Interculturalidade e argumentação sob o foco da perspectiva dialogal

Autores

Resumo

Este artigo tem como objetivo realizar uma análise argumentativa no cenário intercultural de falantes nativos de inglês debatendo em português como língua não materna em situação de estase argumentativa, ou seja, o ponto máximo do contradiscurso, para que se possa perceber de que forma os estranhamentos socioculturais (FARNEDA, 2010) favorecem na construção da tensão no momento do debate. Para compor a análise descritiva, aplicou-se a perspectiva dialogal de Plantin (2009, 2011, 2016), segundo a qual a noção fundamental é a da situação argumentativa na qual dois discursos em oposição coexistem e se autorregulam, definindo assim uma questão, que está voltada para o mapeamento argumentativo e nos permite perscrutar os posicionamentos motivados por interesses e os papéis de atuação desempenhados pelos falantes no momento do debate. A metodologia também lança mão da perspectiva dialogal da argumentação, observando como se constroem posicionamentos dos papéis de atuação de dois interactantes (proponente, oponente, terceiro) em uma conversa extraída de um vídeo do canal Harry Souroukides, disponibilizado na plataforma Youtube. A partir da análise ora apresentada, constatou-se, assim, que o domínio da língua não materna é decisivo para o bom desenvolvimento da interação, apesar do surgimento de estases ao longo da interação entre falantes nativos de inglês ao comunicarem-se em português do Brasil.

Biografia do Autor

Rubens - Damasceno-Morais, Universidade Federal de Goiás - UFG

Profissional com formação e experiência na área de Língua Portuguesa e Leitura e Produção de Textos. Após mestrado no domínio da Critical Discourse Analysis (Análise do Discurso Crítica / UnB - 2005), empreendeu doutorado no domínio de Ciências da Linguagem (2009-2013), quando elaborou pesquisa e tese no campo da Argumentação, da Retórica e da Interação argumentativa (Sciences du Langage / Université Lumière Lyon 2/França - com diploma validado pela Universidade de Brasília ). Atualmente é professor efetivo em dedicação exclusiva (DE) da Universidade Federal de Goiás - UFG (Campus Samambaia/Goiânia), onde se dedica ao projeto de pesquisa "A dinâmica do discurso argumentativo - Estudo de interações agonais" (2018-2022). Integra a linha de pesquisa de pós-graduação "Língua, Texto, Discurso ? PPGLL/UFG"; membro do Grupo de Pesquisa: Estudos de Linguagem, Argumentação e Discurso ELAD - dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/9009996153807020; coordenador do Grupo de Pesquisa Teorias de Argumentação e Retórica ? TEAR dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/5737083227344579; membro do Grupo de Trabalho (GT) Argumentação da ANPOLL ? http://anpoll.org.br/gt/argumentacao/.

 

Izadora Araújo Barbosa, Universidade Federal de Goiás - UFG

Discente do curso de Letras-Português da Universidade Federal de Goiás - UFG

Referências

DAMASCENO-MORAIS, Rubens. “O redimensionamento dos papéis de atuação em campo jurídico”. Retórica e comunicação multidimensional (livro). Org. Moisés Olímpio-Ferreira & Rui Alexandre Grácio. Coimbra: 2017.

DICTIONNAIRE de l’argumentation. Une introduction aux études d’argumentation / Christian Plantin. – Lyon : ENS Éditions, impr. 2016 . – 1 vol. (634 p.). (Langages, ISSN 1285-6096).

DOOLEY, Robert A.; LEVINSOHN, Stephen H. Análise do discurso: conceitos básicos em lingüística. 6. ed. : Vozes, 2014.

FALASCA, Patrícia. “Aprendizagem de língua estrangeira e argumentação em sala de aula: a perspectiva dialógica e discursiva em foco”. Leitura, V.1 nº 55 – jan/jun 2015, p. 23 – 40.

FARNEDA, Eliete Sampaio. “Língua e cultura no contexto de português língua estrangeira.” 2012. E-scrita - Revista do Curso de Letras UNIABEU, Nilópolis, v.3, Número 1 A , Jan-Abril. 2012.

GRÁCIO, Rui Alexandre. Vocabulário crítico de argumentação. Prefácio de Rui Pereira. Coimbra: Grácio Editor/Instituto de Filosofia da Linguagem da Univ. Nacional de Lisboa, 2013. 144 p.

KERBRAT-ORECCHIONI, Catherine. Análise da conversação: princípios e métodos. São Paulo: Parábola, 2006.

MARCUSCHI, Luiz Antônio (Ed.). Análise da Conversação. São Paulo: Ática, 1986.

NÓBREGA, Maria Helena. “Ensino de Português para Nativos e Estrangeiros: na Prática, a Teoria é Outra”. Linha D’Água, v. 23, 2010, pág. 25-40.

PAIVA, Rosa Maria Barral Gregores. “A argumentação em aula de língua materna e de língua estrangeira”. Repositório Universidade Nova, nov. 2015.

PLANTIN, C. (2009). "Deixem dizer": A norma do discurso de um está no discurso do outro. Comunicação E Sociedade, 16, 145-161. https://doi.org/10.17231/comsoc.16(2009).1035

PLANTIN, Christian. “Análise e crítica do discurso argumentativo”. Trad. Rodrigo dos S. Mota, Sébastien G. Giancola; Thaise A. dos Santos. Rev. trad. Moisés Olímpio-Ferreira; Sérgio I. Levemfous. EID&A - Revista Eletrônica de Estudos Integrados em Discurso e Argumentação, n. 1, p. 17-37, nov.2011.

PLANTIN, Christian. Dictionary of Argumentation: An Introduction to Argumentation Studies. Lyon: ENS Éditions, 2016.

SANTOS, Percilia & ALVAREZ; ORTÍZ, Maria Luisa. Língua e Cultura no Contexto de Português Língua Estrangeira. Percilia Santos e Maria Luisa Alvarez (Orgs.), Campinas, SP: Pontes Editores, 2010, 240p. ISBN: 978-85-7113-321-1.

SAUSSURE, Ferdinand. Curso de linguística geral. 26ª ed. Tradução de Antônio Chelini, José Paulo Paes e Izidoro Blikstein. São Paulo: Cultrix: 1995.

Downloads

Publicado

2022-02-27 — Atualizado em 2022-02-27

Versões

Como Citar

Damasceno-Morais, R. .-., & Barbosa, I. A. (2022). Interculturalidade e argumentação sob o foco da perspectiva dialogal. REVISTA ESTUDOS EM LETRAS, 2(2). Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/estudosletras/article/view/6003

Edição

Seção

Artigos