Competências específicas de língua inglesa à luz da abordagem comunicativa

Autores

Resumo

A Base Nacional Comum Curricular (BRASIL, 2018) é um documento normativo que define as aprendizagens essenciais que os educandos devem desenvolver, a partir de competências e habilidades. Dentre muitas competências, destaca-se que o domínio do Inglês contribui com a inserção do sujeito no mundo globalizado. Estudos evidenciam que a abordagem comunicativa para o ensino de línguas favorece a aquisição do código linguístico. Assim, esta pesquisa investiga se as competências específicas do componente curricular Língua Inglesa presentes na BNCC (BRASIL, 2018) possuem correlação com os aspectos da abordagem comunicativa para o ensino de línguas. Metodologicamente, trata-se de uma pesquisa etnográfica (ROCKWELL, 1991). A análise de dados revelou que traços da abordagem comunicativa estão presentes nas competências específicas de Língua Inglesa para o Ensino Fundamental. Assim, o desenvolvimento de propostas destinadas à formação continuada de professores, que viabiliza o desenvolvimento de competências docentes para a efetivação do processo de ensino-aprendizagem norteado pela abordagem comunicativa, é um aspecto essencial para se oportunizar uma aprendizagem crítica, inclusiva e autônoma.

Palavras-chave: BNCC; Língua Inglesa; Abordagem Comunicativa.

Biografia do Autor

Nícolas Rodrigues Nunes Bessa, Universidade de Taubaté

Mestre em Linguística Aplicada pela Universidade de Taubaté, possui graduação em Pedagogia pela Universidade de Taubaté (2018) e graduação em Letras- Português/Inglês pela Universidade Anhanguera - Uniderp (2014). Atualmente é membro da UNDIME- SP (União dos Dirigentes Municipais de Educação do Estado de São Paulo) na qual atua como professor-formador no processo de implementação do Currículo Paulista. Atua como formador de professores de Língua Inglesa junto a Prefeitura Municipal de Taubaté. Tem experiência na área de Letras, com ênfase no ensino do Inglês como língua estrangeira.

Referências

ALMEIDA FILHO, J. C. Dimensões comunicativas no ensino de línguas. Campinas (SP): Pontes,1998.

ARANHA, M.L.A.; MARTINS, M.H.P. Filosofando: introdução à filosofia. 3ª. Ed., São Paulo, Editora Moderna, 439p. 2006

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BEZERRA, R. G.; LUNA, T. S., Concepções de linguagem: uma análise preliminar do discurso docente e das práticas em sala de aula. Encontros de Vista, Recife, 16 (1): 31-50, jan./jun. 2016. Disponível em: http://www.encontrosdevista.com.br/Artigos/art_03_152.pdf. Acesso em: 04 jun. 2019

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Brasília: MEC. 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_20dez_site.pdf. Acesso em: 04 jun. 2019

BROWN, H. D. Principles of Language Learning and Teaching 4. ed. New York: Longman, 2000.

CANDIDO, R. D. K; GENTILINI, J. A.; Base Curricular Nacional: reflexões sobre autonomia escolar e o Projeto Político‑Pedagógico. RBPAE - v. 33, n. 2, p. 323 - 336, mai./ago. 2017.

CAPRINO, M. P.; PESSONI, A.; APARÍCIO, A. S. M.; Mídia e Educação: A necessidade do Multiletramento. Comunicação & Inovação, São Caetano do Sul, v. 14, n. 26, p.13-19, jan.-jun. 2013. Disponível em: https://www.academia.edu/7249192/M%C3%ADdia_e_educa%C3%A7%C3%A3o_a_necessidade_do_multiletramento. Acesso em: 04 jun. 2019

CHAGAS, J. S.; O monismo substancial e escriturístico na filosofia de Spinoza. Theoria - Revista Eletrônica de Filosofia. Pouso Alegre. v.3, n. 8, 2011. Disponível em: http://www.theoria.com.br/edicao0811/o_monismo_substancial_e_escrituristico_na_filosofia_de_spinoza.pdf. Acesso em: 04 jun. 2019

