ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DE CLASSIFICADORES SUPERVISIONADOS NO MAPEAMENTO DE USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL

Visualizações: 563

Autores

  • Leandro Félix da Silva Programa de Pós-Graduação em Geografia. Universidade Federal do Mato Grosso do Sul – UFMS.
  • Edwaldo Henrique Bazana Barbosa UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL
  • Elias Rodrigues da Cunha Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS.
  • Vitor Matheus Bacani Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS.

Palavras-chave:

Geotecnologia, Bhattacharrya, Maxver

Resumo

O objetivo deste trabalho foi analisar o desempenho de dois classificadores supervisionados, o primeiro por pixel utilizando o algoritmo de Máxima Verossimilhança (MAXVER) e o segundo, o algoritmo Bhattacharrya por regiões para análise do desempenho em imagens do satélite LANDSAT-5/TM no mapeamento do uso da terra e cobertura vegetal da bacia hidrográfica do córrego Mangueirão, no município de Aquidauana-MS. Os procedimentos metodológicos fundamentaram-se nas técnicas de processamento digital de imagens descritas por Florenzano (2011), Novo (2008), e Jensen (2009), tendo a matriz Kappa e a Acurácia Global como referência para validação e qualificação do mapeamento. Os resultados destacaram a eficiência do classificador Bhattacharrya como um importante instrumento de análises multitemporais entre os anos de 1988 e 2011, na bacia hidrográfica do córrego Mangueirão.

Biografia do Autor

Leandro Félix da Silva, Programa de Pós-Graduação em Geografia. Universidade Federal do Mato Grosso do Sul – UFMS.

Bacharel em Geografia e atualmente aluno do Programa de Pós-Graduação de Mestrado em Geografia, pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Tem experiência na área de Geografia Física e Geotecnologias atuando principalmente nos seguintes temas: Biogeografia, Geoprocessamento, Sensoriamento Remoto, Sistemas de Informações Geográficas (SIG), direcionados aos estudos ambientais.

Edwaldo Henrique Bazana Barbosa, UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL

Geógrafo pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS/CPAQ, Mestre em Geografia (Análise Geoambiental e Produção do Território) pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS/CPTL e Doutorando em Tecnologias Ambientais, na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS/FAENG. Atualmente é Professor Substituto e coordenador do Laboratório de Geoprocessamento (LAGEO) na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul. Atua principalmente nas áreas de Sensoriamento Remoto, Geoprocessamento, Monitoramento de Recursos Hídricos Superficiais, Legislação Ambiental e Análise Geoambiental.

Elias Rodrigues da Cunha, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS.

Possui graduação em Geografia bacharelado pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul- CPAq (2012), mestrado em Geografia UFMS/CPTL (2015). Atualmente é técnico do laboratório de Geoprocessamento na UFMS/CPAq, onde participa de pesquisas nas áreas relacionadas as Geotecnologias e Geografia Física nos seguintes temas: Sensoriamento Remoto, SIG, Geoprocessamento, Geomorfologia, Bacia Hidrográfica, Perdas de Solo, Legislação Ambiental e Zoneamento Ambiental.

Vitor Matheus Bacani, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS.

Possui Licenciatura Plena e Bacharelado em Geografia pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS/CPTL (2005), mestrado em Geografia pela UFMS/CPAQ (2007) e doutorado em Geografia Física pela Universidade de São Paulo (FFLCH/USP). É Professor Adjunto da UFMS/CPTL e atua nos Programas de Mestrado em Geografia da UFMS dos Campi de Aquidauana e Três Lagoas. É pesquisador membro associado do LETG-Rennes-COSTEL da Université de Rennes 2, França. Tem experiência nas áreas de Sensoriamento Remoto, Sistemas de Informação Geográfica, Bacias Hidrográficas, Pedologia, Zoneamento Ambiental, Ordenamento Territorial e Pantanal.

Referências

BORGES, M. H; PFEIFER, R. M; DEMATTÊ, J.A.M. Evolução e Mapeamento do Uso da Terra, através de Imagens Aerofotogramétricas e Orbitais em Santa Bárbara D'oeste (SP). In: Sci. agric., Piracicaba, 50(3): 365-371, out./dez., 1993.

CROSTA, A. P. Processamento Digital de Imagens de Sensoriamento Remoto. Campinas, SP: Instituto de Geociências/UNICAMP, 1992.

CROSTRA, A. P. Processamento digital de imagens de sensoriamento remoto. 4 ed. rev. Campinas: Instituto de Geografia – UNICAMP. p.164. 2002.

FLORENZANO, T. G. Iniciação em sensoriamento remoto /Tereza Gallotti Florenzano.3 ed.ampl. e atual. São Paulo: Oficina de Textos, p, 71-79, 2011.

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE), Tutorial Spring 5.1.8. Disponível:

JENSEN, J. R. Sensoriamento remoto do ambiente: uma perspectiva em recursos terrestres. Tradução da 2ed. por: EPIPHANIO, J. C. N. (coord.); FORMAGGIO, A. R; SANTOS, A. R; RUDORFF, B. F. T; ALMEIDA, C. M; GALVÃO, L. S. São José dos Campos: Parêntese. 672p. 2009.

LANDIS, J.R.; KOCH, G.G. The measurement of observer agreement for categorical data. Biometrics, v.33, n. 1. p. 159-174, 1977.

MACEDÔNIO, R.S. Introdução ao Geoprocessamento, conceitos, técnicas e aplicações, Novo Hamburgo: Feevale. p.103, 2007.

MOREIRA, M. A. Fundamentos do sensoriamento e metodologias de aplicação. 4.ed. atual.e ampl. Ed. UFV, 422p. Viçosa-MG: 2011.

NOVO, E. M. L. M. Sensoriamento remoto: princípios e aplicações. São Paulo: Blucher, 363p. 2008.

SEMAC. ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL. Disponível:<http://www.semac.ms.gov.br/controle/Showfile.php?id=69460. Acesso em: 31 de outubro de 2011.

STEINER, D. Time dimension for crop surveys from space. Photogrammetric Enginnering. Falls Church, v.36, n.2, p.187-194. 1970.

VALERIANO, M. de M. TOPODATA: guia de utilização de dados geomorfométricos locais. São José dos Campos: INPE, 2008.

Downloads

Publicado

2016-12-20

Como Citar

da Silva, L. F., Bazana Barbosa, E. H., da Cunha, E. R., & Bacani, V. M. (2016). ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DE CLASSIFICADORES SUPERVISIONADOS NO MAPEAMENTO DE USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL. GEOFRONTER, 1(2). Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/GEOF/article/view/1161

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)