Sessões formativas de Língua Inglesa como possibilidades agentivas

Autores

Resumo

Resumo: Este artigo é um recorte de uma pesquisa de mestrado cujo objetivo é analisar como as sessões formativas propostas pela secretaria municipal de educação contribuem para o desenvolvimento de agências, com foco na ressignificação da práxis educativa do professor de Língua Inglesa à luz das diretrizes da BNCC. Este estudo tem como principal arcabouço teórico-filosófico a Teoria da Atividade Sócio-Histórico-Cultural (VYGOTSKY 1930, 2003; LEONTIEV, 1978; ENGESTRÖM, 1999), a partir da qual são apresentadas diferentes concepções de agência, a saber, agência relacional (EDWARDS, 2005, 2007), agência transformativa (ENGESTRÖM, 2005, 2015), agência crítico-colaborativa (MAGALHÃES, 2011, 2018) e agência desencapsuladora (LIBERALI, 2009, 2018). Metodologicamente, esta pesquisa se pauta na Pesquisa Crítica de Colaboração (PCCol) (MAGALHÃES, 2012), caracterizada como pesquisa de intervenção formativa. Nessa direção, a aprendizagem e o desenvolvimento individual e coletivo estão inseridos em um contexto sócio-histórico-cultural pautado por conflitos originados, sobretudo por contradições entre teorias e práticas convencionais e a e a construção do inédito-viável (FREIRE, 1996). Para a análise de dados, foram escolhidas as categorias de análise enunciativa, discursiva e linguística (LIBERALI, 2013). Os resultados da pesquisa apontam para o desenvolvimento da agência relacional (EDWARDS, 2005, 2007), da agência transformativa (ENGESTRÖM, 2005, 2015), da agência crítico-colaborativa (MAGALHÃES, 2011, 2018) e da agência desencapsuladora (LIBERALI, 2009, 2018).

PALAVRAS-CHAVE:  Agências; BNCC; Formação de Professores; Língua Inglesa.

Biografia do Autor

Nícolas Rodrigues Nunes Bessa, Universidade de Taubaté

Mestre em Linguística Aplicada pela Universidade de Taubaté, possui graduação em Pedagogia pela Universidade de Taubaté (2018) e graduação em Letras- Português/Inglês pela Universidade Anhanguera - Uniderp (2014). Atualmente é membro da UNDIME- SP (União dos Dirigentes Municipais de Educação do Estado de São Paulo) na qual atua como professor-formador no processo de implementação do Currículo Paulista. Atua como formador de professores de Língua Inglesa junto a Prefeitura Municipal de Taubaté. Tem experiência na área de Letras, com ênfase no ensino do Inglês como língua estrangeira.

Referências

REFERÊNCIAS

BAKHTIN, M. (VOLOCHÍNOV). Marxismo e filosofia da linguagem. Problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Trad. Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. 13 ed. São Paulo: Hucitec, 2009 [1929]

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: Ministério da Educação. 20 dez. 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_20dez_site.pdf. Acesso em: 17 ago. 2019.

CÁRDENAS, C. HACIA UNA SEMIÓTICA DE LA EDUCACIÓN. Revista Electrónica Sinéctica, núm. 19, Julho-Janeiro, 2001, p. 28-38. Instituto Tecnológico y de Estudios Superiores de Occidente Jalisco, México.

CHAVES, H. V.; FILHO, O. N. M.; OLIVEIRA, J. C. C.; NETO, F. E. P. Contribuições de Baruch Espinosa à teoria histórico-cultural. Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 18, n. 1, p. 134-147, abr. 2012.

EDWARDS, A. Relational agency in professional practice: a CHAT analysis. International Journal of Human Activity Theory, [S.l.], n.1, p.1-17, 2007.

__________. Relational agency: learning to be a resourceful practioner. International Journal of Educational Research, Oxford, v.43, n.3, p.168-182, 2005.

ENGESTRÖM, Y. et al. Activity theory and individual and social transformation. Perspectives on activity theory, v. 19, n. 38, 1999.

