduando em Ciências Biologicas na modalidade Liecenciatura/UEMS/Unidade de Ivinhema-MS.

Fernanda Turini Militão, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - UEMS

Graduando em Ciências Biologicas na modalidade Liecenciatura/UEMS/Unidade de Ivinhema-MS.

Vitória Aires Silva, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - UEMS

Graduando em Ciências Biologicas na modalidade Liecenciatura/UEMS/Unidade de Ivinhema-MS.

Referências

AZEVEDO, A. A. Macrófitas aquáticas: possibilidade de uso agrícola após processo de compostagem e, ou vermicompostagem. 2021. Dissertação (Mestrado em Agronomia) – Universidade Estadual Paulista, Ilha Solteira, SP, 2021. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/216226. Acesso em: 14 nov. 2022.

BERSAN, J. L. M.; KELMER, G. A. R.; ALMEIDA, J. R. Avaliação da qualidade nutricional de composto orgânico produzido com resíduos provenientes de composteiras domésticas. Revista Brasileira de Meio Ambiente, [s. l.], v. 10, n. 2, p. 240-258, 2022. Disponível em: https://revistabrasileirademeioambiente.com/index.php/RVBMA/article/view/1164. Acesso em: 12 nov. 2022.

BRASIL. Lei nº 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, nº147, p. 3-7, 3 ago. 2010. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm. Acesso em: 08 dez. 2022.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Compostagem doméstica, comunitária e institucional de resíduos orgânicos: manual de orientação. Brasília, DF: MMA, 2017a. Disponível em: http://arquivos.ambiente.sp.gov.br/municipioverdeazul/2016/07/rs6-compostagem manualorientacao_mma_2017-06-20.pdf Acesso em: 08 dez. 2022.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Resolução CONAMA nº 481, de 03 de outubro de 2017. Estabelece critérios e procedimentos para garantir o controle e a qualidade ambiental do processo de compostagem de resíduos orgânicos, e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção1, Brasília, DF, n. 191, p. 51, 04 out. 2017b. Disponível em: https://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?data=04/10/2017&jornal=1&pagina=51&totalArquivos=76. Acesso em: 08 dez. 2022.

BRENTANO, C.; PODEWILS, T. L.; PEDRUZZI, A. N. Promovendo a Educação Ambiental através da compostagem domiciliar. RELACult – Revista Latino Americana de Estudos em Cultura e Sociedade, [s. l.], v. 4, n. 1028, 2018. Disponível em: https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1028/585. Acesso em: 15 nov. 2022. DOI: https://doi.org/10.23899/relacult.v4i0.1028

COSTA, E. Como fazer compostagem doméstica. Taboão da Serra, SP: Creative Commons, 2010. Disponível em: http://www.maiscommenos.net/blog/arquivos2/2015_mcm_ebook_compostagem.pdf. Acesso em: 14 nov. 2022.

FERREIRA, K.; ROSA, P. C. C.; NASCIMENTO, C. S.; BRAGA, V. H; OLIVEIRA, B. A.; SANTIAGO, M. R. Utilização de composteira doméstica visando o tratamento de resíduos orgânicos. In: SALÃO INTERNACIONAL DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO – SIEPE, 9., 2017, Santana do Livramento. Anais do SIEPE, Santana do Livramento, v. 9, n. 2, 2020. Disponível em: https://guri.unipampa.edu.br/uploads/evt/arq_trabalhos/14491/seer_14491.pdf. Acesso em 8 nov. 2022.

FERREIRA, L. Maior parte do lixo produzido no Brasil é orgânico e poderia ser aproveitada. EcoDebate. [S. l.], 07 jul. 2014. Disponível em: https://www.ecodebate.com.br/2014/07/07/maior-parte-do-lixo-produzido-no-brasil-e- organico-e poderia-ser-aproveitada/. Acesso em: 24 mar. 2022.

