MONITORAMENTO TEMPORAL DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM UMA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL

Visualizações: 954

Autores

  • Leandro Félix da Silva Programa de Pós-Graduação em Geografia. Universidade Federal do Mato Grosso do Sul – UFMS.
  • Edwaldo Henrique Bazana Barbosa Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - UEMS.
  • Elias Rodrigues da Cunha
  • Vitor Matheus Bacani Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS.

Palavras-chave:

Geotecnologia, Legislação, Unidade de Conservação

Resumo

O objetivo deste estudo foi avaliar e quantificar o grau de preservação das Áreas de Preservação Permanente (APP) da Área de Proteção Ambiental (APA) Municipal do Rio Perdido no município de Porto Murtinho no estado de Mato Grosso do Sul utilizando mapa de uso da terra e cobertura vegetal para os anos de 1989 e 2011 através de técnicas de geoprocessamento e produtos de sensoriamento remoto. Os procedimentos metodológicos fundamentaram-se nas técnicas de processamento digital de imagens descritas por Florenzano (2011), Novo (2008), e Jensen (2009), nos Artigos 2° e 3° da Lei nº 12.651/2012, e Resolução CONAMA 303/02. Os resultados demonstraram que as Áreas de Preservação Permanente (APP), não estão sendo devidamente preservadas desde o ano de 1989 e que houve um aumento no desmatamento no ano de 2011, demonstrando a importância do monitoramento destas áreas e o uso das geotecnologias como uma ferramenta de fiscalização e monitoramento ambiental.

Biografia do Autor

Leandro Félix da Silva, Programa de Pós-Graduação em Geografia. Universidade Federal do Mato Grosso do Sul – UFMS.

Bacharel em Geografia e atualmente aluno do Programa de Pós-Graduação de Mestrado em Geografia, pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Tem experiência na área de Geografia Física e Geotecnologias atuando principalmente nos seguintes temas: Biogeografia, Geoprocessamento, Sensoriamento Remoto, Sistemas de Informações Geográficas (SIG), direcionados aos estudos ambientais.

Edwaldo Henrique Bazana Barbosa, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - UEMS.

Geógrafo pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS/CPAQ, Mestre em Geografia (Análise Geoambiental e Produção do Território) pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS/CPTL e Doutorando em Tecnologias Ambientais, na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS/FAENG. Atualmente é Professor Substituto e coordenador do Laboratório de Geoprocessamento (LAGEO) na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul. Atua principalmente nas áreas de Sensoriamento Remoto, Geoprocessamento, Monitoramento de Recursos Hídricos Superficiais, Legislação Ambiental e Análise Geoambiental.

Elias Rodrigues da Cunha

Possui graduação em Geografia bacharelado pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul- CPAq (2012), mestrado em Geografia UFMS/CPTL (2015). Atualmente é técnico do laboratório de Geoprocessamento na UFMS/CPAq, onde participa de pesquisas nas áreas relacionadas as Geotecnologias e Geografia Física nos seguintes temas: Sensoriamento Remoto, SIG, Geoprocessamento, Geomorfologia, Bacia Hidrográfica, Perdas de Solo, Legislação Ambiental e Zoneamento Ambiental.

Vitor Matheus Bacani, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS.

Possui Licenciatura Plena e Bacharelado em Geografia pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS/CPTL (2005), mestrado em Geografia pela UFMS/CPAQ (2007) e doutorado em Geografia Física pela Universidade de São Paulo (FFLCH/USP). É Professor Adjunto da UFMS/CPTL e atua nos Programas de Mestrado em Geografia da UFMS dos Campi de Aquidauana e Três Lagoas. É pesquisador membro associado do LETG-Rennes-COSTEL da Université de Rennes 2, França. Tem experiência nas áreas de Sensoriamento Remoto, Sistemas de Informação Geográfica, Bacias Hidrográficas, Pedologia, Zoneamento Ambiental, Ordenamento Territorial e Pantanal.

Referências

ARCGIS/ARCINFO – Esri Inc. ArcGis Version 10. Environmental Systems Research Institute Inc. New York. 1 Cd Rom. 2012.

BRASIL. Resolução Conama n° 302, de 20 de março de 2002 - Conselho Nacional de Meio Ambiente. Dispõe sobre os parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente de reservatórios artificiais e o regime de uso do entorno. Brasília, DF, 2002.

BRASIL. Lei nº 9.985 de 18 de julho de 2000 (Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza - SNUC) regulamentou os incisos I, II, III e VII do parágrafo 1º do art. 225 da Constituição Federal, ao estabelecer os critérios e normas para a criação, implantação e gestão das unidades de conservação. Brasília, DF, 2000.

BRASIL. Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 28 mai. 2012.

