UMA INVESTIGAÇÃO DO COMPORTAMENTO DA EXPRESSÃO DE FUTURIDADE COM A FORMA DO “FUTURO SIMPLES” VERSUS A “PERÍFRASE VERBAL IR + INFINITIVO E AS VARIEDADES “NÓS” E “A GENTE” EM GÊNEROS TEXTUAIS DO CONTÍNUO FALA-ESCRITA

AN INVESTIGATION INTO THE BEHAVIOUR OF THE EXPRESSION OF FUTURITY WITH THE "SIMPLE FUTURE" FORM VERSUS THE "VERBAL PERIPHRASIS IR + INFINITIVE AND THE VARIETIES "NÓS" AND "A GENTE" IN TEXTUAL GENRES OF THE SPEECH-WRITING CONTINUUM

Visualizações: 166

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61389/sociodialeto.v13i39.8117

Palavras-chave:

Norma padrão, Regras variáveis, Sociolinguística Educacional

Resumo

Estudos sociolinguísticos têm evidenciado que no contexto escolar brasileiro o ensino pronominal e verbal prioriza os aspectos cunhados pela tradição gramatical, cuja realidade tem sido motivo de preocupação e de estudos de pesquisadores na área da linguística, especialmente, na área da sociolinguística, por apresentar um distanciamento da realidade linguística brasileira. Diante disso, este estudo objetiva apresentar uma investigação da variação nas formas de expressão da 1ª pessoa do plural e a variação para fazer referência ao futuro, as quais têm sido apresentadas em diversos estudos como VIEIRA (2019); (FARACO, 2008); MATOS E SILVA (2004), dentre outros. Para a investigação dos fenômenos variáveis sobre a variação pronominal “Nós” versus a forma “A gente” e a expressão de futuridade com a forma do “futuro simples” versus a “perífrase verbal ir + infinitivo”, seguindo aspectos propostos pela Sociolinguística Educacional, o corpus desta pesquisa constitui-se de diferentes gêneros textuais do contínuo fala-escrita proposto por Bortoni-Ricardo (2004. De base na análise dos fenômenos investigados, constatamos que a língua evidencia um conjunto de regras variáveis. Diante disso, esperamos contribuir para uma reflexão sobre o ensino de língua portuguesa, como fenômeno gramatical, pautado nos pressupostos da Sociolinguística Educacional, colaborando, dessa forma, para que a língua seja cada vez mais considerada pelos falantes como um meio de interação social e cultural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fátima Christina Calicchio, UEL

Possui Licenciatura em Letras Português/Inglês e respectivas literaturas (2009) pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), Mestrado em Letras na área de Estudos Linguísticos (2014), pela mesma universidade; doutoranda em Estudos da Linguagem pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Bolsista CAPES; Tem experiência em docência nos níveis fundamental, médio e superior, bem como na modalidade a distância e na autoria de material didático para EAD; Tutora on-line do curso de Especialização em Ensino de Língua Portuguesa e Tecnologia Educacional Digital pelo NEAD (Núcleo de Educação a Distância) UAB (Universidade Aberta do Brasil) UEL. ; Integrante do grupo de pesquisa VALEN (Variação linguística na Escola e Normas) . Tem interesse em estudos da língua á luz da Sociolinguística, do Funcionalismo e da Linguística textual.

Referências

ALKMIN, T. Sociolinguística. In: MUSSALIM, F.; BENTES, A. C. Introdução à linguística: domínios e fronteiras. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2012. p. 21-47.

BAKHTIN, M. M. Os gêneros do discurso. In: Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

BAKHTIN, M. & VOLOSHINOV, V.N. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 2001.

BRASIL, Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: Língua Portuguesa. Brasília, DF: MEC/SEF, 1998.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Educação em língua materna: a sociolinguística na sala de aula. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.

BRONCKART, Jean, Paul. Atividade de linguagem, textos e discursos: por um iteracionismo sociodiscursivo. Trad. De Anna Rachel Machado, Péricles Cunha. São Paulo: Educ., 1999.

CEREJA, William Roberto; MAGALHÃES, Thereza Cochar. Gramática reflexiva. São Paulo: Atual, 2013.

CUNHA, C. F.; CINTRA, L. Nova gramática do português contemporâneo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2007.

FARACO, Carlos Alberto. Norma-padrão brasileira – Desembaraçando alguns nós. In: Linguística da Norma - Marcos Bagno [org]. São Paulo, Edições Loyola,2002. p. 37-61.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Mini Aurélio: o dicionário da língua portuguesa. Curitiba: Positivo, 2010.

FERREIRA, Mauro. Aprender e praticar gramática. São Paulo: FTD, 2002.

MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia. O português são dois: variação, mudança, norma e a questão do ensino de português. In: O português são dois: novas fronteiras, velhos problemas. São Paulo: Parábola, 2004. p. 128-151.

MESQUITA, Roberto Melo. Gramática da língua portuguesa. São Paulo: Saraiva, 2014.

NEVES, Maria Helena de Moura. Gramática de usos do português. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

TRAVAGLIA, Luiz Carlos. Um estudo textual-discursivo do verbo no português no português do Brasil. 1991. 330f. Tese (Doutorado em Linguística) –Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 1991.

VIEIRA, Silvia Rodrigues; "Para Uma Norma-Padrão Flexível no Contexto Escolar: Contribuições dos Estudos Sociolinguísticos", p. 243 -264. In: Dimensões e Experiências em Sociolinguística. São Paulo: Blucher, 2019.

Downloads

Publicado

15-09-2023

Como Citar

Calicchio, F. C. (2023). UMA INVESTIGAÇÃO DO COMPORTAMENTO DA EXPRESSÃO DE FUTURIDADE COM A FORMA DO “FUTURO SIMPLES” VERSUS A “PERÍFRASE VERBAL IR + INFINITIVO E AS VARIEDADES “NÓS” E “A GENTE” EM GÊNEROS TEXTUAIS DO CONTÍNUO FALA-ESCRITA: AN INVESTIGATION INTO THE BEHAVIOUR OF THE EXPRESSION OF FUTURITY WITH THE "SIMPLE FUTURE" FORM VERSUS THE "VERBAL PERIPHRASIS IR + INFINITIVE AND THE VARIETIES "NÓS" AND "A GENTE" IN TEXTUAL GENRES OF THE SPEECH-WRITING CONTINUUM. WEB REVISTA SOCIODIALETO, 13(39), 1–22. https://doi.org/10.61389/sociodialeto.v13i39.8117