CENÁRIOS E PRAGMATISMO AMBIENTAL NA REGIÃO CENTRO SUL DO MATO GROSSO DO SUL: ENSAIOS E PESQUISAS INERENTES À QUALIDADE AMBIENTAL

Vladimir Aparecido Santos

Resumo


Serão discutidos brevemente, neste artigo, assuntos inerentes ao meio ambiente, a partir dos conceitos relativos aos estudos da ciência Geográfica, ciência esta que evidencia o espaço como sendo o locus da re/produção das relações sociais. Por causa das atividades socioeconômicas que são elaboradas, reelaboradas e realizadas em um determinado espaço, atividades estas resultam negativamente nos aspectos do ambiente natural e da qualidade de vida humana, então a Geografia, com seus métodos de trabalho, bem como suas respectivas observações no que tange às organizações socioculturais, é uma ciência que propõe discussões e práticas acerca dos processos de Avaliação de Impacto Ambiental, instrumento técnico que visa contribuir com os esforços de preservação, compensação e regulamentação dos usos de recursos naturais.


Palavras-chave


espaço, meio ambiente, Mato Grosso do Sul (MS), pesquisas.

Texto completo:

PDF

Referências


AMORIM, M. C. C. T.; MONTEIRO, A. Episódios extremos de precipitação e a fragilidade dos ambientes urbanos: exemplos de Portugal e do Brasil. I Congresso Internacional, V Encontro Nacional de Riscos, 2009. Disponível em < http://repositorio-aberto.up.pt/handle/10216/21415?mode=full&submit_simple=Mostrar+registo+em+formato+completo>. Acesso em: 03 de janeiro de 2013.

BRANDÃO, A.M.P.M. Tendências e Oscilações Climáticas na Área Metropolitana do Rio de Janeiro. 1987, 187f. Dissertação (Mestrado em Geografia). Faculdade de Letras, Filosofia e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1987.

BRASIL. Lei 12.305, de 02 de Agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei n° 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Brasília, 2 de agosto de 2010; 189° da Independência e 122° da República.

BRYANT, E. Natural hazards. New York: Cambridge, Second Edition, 2005. 330 p.

CAMARGO, L. H. R. A ruptura do meio ambiente: conhecendo as mudanças ambientais do planeta através de uma nova percepção da ciência: a Geografia da complexidade. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

CAPRA, F. A Teia da Vida: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. São Paulo : Cultrix, 1996. 256 p.

CASARA, A. C. Direito Ambiental do Clima e Créditos de Carbono. Curitiba: Jurua, 2009.

EICHENBERG, F. O. Turismo de Natureza no município de Jardim, MS: possibilidades e conflitos. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Federal da Grande Dourados-UFGD, Dourados, MS, 2013.

FERREIRA, L. F. Acepções recentes do conceito de lugar e suas importâncias para o mundo contemporâneo. Território, Rio de Janeiro, n. 9, p.65-83, jul./dez. 2000.

FIGUEIRÓ, A. S. Tradição e mudança em geografia física: apontamentos para um diálogo interno. In: FIGUEIRÓ, A. S. e FOLETO, E. (org.). Diálogos em geografia física. Santa Maria: UFSM, 2011, 208p.

GOMES, M. A. S.; SOARES, B. R. Reflexões sobre qualidade ambiental urbana. Estudos Geográficos, 2(2): p. 21-30, jul-dez, 2004.

GOMES, S. T. Clima urbano de Dourados (MS): uma análise a partir do processo de urbanização. 2012. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Federal da Grande Dourados-UFGD, Dourados, MS, 2012.

HARVEY, D. A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume, 2005.

LEFF, Henrique. Epistemologia ambiental. São Paulo, Cortez Editora, 2001.

LOMBARDO, M. A. Ilha de calor nas metrópoles: o exemplo de São Paulo. São Paulo, Huritec, 1985.

MARQUES, J. P. A. Diagnóstico e análise das condições dos resíduos sólidos urbanos de Dourados (MS). 2011, 142f. Dissertação (Mestrado em Geografia). Faculdade de Ciências Humanas, Universidade Federal da Grande Dourados-UFGD, Dourados, MS, 2011.

