INFLUÊNCIA DA ORALIDADE NA PRODUÇÃO TEXTUAL ESCRITA: REVISITANDO O TCC

THE INFLUENCE OF ORALITY ON WRITTEN TEXTUAL PRODUCTION: REVISITING THE TCC

Visualizações: 33

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48211/sociodialeto.v11i32.327

Palavras-chave:

Ensino; Escola; Traços de Oralidade; Sociolinguística Variacionista.

Resumo

O presente artigo tem por objetivo fazer uma síntese do trabalho de conclusão de curso na área da Sociolinguística, intitulado:A influência da oralidade na escrita dos alunos do 1° ano do Ensino Médio na Escola Estadual “13 De Maio” em Porto Esperidião-MT.O estudoteve como suporte teórico a Sociolinguística. E como resultado das análises observamos a presença de onze traços de oralidade distintos, na produção textual escrita dos alunos.Desse modo, conclui-se que realmenteexisteminterferências da oralidade na produção escrita desses alunos, e cabe a nós professores saber como tratar essas questões nas aulas de Língua Portuguesa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabiana da Silva Lira, UNEMAT/Cáceres

Graduada em Letras pela Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT).  Cáceres-MT/Brasil.

Jocineide Macedo Karim, UNEMAT/Cáceres

Professora, Dra. em Linguística do Departamento de Letras/Cáceres, Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT).

Referências

ALKMIM, Tânia Maria. Sociolinguística. Parte I. IN: MUSSALIM, Fernanda; BENTES, Ana Cristina. Introdução à linguística: domínios e fronteiras, v.1, 6ed. São Paulo: Cortez, 2006. p.21-47.
AMARAL, A. O dialeto caipira. 3. ed. São Paulo: Hucitec-SCET-CEC, 1976. [1920].
BAGNO, M. Preconceito linguístico: o que é, como se faz. São Paulo: Loyola, 2007.
BORTONI - RICARDO. Stella. Maris. A linguística na escola. In: Cuiabá, 2004 a. Disponível em: <http://www.sbpcnet.org.br/livro/56ra/banco_conf_simp/ textos/StellaRicardo.htm>. Acesso em 20 de Jan. 2019.
BORTONI - RICARDO. Stella. Maris. Educação em língua materna: a sociolinguística na sala de aula. São Paulo: Parábola, 2004 b.
BORTONI - RICARDO. Stella. Maris. Nós cheguemu na escola e agora?: Sociolinguística e educação. São Paulo: Parábola, 2005.
BORTONI - RICARDO. Stella. Maris. O estatuto do erro na língua oral e na língua escrita. In: GORSKI, M. E; COELHO, I. L. (Orgs.). Sociolinguística e ensino: contribuições para a formação do professor de língua. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2006.
BORTONI - RICARDO. Stella. Maris. O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Parábola, 2008.
BRAGA, Maria Luiza & MOLLICA, Maria Cecilia. Introdução à Sociolinguística: o tratamento da variação. 2ed. São Paulo: Contexto 2004.
BRASIL ESCOLA. Monografias, Variação linguística, uma realidade de nossa língua. Disponível em<https://monografias.brasilescola.uol.com.br/educacao/variacao-linguistica-uma-realidade-nossa-lingua.htm>Acesso em 05 de Maio 2020.
CAGLIARI, Luiz Carlos. Alfabetização e linguística. São Paulo: Scipione, 2007.
CALVET, Louis-Jean. Sociolinguística: uma introdução crítica. São Paulo: Parábola, 2002.
CÂMARA JR., J. M. . Estrutura da língua portuguesa. 41 ed. Petrópolis: Vozes, 2008.
COELHO, IzeteLehmkuhl, [et al.]. Sociolinguística– Florianópolis LLV/CCE/UFSC, 2012.
COELHO, L. C. Oralidade Presente Na Escrita De Alunos Do II Ano Do Ensino Fundamental.2012. 6f. Universidade Estadual do Sudoeste, Bahia, 2012.
DIA A DIA EDUCAÇÃO. Conselho Escolar. Disponível em<http://www.gestaoescolar.diaadia.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=279> Acesso em 23 de Jun. de 2019.
FARACO, Calos Alberto. Norma culta brasileira: desatando alguns nós. São Paulo: Parábola, 2008.
FARACO, Carlos Emílio; MOURA, Franscisco Marto de, MARUXO JR, José Hamilton. Língua Portuguesa: linguagem e interação.2. ed. São Paulo: Ática,2013.
KOCH. I. V. e TRAVAGLIA. L. C. A coerência textual. São Paulo: Contexto, 2010, p. 10.
LABOV, William. Sociolinguistic Patterns. Pennsylvania: University of Pennsylvania Press, 1972.
MACEDO-KARIM, Jocineide Macedo. (2012). A comunidade São Lourenço em Cáceres-MT: aspectos linguísticos e culturais. Tese de Doutorado. Campinas-SP: UNICAMP, Universidade Estadual de Campinas.
MARCUSCHI, L. A. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. 10. ed. São Paulo: Cortez, 2010.
MARCUSCHI, L. A. Marcadores conversacionais no português brasileiro: formas, posições e funções. In: CASTILHO, A.T. de (org) Português culto falado no Brasil. Campinas: Ed. Da Unicamp, 1989, p. 281-322.
PCN’s. Parâmetros curriculares nacionais ensino médio. Disponível em<http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/linguagens02.pdf>Acesso em 20 de Jan. 2019.
SILVA, B. N., A Marca Da Oralidade Na Produção Escrita De Alunos Do 6° Ano Da Escola Criança Cidadã Na Cidade De Cáceres – MT.2017/1.12f. Monografia para conclusão de curso Licenciatura em letras, Cáceres, 2017/.
TARALLO, F. A pesquisa Sociolinguística. São Paulo, Ática. 1990.

Downloads

Publicado

02-05-2021

Como Citar

Silva Lira, F. da, & Karim, J. M. (2021). INFLUÊNCIA DA ORALIDADE NA PRODUÇÃO TEXTUAL ESCRITA: REVISITANDO O TCC: THE INFLUENCE OF ORALITY ON WRITTEN TEXTUAL PRODUCTION: REVISITING THE TCC. WEB REVISTA SOCIODIALETO, 11(32), 25–46. https://doi.org/10.48211/sociodialeto.v11i32.327