Mitologia do ensino-aprendizagem de inglês para crianças

Cláudia Jotto Kawachi-Furlan e Marina Márcia Rosa

Resumo


O objetivo deste artigo é discutir alguns fatores relacionados à mitologia do ensino-aprendizagem de inglês para crianças, sobretudo na Educação Infantil. Assim, ponderamos acerca do argumento amplamente difundido de “quanto mais cedo, melhor”, bem como da visão do papel da língua inglesa como “ferramenta” para o sucesso no futuro. Problematizamos o discurso de que crianças aprendem rápido, com naturalidade e sem esforços, questionando o que esperamos dessas crianças e o que buscamos com esse processo de ensino-aprendizagem de inglês na infância. Julgamos que seja válido possibilitar espaços de discussão sobre esse imaginário social que envolve o ensino de inglês para crianças, que pode contribuir para práticas que não considerem a formação completa dessas crianças para o presente. Defendemos a importância de formar professores que estejam comprometidos com a educação linguística das crianças, com foco na sensibilização linguística para a apreciação das diferenças, conforme sugere Menezes de Souza (2019), e a valorização da criança e do seu contexto, respeitando suas características cognitivas, afetivas, sociais, físicas e emocionais. 


Texto completo:

PDF

Referências


BROWN. H. D. Teaching by principles: an interactive approach to language pedagogy. 2 ed. London: Longman, 2001.

CARVALHO, I.; TONELLI, J. R. A.. The younger the harder: the challenges in teaching English to very young learners. REVELLI - Revista de Educação, Linguagem e Literatura (ISSN 1984-6576), v. 8, n. 2, p. 1-18, 2016.

CHAGURI, J. de P.; TONELLI, J. R. A. Políticas de ensino e aprendizagem de línguas estrangeiras para crianças no Brasil: (re)discutindo fundamentos. Revista Linhas. Florianópolis, v. 20, n. 42, p. 281-302, jan./abr. 2019.

FORTE, J. S. O ensino de Língua Inglesa para alunos da educação infantil em Porto Alegre: uma leitura crítica acerca do uso da linguagem. In: Santos, L.I. S; Silva, K. A. (Org.). Linguagem, ciência e ensino: desafios regionais e globais. 1ed. Campinas: Pontes, 2013, p. 175-195.

FORTES, L. O acontecimento do ‘ensino bilíngue’: representações da língua inglesa entre memórias e políticas. Recorte (UninCor), v. 11, p. 1-18, 2014.

FORTES, L. Sentidos de legitimação do ensino bilíngue Português-Inglês: efeitos do discurso institucional. EID&A - Revista Eletrônica de Estudos Integrados em Discurso e Argumentação, v. 1, p. 104-120, 2017.

GARCIA, B. R. V. Quanto mais cedo melhor (?): uma análise discursiva do ensino de inglês para crianças. 2011. 216 p. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, 2011.

GENESEE, F. (2015 a). Myths about early childhood bilingualism. Canadian Psychology/Psychologie canadienne, 56(1), 2015a, p. 6–15.

GENESEE, F. Rethinking early childhood education for English Language Learners: The Role of Language. In V. Murphy & M. Evangelou, M. (Eds), Early childhood education in English for speakers of other languages. U.K.: British Council. 2015b.

JORDÃO, C.M. Conversa com Clarissa Menezes Jordão. In: SILVA, K. A.; ARAGÃO, R. C. (Orgs.) Conversas com formadores de professores de línguas: avanços e desafios. Campinas, SP: Pontes Editores, 2013. p. 77 – 91.

LIMA, A. P.; KAWACHI, G. J. Ensino de Inglês para crianças na era da globalização: Reflexões sobre (multi)letramentos, formação de professores e educação. In ROCHA, C. H.; BRAGA, D. B.; CALDAS, R. R. (Orgs.). Políticas linguísticas, ensino de línguas e formação docente: Desafios em tempos de globalização e internacionalização. São Paulo: Pontes Editores, 2015. p. 195-213.

LORDELO, E. R.; CARVALHO, A. M. A. Educação infantil e psicologia: para que brincar?. Psicol. cienc. prof., Brasília , v. 23, n. 2, p. 14-21, June 2003 . Available from . Acesso em 20 jan. 2020.

MALTA, Liliane Salera. Além do que se vê: Educação crítica e letramentos, formação de professores e prática docente no ensino de inglês com crianças de 2 a 5 anos. 2019. 128 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) - Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória.

MENEZES DE SOUZA, L. M. T. Educação linguística: repensando os conceitos de língua e linguagem. In: FERRAZ, D. M.; KAWACHI-FURLAN, C. J. Bate-papo com educadores linguísticos: letramentos, formação docente e criticidade. São Paulo: Pimenta Cultural, 2019. p. 245-258.

MERLO, M. C. R. . Quanto mais cedo, melhor?: implicações epistemológicas para a educação linguística de crianças. PERcursos Linguísticos, Vitória, ES, v. 9, n. 23, p. 78-88, 2019.

MOITA LOPES, L. P. Inglês e globalização em uma epistemologia de fronteira: ideologia linguística para tempos híbridos. DELTA, São Paulo, v. 24, n. 2, p. 309-340, 2008.

PARMA, Alan Febraio. Ensino infantil da língua inglesa no Brasil: uma análise discursiva da evidência do "quanto mais cedo melhor". 2013. 168 p. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas, SP.

PENNYCOOK, A. The myth of English as an international language. In: MAKONI, S.; PENNYCOOK, A. (Ed.) Desinventing and Reconstituting languages. Clevedon: Multilingual Matters, 2007, p. 90-115. Disponível em: https://books.google.com.br/books?hl=pt-BR&lr=&id=K2jTpJBQm0gC&oi=fnd&pg=PT106&dq=the+myth+of+english+as+an+international+language++disinventing+and+reconstituting+languages&ots=PkmTXTsUEu&sig=eGiyV6HE5Ot5ieIh_uXT3mUPXGo#v=onepage&q=the%20myth%20of%20english%20as%20an%20international%20language%20-%20disinventing%20and%20reconstitu ting%20languages&f=false. Acesso em: 25 mar. 2019.

SANTOS, L. I. S. Formação docente e prática pedagógica: o professor e o aluno de língua estrangeira em foco. In: Calidoscópio, v. 8, n.1, jan/abr 2010, p. 49 – 64.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Acessos desde 02/07/2020:

contador free