MINAKI, C.; AMORIM, M. C. C. T. Espaços urbanos e qualidade ambiental – um enfoque da paisagem. Revista Formação, nº14 volume 1 – p. 67-82, 2002. Disponível em: http://www4.fct.unesp.br/pos/geo/revista/artigos/. Acessado em: 03 de janeiro de 2013.

MONTEIRO, C. A. F. Teoria e clima urbano. São Paulo, USP/FFLCH, Tese (Livre-Docência), 1976.

MOURA, M. A. P. Abordagem epistemológica da gestão ambiental. I Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental. Bauru-SP, 2010. Disponível em . Acesso em: 27 de dezembro de 2012.

NEDER, R. T. Crise socioambiental: Estado & sociedade civil no Brasil (1982-1998). São Paulo : Annablume, FAPESP, 2002. 438 p.

NUNES, P. H. F. Mineração, meio ambiente e desenvolvimento sustentável: aspectos jurídicos e sócio-econômicos, 2010. Disponível em: . Acesso em: 01 dez. 2012.

PINTO JUNIOR, S. C.; BEREZUK, A. G. E SILVA, C. A. A incidência de doenças respiratórias: correlações entre a expansão da cana-de-açúcar nos municípios de Nova Andradina; Rio Brilhante e Maracajú e características climáticas. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM GEOGRAFIA. Anais de evento. Campinas: X ENANPEGE, 2013, p. 9146-9154.

PINTO JUNIOR, S. C. A incidência de Doenças respiratórias: correlações entre a expansão da cana-de-açúcar nos municípios de Nova Andradina; Rio Brilhante e Maracajú e características climáticas. Dissertação de Mestrado em Geografia. Dourados, MS: UFGD, 2014.

SANTOS, D. A reinvenção do espaço: diálogos em torno da construção do significado de uma categoria. São Paulo. Unesp, 2002.

SANTOS, M. Por uma geografia nova: da critica da geografia a uma geografia crítica. 4. ed. São Paulo: Hucitec, 1996.

___________. A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção. 4. ed. 2. reimpressão - São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2006.

SANTOS, V. A. Dinâmica Climática e Poluição Atmosférica na cidade de Dourados (MS). Monografia em Geografia. Dourados, MS: UFGD, 2011.

___________. A Qualidade do ar de Dourados (MS): uma contribuição aos estudos de Clima Urbano com foco no Subsistema Físico-Químico. Dissertação de Mestrado em Geografia. Dourados, MS: UFGD, 2014.

SANTOS, V. A.; SILVA, C. A. O clima de Dourados (MS) e a proposição de um roteirometodológico simples para entender a poluição atmosférica de áreas urbanas. REVISTA GEONORTE, Edição Especial, V.2, N.4, p.969 – 982, 2012. SANTOS, V. A.; SILVA, C. A. Possibilidade metodológica de avaliação da qualidade do ar através do sistema operacional 3D online CCATT-BRAMS: a cidade de Dourados/MS no foco de análise. Eixo II – Variabilidades e alterações climáticas. XV Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada: uso e ocupação da terra e as mudanças das paisagens. Vitória (ES). UFES, Julho de 2013.

________________________. Abordagens climatológicas e Geografia da Saúde: espacialização de poluentes atmosféricos e suas relações com as morbidades hospitalares por infecção do trato respiratório nos habitantes de Dourados (MS) no período de 2008 a 2012. In: X-ENANPEGE, 2013, Campinas (SP). X-ENANPEGE: Geografias, Políticas Públicas e Dinâmicas Territoriais. UFGD, v. 1. p. 9134-9145, 2013.

SCHNEIDER, H. Regime e excepcionalidades pluviométricas na Microrregião de Dourados e seus impactos socioambientais no período de 1980 a 2012. Dissertação de Mestrado em Geografia. Dourados, MS: UFGD, 2014.

SOARES, N. K. C. Diagnóstico das áreas de destinação dos resíduos sólidos urbanos na bacia hidrográfica do Rio Ivinhema / MS. 2013. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Federal da Grande Dourados-UFGD, Dourados, MS, 2013.

VEDANA, T. E. A relação homem-naureza na bacia do rio São João: subsídios para a gestão dos recursos hídricos superficiais do município de Ponta Porã (MS). 2011. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Federal da Grande Dourados-UFGD, Dourados, MS, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 GEOFRONTER

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.