DAVID, M. M.; TOMAZ, V. S. Aprendizagens Expansivas Reveladas pela Pesquisa sobre a Atividade Matemática na Sala de Aula. Bolema: Boletim de Educação Matemática vol.29 no.53 Rio Claro dez. 2015

DORETTO, S. A. BELOTI, A Concepções de linguagem e conceitos correlatos: a influência no trato da língua e da linguagem. In: Revista Encontros de Vista. 8. ed. Jul./Dez. 2011. p. 89-103. Disponível em: http://www.encontrosdevista.com.br/Artigos/09_Shirlei_Ap_Doretto_e_Adriana_Beloti_Concep%C3%A7%C3%B5es_de_linguagem_e_conceitos_correlatos.pdf. Acesso 03 mai. 2019.

EDUCATION FIRST, O índice de proficiência em Inglês da EF, 2017. Disponível em: https://www.ef.com.br/__/~/media/centralefcom/epi/downloads/full-reports/v7/ef-epi-2017-portuguese.pdfhttps://www.ef.com.br/epi/reports/epi-s/. Acesso em: 04 jun. 2019

FIRTH, Alan. The discursive accomplishment of normality: On ‘lingua franca’ English and conversation analysis. Journal of Pragmatics. Volume 26, Issue 2, August 1996, Pages 237-259. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/0378216696000148. Acesso em: 24 jul. 2019

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia. Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996. 148p

GALVÃO, I. Henri Wallon: uma concepção dialética do desenvolvimento infantil. Petrópolis: Vozes, 1995.

GIMENEZ, T.; KADRI, M. S. E.; CALVO, L. C. S.; SIQUEIRA, D. S. P.; PORFIRIO, L.; Inglês como língua franca: desenvolvimentos recentes. Revista Brasileira de Linguística Aplicada. Belo Horizonte. v.15, n.3, p. 593- 619, jul./set. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbla/v15n3/1984-6398-rbla-15-03-00593.pdf. Acesso em: 04 jun. 2019

GONÇALVES, T.M. A linguagem em perspectiva dialógica: pensando a produção de sentidos. Travessias Interativas, São Cristóvão (SE), v. 8, n. 15, p. 81–99, jan-jun/2018. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/Travessias/article/download/8883/7061. Acesso em: 03 mai. 2019

JALIL, S. A.; PROCAILO, L. Metodologia de ensino de línguas estrangeiras: perspectivas e reflexões sobre os métodos, abordagens e o pós-método. XI Congresso Nacional de Educação- EDUCERE. III Encontro Sul Brasileiro de Psicopedagogia. Paraná. p. 775-784. Out. 2009. Disponível em: https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2009/2044_2145.pdf. Acesso em: 04 jun. 2019.

KOCH, I. G. V. Desvendando os segredos do texto. São Paulo: Cortez, 2002.

KRASHEN, S.D; TERRELL, T.D. The Natural Approach: Language Aquisition in the Classroom. New York. 3 rd ed. Prentince Hall Europe, 1995.

KRASHEN, S. D. Principles and Practice in Second Language Acquisition. New York.

Pergamon,

LIMA, N. S.; FILHO, M. N. R. S.; A abordagem comunicativa no processo de aquisição de língua inglesa. Web-Revista SOCIODIALETO. Campo Grande. v.3, n. 9, mar. 2009. Disponível em: http://docplayer.com.br/6064A747-A-abordagem-comunicativa-no-processo-de-aquisicao-de-lingua-inglesa.html. Acesso em: 04 jun. 2019

LEFFA, Vilson J. Metodologia do ensino de línguas. In BOHN, H. I.; VANDRESEN, P. Tópicos em lingüística aplicada: O ensino de línguas estrangeiras. Florianópolis: ed. da UFSC, 1988. p. 211-236.

