Devaneios e realidade em Balzac, Flaubert e Joyce

Autores

Resumo

O presente trabalho parte da leitura de excertos dos romances O Pai Goriot, Madame Bovary e Um Retrato do Artista quando Jovem, dos autores Balzac, Flaubert e Joyce, respectivamente, usando, como embasamento teórico, os conceitos de automatização, forma e função dos formalistas russos Chkloviski e Tynianov. O objetivo foi encontrar formas símiles nos três romances e analisar se o reaparecimento de uma mesma temática se dá em uma automatização ou se há uma mudança de função. Foi encontrada a forma símile devaneio, comum aos três romances. A conclusão foi que não há uma automatização, visto que em cada uma das obras a forma aparece com uma função distinta no texto.

Biografia do Autor

Hêmille Raquel Santos Perdigão, Universidade Federal de Ouro Preto

Mestranda em Letras: Estudos da Linguagem na Universidade Federal de Ouro Preto – Brasil. Bolsista CAPES - Brasil ORCID iD: https://orcid.org/0000-0002-7832-5572. E-mail: hrsperdigao@yahoo.com.br

Referências

ADORNO, Theodore W. Posição do narrador no romance contemporâneo. In: ADORNO, Theodore W. Notas de Literatura I. Tradução de Jorge de Almeida. São Paulo: Editora 34, 2003.

AUERBACH, Erich. Mimesis: a representação da realidade na literatura ocidental. São Paulo: Perspectiva, 1987.

BALZAC, Honoré. Le Père Goriot. Paris: Librairie Gründ, 1939.

BALZAC, Honoré de. O Pai Goriot. Tradução de Gomes da Silveira. Porto Alegre: Editora Globo, 1952.

BROOKS, Peter. Reading for the plot: design and intention in narrative. New York: Harvard University Press, 1992.

CARPEAUX, Otto Maria. Madame Bovary. In: FLAUBERT, Gustave. Madame Bovary. Tradução de Sérgio Duarte. Rio de Janeiro: Edições de Ouro, 1967.

CHKLOVSKI, Victor. A arte como procedimento. In: TOLEDO, Dionísio de (Org.). Teoria da literatura: formalistas russos. Porto Alegre: Globo, 1973.

FLAUBERT, Gustave. Cartas Exemplares. Tradução de Carlos Eduardo Machado. Rio de Janeiro: Imago, 2005.

FLAUBERT, Gustave. Madame Bovary. São Paulo: Tradução de Mário Laranjeira. Penguin Classics Companhia das Letras, 2017.

FLAUBERT, Gustave. Madame Bovary.Tradução de Fúlvia Moretto. São Paulo: Nova Alexandria, 2009;

FLAUBERT, Gustave. Madame Bovary. Paris: Flammarion, 2006.

GIRARD, René. Mentira romântica, verdade romanesca. São Paulo: E-realizações, 2009.

JOYCE, James. A Portrait of the Artist as a Young Man. In LEVIN, Harry. The Essential James Joyce. Whitehorse: Penguin Books, 1948.

JOYCE, James. Um Retrato do artista quando jovem. Tradução de Caetano Galindo. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2016.

JOYCE, James. Retrato do Artista quando Jovem. Tradução de José Geraldo Vieira. São Paulo: Abril Cultural, 1971.

KENNER, Hugh. Flaubert, Joyce and Beckett: The Stoic Comedians. London: Dalkey Archive Press, 2005.

MORETTI, Franco. The Way of the World: The Bildungsroman in European Culture. New York: Verso, 2000.

PARIS, Jean. Joyce. Tradução de Maria Ignez Duarte Estrada. Rio de Janeiro: José Olympio, 1992.

POUND, Ezra. Sobre Joyce. Tradução de Mirko Lauer. Barcelona: Barral Editores, 1971.

RANCIÈRE, Jacques. O Fio Perdido: Ensaios sobre a ficção moderna. Tradução de Marcelo Mori. São Paulo: Martins Fontes, 2017.

THORLBY, Anthony. Gustave Flaubert and the Art of Realism. London: Bowes& Bowes, 1956.

TYNIANOV, Iuri. Da evolução literária. In: TOLEDO, Dionísio (org.). Teoria da literatura: Formalistas russos. Porto Alegre: Globo, 1978.

ZÉRAFFA, Michel. Pessoa e Personagem. São Paulo: Perspectiva, 2010.

Downloads

Publicado

24/12/2021

Como Citar

Perdigão, H. R. S. (2021). Devaneios e realidade em Balzac, Flaubert e Joyce . VALITTERA - REVISTA LITERÁRIA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS, 1(4), 100–116. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/valit/article/view/6272