(Con)tradição e (des)caminhos: teatro e sociedade em Nossa Vida Não Vale Um Chevrolet, de Mário Bortolotto

Gracy Kely Nonato Ruiz, Wagner Corsino Enedino

Resumo


A contemporaneidade, rompendo com valores tradicionais e abrindo espaço para novos estilos e estética, possibilitou outros (des)caminhos no meio artístico, em que a arte está cada vez mais próxima da realidade. Nesse sentido, o teatro também inovou, especialmente, sobre sua função social; trazendo para o proscênio temas que representam as diferentes camadas de uma sociedade em constante transformação. Com efeito, ancorando-se nas contribuições de Magaldi (1998), Ryngaert (1996) e Pallottini (1989) acerca das noções que configuram o discurso teatral; nos estudos de Enedino (2009) sobre o conceito de marginalidade e nos pressupostos teóricos de Lins (1990) e Ginzburg (2012) no que se refere ao conceito de violência, o objetivo deste trabalho é refletir sobre a constituição das personas inscritas na peça Nossa vida não vale um Chevrolet (2008), do dramaturgo paranaense Mario Bortolotto. Estão contempladas no texto questões de poder e representações sociais a partir dos discursos das personagens, em consonância com os pressupostos teóricos de Ubersfeld (2005). Cumpre destacar que o presente artigo busca, como princípio analítico, a compreensão dos modos de estruturação do projeto estético de Bortolotto, que, influenciado pelo cinema, música e pela cultura beatnik, aproxima-se dos considerados outsiders.

 


Palavras-chave


Teatro brasileiro contemporâneo; personagem; marginalidade.

Texto completo:

PDF

Referências


BORTOLOTTO, Mário. Nossa vida não vale um Chevrolet. São Paulo: Via lettera, 2008.

_______. Seis peças de Mário Bortolotto. São Paulo: s.e., 1997.

CANDIDO, Antonio. Literatura e sociedade: estudos de teoria e história literária. 7 ed. São Paulo: Ed. Nacional, 1985.

D’ONOFFRIO, Salvatore. Forma e sentido do texto literário. São Paulo: Ática, 2007.

_______. Metodologia do trabalho intelectual. São Paulo: Atlas, 1999.

EAGLETON, Terry. Teoria Literária: uma introdução. Tradução Waltensir Dutra. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

ENEDINO, Wagner Corsino. Entre o limbo e o gueto: literatura e marginalidade em Plínio Marcos. Campo Grande: Editora UFMS, 2009.

FARIA, João Roberto. O teatro na estante. São Paulo: Ateliê, 1998.

GINZBURG, Jaime. Crítica em tempos de violência. São Paulo: Edusp; Fapesp, 2012.

LINS, Ronaldo Lima. Violência e literatura. Rio de Janeiro: Tempo brasileiro, 1990.

MAGALDI, Sábato. Iniciação ao teatro. 7. ed. São Paulo: Ática, 1998.

_______. Panorama do teatro brasileiro. 6. Ed. São Paulo: Global, 2004.

PALLOTTINI, Renata. Dramaturgia: a construção do personagem. São Paulo: Ática, 1989.

PASCOLATI, Sonia. O Artista e o estado da arte na mira de Mario Bortolotto. In: DA SILVA, Agnaldo; ENEDINO, Wagner Corsino. (Orgs.). Do texto à cena – entre o teatro grego e o moderno teatro brasileiro. Campinas-SP: Pontes Editores, 2014, p. 255-283.

PRADO, Décio de Almeida. A personagem no teatro. In: CANDIDO, Antonio. A personagem da ficção.[et. al]. São Paulo: Perspectiva, 2009, p. 81-101.

RYNGAERT, Jean-Pierre. Ler teatro contemporâneo. Tradução de Andréa Stahel M. da Silva. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

SCHILLER, Friedrich. Teoria da tragédia. Introdução e notas de Anatol Rosenfeld. São Paulo: EPU, 1991.

UBERSFELD, Anne. Para ler o teatro. Tradução de José Simões. São Paulo: Perspectiva, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS



ISSN 2179-4456

contador de acesso