MARZARI, G.Q; GEHRES, W. B. S. Ensino de inglês na escola pública e suas possíveis dificuldades. Thaumazein, Santa Maria, v.7, n. 14, Dez. 2015, p. 12-19. Disponível em: https://periodicos.ufn.edu.br/index.php/thaumazein/article/view/214. Acesso em: 04 jun. 2019.

MELÃO, D. H. M. R.; Ler na era digital: os desafios da comunicação em rede e a (re)construção da(s) literacia(s). Exedra. Portugal. n. 3, 2010. Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/70643032.pdf. Acesso em: 04 jun. 2019

MEGALE, A.H. 2018. Educação bilíngue de línguas de prestígio no Brasil: uma análise dos documentos oficiais. The ESPecialist, 39.2.

NUNAN, D. Research Methods in Langauge Learning. Cambridge: Cambridge University Press, 1992.

OLIVEIRA, Marta Kohl de. Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento: um processo sócio histórico. São Paulo: Scipione, 1997.

PENIDO, A. BNCC e suas competências: qual aluno queremos formar?. Nova Escola, 2017. Disponível em: https://novaescola.org.br/bncc/conteudo/2/bncc-e-suas-competencias-qual-aluno-queremos-formar. Acesso em: 04 jun. 2019

PEREIRA, M. R. P. Agências de alunos cearenses do Ensino Médio: o “chamego” entre escola, comunidade e universidade. 2019. 172 f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem) - Programa de Estudos Pós-Graduados em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2019.

PORTELA, K. C. A. Abordagem comunicativa na aquisição de língua estrangeira. Expectativa. Paraná, v. 5, n. 1, 2006. Disponível em: http://erevista.unioeste.br/index.php/expectativa/article/view/84. Acesso em: 04 jun. 2019.

RICHARD, C. Jack and RODGERS S.Theodore.Approaches and Methods in language teaching.Cambridge University Press.1986.

Rockwell, E. (1986). Etnografia e teoria na pesquisa educacional. In J. Ezpeleta & E.

Rockwell, Pesquisa participante. São Paulo: Cortez

SAVIGNON, Sandra J. Communicative Language Teaching: linguistic theory and classroom practice. In: SAVIGNON, Sandra J. (ed.). Interpreting Communicative Language Teaching: contexts and concerns in teacher education, New Haven: Yale University Press, 2002

SEIDLHOFER, B. Understanding English as a Lingua Franca. Oxford University Press 2011, 244 pp., isbn 978 0 19 437500 9. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/257934329. Acesso em: 04 jun. 2019

SILVA, A. Y. B; BERTI, G. B.; MARTINS, G. R.; O professor, a língua inglesa e a base nacional comum curricular. Simpósio Internacional de linguagens educativas. São Paulo, p. 380-387, maio 2018. Disponível em: https://www.usc.br/custom/2008/uploads/anais/sile_2018/atualizado/CO/O_PROFESSOR_A_LINGUA_INGLESA_E_A_BASE_NACIONAL_COMUM_CURRICULAR_copia.pdf. Acesso em: 04 jun. 2019

SOARES, Magda. Letramento: um tema de três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

TRAVAGLIA, L. C. Concepções de linguagem. In. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramática no 1º e 2º graus. São Paulo: Cortez, 1996

UPHOFF, D. A história dos Métodos de Ensino de Inglês no Brasil. In: BOLOGNINI, C. Z. A língua inglesa na escola. Discurso e ensino. Campinas: Mercado de Letras, 2008, p. 9-15.

Downloads

Publicado

07/03/2021

Como Citar

Bessa, N. R. N. (2021). Competências específicas de língua inglesa à luz da abordagem comunicativa. REVISTA ESTUDOS EM LETRAS, 2(1), 39–60. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/estudosletras/article/view/5778

Edição

Seção

Artigos