CECCATO, V. A. Proposta metodológica para avaliação da qualidade de vida urbana a partir de dados convencionais e de sensoriamento remoto, sistema de informações geográficas e banco de dados georrelacional. 136p. Dissertação (Mestrado em Sensoriamento Remoto) – Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, São José dos Campos, 1994.

DIRETORIA DO SERVIÇO GEOGRÁFICO DO EXÉRCITO (DSG) – Folha SF-21-V-D-VI. Colônia São Lourenço. Escala 1:100.000. Primeira impressão, 1966.

DIRETORIA DO SERVIÇO GEOGRÁFICO DO EXÉRCITO (DSG) – Folha SF-21-X-C-IV. Fazenda Margarida. Escala 1:100.000. Primeira impressão, 1966.

DIRETORIA DO SERVIÇO GEOGRÁFICO DO EXÉRCITO (DSG) – Folha SF-21-X-C-I. Rio Perdido. Escala 1:100.000. Primeira impressão, 1966.

DURIGAN, Giselda et. al. Manual para recuperação da vegetação de cerrado. 3. ed. rev. e atual. São Paulo: SMA, 2011.

ESCADA, M. I. S. Utilização de técnicas de sensoriamento remoto para o planejamento de espaços livres urbanos de uso coletivo. 133p. Dissertação (Mestrado em Sensoriamento Remoto) – Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, São José dos Campos, 1992.

FORESTI, C. Avaliação e monitoramento ambiental da expansão urbana do setor oeste da área metropolitana de São Paulo: análise de dados e técnicas de sensoriamento remoto. 173p. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade de São Paulo, São Paulo. 1986.

FORESTI, C; PEREIRA, M. D. B. Utilização de índices vegetativos obtidos com dados do sistema Landsat TM no estudo da qualidade ambiental urbana: cidade de São Paulo. São José dos Campos, SP: INPE. 18p. 1987.

FLORENZANO, T. G. Iniciação em sensoriamento remoto. 3 ed. ampl. São Paulo: Oficina de Textos, 79p. 2011.

HAALA, N.; BRENNER, C. Extraction of buildings and trees in urban environments. ISPRS Journal of Photogrammetry and Remote Sensing, v. 54, p. 130-137, 1999.

JENSEN, J. R. Sensoriamento remoto do ambiente: uma perspectiva em recursos terrestres. Tradução da 2ed. por: EPIPHANIO, J. C. N. (coord.); FORMAGGIO, A. R; SANTOS, A. R; RUDORFF, B. F. T; ALMEIDA, C. M; GALVÃO, L. S. São José dos Campos: Parêntese. 672p. 2009.

KÖPPEN, W. Climatologia: con un estudio de los climas de la tierra. México: Fondo de Cultura Economica. 478 p. 1948.

LANGLEY, S. K.; CHESHIRE, H. M.; HUMES, K. S. A Comparison of Single Date and Multitemporal Satellite Image Classifications in a Semi-Arid Grassland. Journal of Arid Environments, v. 49, nº. 2, 2001.

LENNEY, M. P.; WOODCOCK, C. E.; COLLINS, J. B.; HAMDI, H. The Status of Agricultural Lands in Egypt: The Use of Multitemporal NDVI Features Derived from Landsat TM. Remote Sensing of Environment, v. 56, nº.1, 1996.

MASELLI, F. Monitoring Forest Conditions in a Protected Mediterranean Coastal Area by the Analysis of Multiyear NDVI Data. Remote Sensing of Environment, v. 89, nº. 4, 2004.

MATO GROSSO DO SUL. Edital de Notificação: Órgãos gestores de Unidades de Conservação e proprietários de RPPN. Diário Oficial do Estado de Mato Grosso do Sul nº. 9.132 de 28 de março de 2016. Campo Grande, MS. 2016.

NOVO, E. M. L. M. Sensoriamento remoto: princípios e aplicações. São Paulo: Blucher, 363p., 2008.

PORTO MURTINHO. Decreto Municipal nº. 3.107 de 2005. Prefeitura Municipal de Porto Murtinho. 2005.

POTT, A.; POTT, V. J. Plantas nativas para recuperação de áreas degradadas e reposição de vegetação em Mato Grosso do Sul. (Embrapa Gado de Corte. Comunicado Técnico 75). Campo Grande: Embrapa Gado de Corte, 2003.

SILVA, A. de B. Sistemas de Informações Geo-referenciadas: conceitos e fundamentos. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2003.

Downloads

Publicado

2016-09-28

Como Citar

da Silva, L. F., Bazana Barbosa, E. H., da Cunha, E. R., & Bacani, V. M. (2016). MONITORAMENTO TEMPORAL DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM UMA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL. GEOFRONTER, 2(1). Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/GEOF/article/view/1160

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)