__________. Teachers as Collaborative Thinkers: Activity-Theoretical Study of an Innovative Teacher Team. In: CARLGREN, I. et al. Teachers’ Minds and Actions: Research on Teachers’ Thinking and Practice. Falmer, 1994.

__________. Learning by Expanding. An ActivityTheoretical Approach to Developmental Research. Cambridge University Press, 2015.

ENGESTRÖM, Y.; SANNINO, A. Dicursive manifestations of contradictions in organizational change efforts: a methodological framework. Journal of Organizational Change Management, Bradford, v.24, n.3, p.368-87, 2011.

ESPINOSA, B. Ética. Tradução: Tomaz Tadeu. São Paulo: Autêntica, 2009.

FILHO, O. B. Bakhtin e o cronotopo: uma análise crítica. Revista InterteXto, [S.l.], v. 4, n. 2, mar. 2012. ISSN 1981-0601.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro, Paz e Terra, Rio de Janeiro, 1981.

GALVÃO, I. Henri Wallon: uma concepção dialética do desenvolvimento infantil. Petrópolis: Vozes, 1995.

LEONTIEV, A. O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa: Livros Horizonte, 1978.

LIBERALI, F. C. Argumentação em contexto escolar. 1. ed. São Paulo: Pontes Editora, 2013.

__________. Atividade Social nas aulas de língua estrangeira. 01. ed. São Paulo: Moderna, 2009.

LIBERALI, F. C.; FUGA, V. P. A importância do conceito de perejivanie na constituição de agentes transformadores. Estud. psicol. (Campinas), Campinas , v. 35, n. 4, p. 363-373, Dec. 2018.

MAGALHAES, M. C. C. Vygotsky e a pesquisa de intervenção no contexto escolar: Pesquisa Crítica de Colaboração - PCcoL. In: Fernanda Coelho Liberali; Elaine Matheus; Maria Cristina Damianovic. (Org.). A Teoria da Atividade Sócio-Histórico-Cultural e a escola: recriando realidades sociais. 1ed.Campinas: Pontes, 2012, v.1, p. 13-26.

MAGALHAES, M. C. C.; OLIVEIRA, W. . Vygotsky e Bakhtin/ Volochinov: dialogia e alteridade. Bakhtiniana: Revista de Estudos do Discurso, v. n 5, p. 103-115, 2011.

MAGALHAES, M. C. C. Formação contínua de professores: a organização crítico-colaborativa para transformação. LING. – Est. e Pesq., Catalão-GO, vol. 22, n. 2, p. 17-35, jul./dez. 2018.

MARX, K. Manuscritos econômicos- filosóficos. São Paulo: Martin Claret, 1844/2004

MATEUS, E. F. Atividade de Aprendizagem Colaborativa e inovadora de professores: ressignificando as fronteiras do mundo universidade-escola. 2005. Tese (Estudos da linguística Aplicada e estudos da linguagem). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2005.

NININ, M. O. G.; MAGALHAES, M. C. C. A linguagem da colaboração crítica no desenvolvimento da agência de professores de ensino médio em serviço. Alfa, rev. linguíst. (São José Rio Preto), São Paulo , v. 61, n. 3, p. 625-652, dez. 2017.

PALAZÓN MAYORAL, M. R. A teoria marxista hoje. Problemas e perspectivas. Campus Virtual.

PEREIRA, M. R. P. Agências de alunos cearenses do Ensino Médio: o “chamego” entre escola, comunidade e universidade. 2019. 172 f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem) - Programa de Estudos Pós-Graduados em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2019.

SÁNCHEZ VÁZQUEZ, A. 2003 (1967) Filosofía de la praxis (México: Fondo de Cultura Económica).

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1930/2003.

VIRRKUNEN, J. Dillemas in building shared transformative agency. Activités revue életronique, v.3, n.1, 2006, p. 43-66.

Downloads

Publicado

22/09/2021 — Atualizado em 27/02/2022

Versões

Como Citar

Bessa, N. R. N. (2022). Sessões formativas de Língua Inglesa como possibilidades agentivas. REVISTA ESTUDOS EM LETRAS, 2(2). Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/estudosletras/article/view/6109 (Original work published 22º de setembro de 2021)

Edição

Seção

Artigos