Raça e gênero em Melanctha, de Gertrude Stein

Visualizações: 7529

Autores

Palavras-chave:

Melanctha. Gertrude Stein. Representação. Identidade. Semiótica.

Resumo

O presente trabalho resulta de um projeto de pesquisa que visa analisar, sob a perspectiva discursiva, uma novela da obra Três Vidas, da escritora norte-americana Gertrude Stein. Para isso, foi selecionado o conto Melanctha, título homônimo à protagonista. O objetivo da pesquisa é compreender como a obra segmenta os seus personagens por meio de atributos designados a cada um deles a partir de sua etnia. A fundamentação teórica será norteada através da articulação de um diálogo entre os estudos culturais, como Woodward (2000), e teorias feministas de Bell Hooks (1981;2000) e Angela Davis (1982). Para a análise, mobilizamos as contribuições da teoria semiótica nos trabalhos de Barros (2005) e Fiorin (2008). A transitoriedade que Melanctha realiza entre os supostos benefícios que a sua pele mais clara oferece e a busca constante pela aceitação da comunidade negra na qual vive é o que evidencia o limbo étnico, o entre-lugar, que preenche o cotidiano da protagonista. Como resultados finais, compreendemos que a obra utilizou-se de representações pós-escravidão em que foram submetidos negros e negras pela população branca, expondo-os a situações tão revoltantes e subumanas quanto à escravidão que viveram outrora.

Biografia do Autor

Yasmine Louro, UEMASUL

Graduanda em Letras Licenciatura em Língua Portuguesa, Língua Inglesa e Literaturas pela Universidade Estadual da Região Tocantina do Maranhão, UEMASUL. Desenvolveu projeto de Iniciação Científica, pela UEMA/UEMASUL, 2016/2017, na área de Historiografia Linguística; em 2017/2018, desenvolveu PIBIC na área de Letramento de Língua Inglesa; e desenvolveu, no ciclo 2018/2019, PIBIC na área de Semântica, pela UEMASUL

Referências

ABREU, Andreia Manuela Passos. Gertrude Stein e o Cubismo Literário. Dissertação (Mestrado em Estudos Americanos) ─ Porto: Universidade Aberta, 2008.

BARROS, Diana Luz Pessoa de. Teoria Semiótica do Texto. 4. ed. São Paulo: Editora Ática, 2005.

CHARTIER, Roger. O mundo como representação. Revista das revistas. São Paulo, v. 11, p. 173-191, 1991.

DANIEL, Lucy. Gertrude Stein. Chippenham: Reaktion Books, 2009.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo Editorial, 2016.

ENGLISH, Daylanne K. Unnatural Selections: Eugenic in American Modernism and The Harlem Renaissance. Carolina do Norte: The University of North Carolina Press, 2004.

FIORIN, J.L. Teoria dos signos. In: _ (org.). Introdução à linguística. 4. ed. São Paulo: Contexto, 2005. p. 55-73.

GALE, Thomas. (org.). Melanctha: Short Stories for Students. Minnesota: The Gale Group, 1999.

HOOKS, Bell. Feminism is for everybody. Cambridge: South End Press, 2000.

LUCARELLI, Jason. Using Everything: Pattern Making in Gertrude Stein’s Melanctha, Robert Walser’s Nothing at All”, and Sam Lipyte’s “The Wrong Arm”. Número Cinq. 12 Ago 2013. Disponível em: <http://numerocinqmagazine.com/2013/08/12/using-everything-pattern-making-in-gertrude-steins-melanctha-robert-walsers-nothing-at-all-and-sam-lipsytes-the-wrong-arm-essay-jason-lucarelli/> Acesso em: 20 Jun 2017.

KARNAL, Leandro. (et al). História dos Estados Unidos: das origens ao século XIX. São Paulo: Contexto, 2007.

SANTAELLA, Lucia. Semiótica Aplicada. São Paulo: Pioneira Thomsom Learning, 2005.

SILVA, Alcione Leite da; LAGO, Mara Coelho de Souza; RAMOS, Tânia Regina Oliveira. (org.). Falas de Gênero. Santa Catarina: Editora Mulheres, 1999.

SILVA, Tomaz Tadeu. (org.). HALL, Stuart; WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. 15. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2014.

SOUZA, Marcos Aurélio dos Santos. O entre-lugar e os estudos culturais. Travessias, Cascavel. v. 1, n.1, p. 1-13, 2007.

STEIN, Gertrude. A autobiografia de Alice B. Toklas. São Paulo: Cosac Naify, 2009.

STEIN, Gertrude. Três Vidas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1983.

WARE, Vron. (org.). Branquidade: Identidade branca e multiculturalismo. Rio de Janeiro: Garamond: 2004.

WILL, Barbara. Gertrude Stein, Modernism, and the Problem of “Genius”. Edinburgh: Edinburgh University Press, 200.

Downloads

Publicado

23-04-2020

Como Citar

Louro, Y. (2020). Raça e gênero em Melanctha, de Gertrude Stein. VALITTERA - REVISTA LITERÁRIA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS, 1(2), 86–98. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/valit/article/view/3826

Edição

Seção

Artigo