Literaturas pós-autônomas e a poesia contemporânea

Autores

Palavras-chave:

Pós-autonomia, Literatura contemporânea, Inespecificidade, Claudia Rankine, Roy David Frankel

Resumo

Não é novidade afirmar que a literatura moderna estava inserida no discurso de autonomia estética, pautado pelas noções de auto-referencialidade, compromisso indireto com a vida social e especificidade (LUDMER, 2010). As fronteiras que delineavam as artes eram bastante delimitadas, assim como as distinções entre realidade e ficção. Entretanto, na contemporaneidade, é notável o incremento do número de obras ficcionais que parecem questionar a autonomia do regime literário. Essas produções não só imbricam a literatura com a “hora histórica” (SÜSSEKIND, 2013), explorando debates políticos, históricos e sociais, como também parecem não compartilhar valores sobre o nosso entendimento de literário, pondo em xeque determinadas categorias de análises vigentes na modernidade. É a partir destas premissas que este texto busca analisar brevemente duas produções contemporâneas, a saber: o poema “Um grafite sobre um fundo muito branco” (2020), de Claudia Rankine, e o livro “Sessão” (2017), de Roy David Frankel, a fim de analisar de que maneira essas práticas remodelam a definição de literatura ao menos como a compreendemos na modernidade e apontam para uma nova forma de criação artística.

Biografia do Autor

Samara Conceição de Lima, Universidade Federal da Bahia

Graduanda em Língua Estrangeira pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Faz parte do grupo de pesquisa Leituras Contemporâneas - narrativas do século XXI, coordenado pela professora Dra. Luciene Azevedo. Foi bolsista pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) entre 2019 e 2020 desenvolvendo pesquisa sobre a (auto)representação do negro no conto brasileiro. Atualmente, com financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (FAPESB), dedica-se aos seguintes temas: literatura expandida, literatura e fotografia, hibridismo e narrativas contemporâneas. 

Referências

CÁMARA, M.; KLINGER, D.; PEDROSA, Celia; WOLFF, J. (org.). Indicionário do contemporâneo. Belo Horizonte: UFMG, 2018.

COELHO, Eduardo. Ressaca do ano seguinte. In: Sessão. São Paulo: Luna Parque Edições, 2017.

FRANKEL, Roy David. Sessão. São Paulo: Luna Parque Edições, 2017.

KINGLER, Diana. Poesia, documento, autoria. Estudos de literatura brasileira contemporânea, v. 55, n. 55, set. 2018. Disponível em: < https://periodicos.unb.br/index.php/estudos/article/view/15622#:~:text=O%20texto%20busca%20comprender%20procedimentos,estranhamento%20na%20percep%C3%A7%C3%A3o%20do%20real.>. Acesso em: 9 mar. 2021

KRAUSS, Rosalind. “A escultura no campo ampliado” (Tradução de Elizabeth Carbone Baez). Revista semestral do Curso de Especialização em História da Arte e Arquitetura no Brasil, n. 1, 1984 (Artigo de 1979).

LUDMER, Josefina. Literatura pós-autônomas. Sopro: Panfleto Político-cultural, Desterro, p. 1-6, 2010. Disponível em <https://goo.gl/q4bHaz>. Acesso 9 mar. 2021.

RANKINE, Claudia. Cidadã: uma lírica americana (Tradução de Stephanie Borges). São Paulo: Editora Jabuticaba, 2020.

RANKINE, Claudia. Claudia Rankine, The art of Poetry. [Entrevista concedida a] David L. Ulin. The Paris Review, Nova York, n. 102, 2016. Disponível em: < https://www.theparisreview.org/interviews/6905/the-art-of-poetry-no-102-claudia-rankine>. Acesso em: 9 mar. 2021.

SÜSSEKIND, Flora. Objetos verbais não identificados: um ensaio de Flora Süssekind. O Globo, Rio de Janeiro, 21 set. 2013. Seção: Prosa e verso. Disponível em: < https://blogs.oglobo.globo.com/prosa/post/objetos-verbais-nao-identificados-um-ensaio-de-flora-sussekind-510390.html>. Acesso em: 9 mar. 2021.

Downloads

Publicado

28/12/2021

Como Citar

Lima, S. C. de. (2021). Literaturas pós-autônomas e a poesia contemporânea. VALITTERA - REVISTA LITERÁRIA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS, 1(4), 334–348. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/valit/article/view/6172