FONTES, K. D. S. A.; CASTRO, A. C. L.; FERREIRA, T. E. D.; PANARELLI, E. A. Compostagem como instrumento de educação ambiental em escolas do Município de João Monlevade – MG. Investigação, Sociedade e Desenvolvimento, [s. l.], v. 10, n. 10, p. e410101018863, 2021 Disponível em: https://doi.org/10.33448/rsd-v10i10.18863. Acesso em: 14 nov. 2022. DOI: https://doi.org/10.33448/rsd-v10i10.18863

GOMES, J. M.; PAIVA, H. N. Viveiros florestais: propagação sexual. Viçosa, MG: Ed. UFV, 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/j/cflo/a/tgB5M4zsZRCw4Z9KcPZBMss/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 14 nov. 2022.

LIMA, G. A. A. de; DIAS, C. A. C.; LIMA, A. H. L. Compostagem de resíduossólidos orgânicos como tema incentivador de educação ambiental. Scientia Plena, [s. l.], v. 12, n. 6, p. 1-8, 2016. Disponível em: https://doi.org/10.14808/sci.plena.2016.069933. Acesso em: 14 nov. 2022. DOI: https://doi.org/10.14808/sci.plena.2016.069933

MARQUES, R.; BELLINI, E. M.; GONZALEZ, C. E. F.; XAVIER, C. R. Compostagem como ferramenta de aprendizagem para promover a Educação Ambiental no ensino de ciências. In: FORUM INTERNACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS, 2017. Anais [...]. [S. l.: s. n.], 2017. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/330093084. Acesso em: 15 nov. 2022.

MONTEIRO, J. A. V. Benefícios da compostagem doméstica de Resíduos orgânicos. Revista Educação Ambiental em Ação, [s. l.], n. 56, 2016. Disponível em: https://revistaea.org/artigo.php?idartigo=2310. Acesso em: 27mar. 2022.

OLIVEIRA, A. M. G.; AQUINO, A. M.; CASTRO NETO, M. T. Compostagem caseira de lixo orgânico doméstico. Circular Técnica, Cruz das Almas, n. 76, 2005. Disponível em: https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/bitstream/doc/1022380/1/Compostagem caseiradelixoorganicodomestico.pdf. Acesso em: 27 mar. 2022.

OLIVEIRA, L. T. Compostagem doméstica, uma solução para os resíduos sólidos urbanos.Trabalho de conclusão de curso (Graduação em Engenharia Agrícola e Ambiental) – Universidade Federal Fluminense, Escola de engenharia, Niterói, 2019 47 p. Disponível em: https://app.uff.br/riuff/handle/1/11616. Acesso em: 15nov. 2022.

O PROBLEMA do lixo. Ecocircuito. São Paulo, 2022. Disponível em: https://ecocircuito.com.br/cenario do- lixo-2/. Acesso em: 24 mar. 2022.

PIRES, I. C. G; ENCARNAÇÃO F. G. de. Compostagem no Brasil sob a perspectiva da legislação ambiental. Revista Trópica: Ciências Agrárias e Biológicas, [s. l.], v. 9, n. 1, 2017. Disponível em: https://periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/ccaatropica/article/view/5685. Acesso em: 15nov. 2022.

PIRES, Y.; OLIVEIRA, N. Aumento da produção de lixo no Brasil requer ação coordenadaentre governos e cooperativas de catadores. Agência Senado. Brasília, 07 jun. 2021. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/noticias/infomaterias/2021/06/aumento-da producao-de-lixo-no-brasil-requer-acao-coordenada-entre-governos-e-cooperativas-de catadores. Acesso em: 24 mar. 2022.

Downloads

Publicado

2024-04-15

Como Citar

Silva Alves, J., Almeida de Morais, G., Nobrega de Lima, J. V., Fernandes Caetano , L. O., Turini Militão, F., & Aires Silva, V. (2024). Unidade demonstrativa de compostagem de resíduos orgânicos do ambiente escolar e fomento à educação ambiental: . BARBAQUÁ, 6, e8331. https://doi.org/10.61389/bbq.v6.e8331