Um estudo sobre criação de palavras na língua terena (Arawak)

Rogério Vicente Ferreira e Caroline Pereira de Oliveira

Resumo


A análise e descrição de uma ínfima parte do léxico da língua terena (família Arawak), especificamente a criação lexical, ou seja, os neologismos, deu-se primeiramente a partir das ocorrências vistas durante as disciplinas Línguas Indígenas I, II e III, momento em que foi abordado questões relacionadas à fonologia e morfologia das línguas maternas dos acadêmicos do curso de Licenciatura Intercultural Indígena (UFMS). Durante o curso, notou-se uma gama de palavras novas que nos levou a uma reflexão sobre a produção lexical. Vale ressaltar que a língua terena é falada pelos habitantes de uma área indígena bastante ampla no Mato Grosso do Sul, mas nos concentraremos na região Aquidauana. Após a coleta de dados e uma primeira análise, focamos nos neologismos por meio de empréstimos, sendo estes tanto do português quanto de língua inglesa. Nestes empréstimos observamos questões relacionadas a adaptação ao sistema fonológico da língua alvo, como também a adaptação morfológica, que segundo Alves (1991, p. 14) “os neologismos sintáticos supõem a combinatória de elementos já existentes no sistema linguístico. Com isso, observou-se, até o momento, que a criação lexical em terena é algo produtivo e que reforça que neste grupo de falantes a língua está em vigor. Reanult-Lescure (2000, p. 105) coloca que “os empréstimos linguísticos correspondem de perto às práticas sociolinguísticas”. A autora afirma que isso revela as atitudes sociais destes povos, como foi para o povo kali’na (Arawak), e que também podemos dizer que ocorre com o povo terena.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, I.M. Neologismo. São Paulo: Ática, 1990.

ALVES, I. M. Neologismo: criação lexical. 3 ed. São Paulo: Ática, 2007

BARBOSA, M. A. Léxico, produção e criatividade: processos do neologismo. São Paulo: Global, 1981.

BOWERN, CLAIRE. Linguistic Field Work: A Practical Guide. Palgrave MacMillan, 2008.

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes; LADEIRA, Maria Elisa. A história do povo Terena. Brasília : MEC ; São Paulo : USP/CTI, 2000. 156 p.

CABRÉ CASTELLVÍ, M. T. C. La clasificación de neologismos: una tarea compleja. Alfa, São Paulo, 50 (2): 229- 250, 2006.

CARVALHO, N. Empréstimos linguísticos na língua portuguesa. São Paulo: Cortez, 2009.

CARVALHO, Nelly et alii. Criação neológica: teoria e prática. 1. ed. Curitiba: Appris, 2012. 174p.

KIBRIK, A.E. The Methodology of Field Investigation in Linguistics. Mouton: The Hague, 1977.

GONÇALVES, Solange. Empréstimos Linguísticos do Português no Kaingang do Rio Grande do Sul. Estudos Linguísticos XXXVI (1), 2007, p.258 -267.

PILLA, E. H. Neologismos do português e a face social da língua. Porto Alegre: AGE, 2002.

RENAULT-LESCURE, Odile. As palavras e as coisas do contato: os neologismos Kali’na (Guiana Francesa). In: ALBERT, Bruce; RITA RAMOS, Alcida (Orgs.). Pacificando o branco: cosmologias do contato no norte - amazônico. São Paulo: Ed. UNESP, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Acessos desde 02/07/2020:

contador free