A resistencia de Rosário e as repressões patriarcal, familiar e religiosa no romance histórico A casa das sete mulheres, de Letícia Wierzchowski

Autores

Resumo

O artigo tem por objetivo analisar, no romance histórico A casa das sete mulheres (2002), de Leticia Wierzchowski, a resistência da personagem Rosário contra os modos de repressão patriarcal, familiar e religiosa, durante a Guerra dos Farrapos (1835 a 1845). A resistência se dá, por meio de isolamentos, de transcendências sinestésicas e da paixão pelo espectro de Steban, um oficial castelhano, morto na Guerra de Cisplatina (1825 a 1828). A ideia de isolamento é inerente à personagem Rosário que resiste o patriarcalismo, na vida pública da Corte. Afastada da vida pública, passa os anos de guerra na Estância da Barra. Resistindo ao modus vivendi da Estância, isola-se na biblioteca. Louca para a família, é internada em um convento e lá, apartada, resiste à vida religiosa, em um cemitério. Por fim, a resistência aos modos patriarcais leva Rosário a cometer suicídio.

 

Biografia do Autor

John David Peliceri da Silva, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”

Mestre em Letras pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – Brasil. Doutorando em Letras na Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – Brasil. ORCID iD: https://orcid.org/0000-0002-8327-6189. E-mail: johndavidbrother@hotmail.com

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua I. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010. p. 10.

BAKHTIN, Mikhail. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. Tradução Aurora Fornoni Bernadini et al. São Paulo: Hucitec, 2014, p. 211.

BRANDÃO, Helena. Introdução à análise do discurso. 2 ed. Campinas: UNICAMP, 2004. p. 56.

CASTELLS, Manuel. A era da Informação: economia, sociedade e cultura. vol. II. O poder da Identidade. Tradução Klauss Brandini Gerhardt. São Paulo: Paz e Terra, 1999. p. 169.

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo: comentários sobre a sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997. p. 24.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Sobrevivência dos vaga-lumes. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011. p. 42.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1988. p. 151-152.

FOUCAULT, Michel. Os Anormais: curso no Collège de France (1974-1975). São Paulo: Martins Fontes, 2011. p. 39-40.

PELBART, Peter Pál. Vida Capital: Ensaios de biopolítica. São Paulo: Iluminuras, 2011. p. 13.

TODOROV, Tzvetan. Introdução à literatura fantástica. Tradução Mary Amazonas Leite de Barros. São Paulo: Perspectiva, 1992. p. 75.

WIERZCHOWSKI, Leticia. A casa das sete mulheres. Rio de Janeiro: Editora Record, 2002.

Downloads

Publicado

24/12/2021

Como Citar

Peliceri da Silva, J. D. (2021). A resistencia de Rosário e as repressões patriarcal, familiar e religiosa no romance histórico A casa das sete mulheres, de Letícia Wierzchowski . VALITTERA - REVISTA LITERÁRIA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS, 1(4), 10–37. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/valit/article/view/6362