Je Ne Suis Pas Une Femme Facile: Feminismo, utopia e distopia em perspectiva comparatista

Autores

Palavras-chave:

utopia, distopia, empoderamento feminino, sociedade patriarcal.

Resumo

A partir da ambivalência utopia versus distopia, este artigo tem como objetivo fazer um estudo de base comparatista entre “Herland- Terra das mulheres” de Charlotte Perkins Gilman e o filme Je Ne Suis Pas Um Homme Facile da diretora francesa Eléonore Pourriat. Para tanto, pretende-se apresentar os papéis femininos elaborados nas obras em destaque que, de alguma forma, corroboram ou contestam os paradigmas femininos tradicionais esperados pela sociedade patriarcal. No caso de Herland, para além dos anacronismos contidos na obra, apresentar-se-ão pontos de transgressão que foram importantes para o pensamento feminista, sobretudo da segunda onda em diante. Já no filme Je Ne Suis Pas Um Homme Facile pretende-se apresentar o empoderamento feminino levado às últimas consequências o que acaba por criar uma tensão distópica do pensamento feminista contemporâneo acerca da equidade de gênero. 

Biografia do Autor

Gislaine Serafim Herrera, Unisan'Anna

Sou graduada em Pedagogia pelo Centro Universitário Sant'Anna, graduanda do curso de Letras pela mesma Instituição, bolsista do programa PIBIC (2019). Atualmente atuo como professora de desenvolvimento infantil no CEI Casa dos Inocentes. Participei como palestrante no X Congresso ICLOC - Práticas na sala de aula, onde pude expor meu trabalho acadêmico " Leitura e escrita - O uso dos gêneros na construção da habilidade leitora escritora. Sou pós graduanda da USP na disciplina Uma Introdução à Literatura Portuguesa.

Alleid Ribeiro Machado, Centro Universitário Sant’Anna

Doutora e Mestre em Letras pela FFLCH/ USP. Pós-doutora em Letras pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Pós-doutora em Letras pela FFLCH/ USP. Professora universitária no Centro Universitário Sant’Anna. E-mail: alleid@alumni.usp.br.

Referências

ARUZZA, Cinzia. Feminismo para os 99%: um manifesto. São Paulo: Boitempo, 2019.

ATWOOD, Margaret. O Conto da Aia. 1ª ed. Canadá: Rocco, 1985.

Escritores de Distopias; Ana Lucia Santana. Disponível em: https://www.infoescola.com/literatura/escritores-de-distopias/. Acessado em 20 de julho de 2019.

FIGUEIREDO, Carolina. Artigo: Da utopia à distopia: política e liberdade. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/EUTOMIA/article/view/1821. Acesso em: 16 de setembro de 2019.

GILMAN, Charlotte Perkins. Terra das Mulheres. 1ª ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos. 2018.

MACHADO, Alleid R. Formas de representação feminina nos teen chick lits: um estudo em torno d’O diário da princesa. Revista Comunicação, Mídia e Consumo [ESPM], São Paulo, V. 14, N. 39, p. 90-110, jan/abr.2017.

MORE, Thomas. A Utopia. 2ª ed. São Paulo-SP: Martins Claret, 2000.SAINI, Angela. Inferior é o Caralho. Tradução de Giovanna Louise Libralon. Rio de Janeiro: Darkside Books, 2018.

Downloads

Publicado

2021-12-28

Como Citar

Herrera, G. S., & Ribeiro Machado, A. . (2021). Je Ne Suis Pas Une Femme Facile: Feminismo, utopia e distopia em perspectiva comparatista. VALITTERA - REVISTA LITERÁRIA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS, 1(4), 251–266. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/valit/article/view/6440