RECUPERAÇÃO E PROTEÇÃO DE NASCENTES: O CASO DA COMUNIDADE PALMITAL 43, MUNICÍPIO DE MATO RICO – PR

Fernando Henrique Villwock, Dener Elivelton Ciboto, Jefferson de Queiroz Crispim, Rafael Willwock

Resumo


O presente trabalho está vinculado ao projeto 171/2014 da Secretaria do Estado, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná, programa Universidade Sem Fronteiras e teve por objetivo promover a melhoria na qualidade de vida dos agricultores familiares a partir de práticas de recuperação e proteção de nascentes e Educação Ambiental, vindo a beneficiá-los, através da melhoria da qualidade da água consumida. Neste sentido, o artigo apresenta os trabalhos de melhoria da água potável por meio da proteção de nascentes utilizando a técnica do solo-cimento desenvolvidos em 04 propriedades de agricultores familiares da Comunidade rural Palmital 43 localizado no município de Mato Rico - PR, que utilizavam a água diretamente de nascentes para consumo doméstico e produção agropecuária. Os resultados obtidos foram: a redução de elementos microbiológicos e a sensibilização das famílias em relação à proteção do meio ambiente.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, L. A.; NADER FILHO, A.; ROSSI JUNIOR, O. D. Água de consumo humano como fator de risco à saúde em propriedades rurais. Revista de Saúde Pública. V. 37, n. 4, 2003.

BRIDGMAN, S. A.; ROBERTSON R. M. P.; SYED Q.; SPEED N.; ANDREWS N. Outbreak of cryptosporidiosis associated with a disinfected groundwater supply. Epidemiol Infect. 1995. In: AMARAL, L. A.; NADER FILHO, A.; ROSSI JUNIOR, O. D. Água de consumo humano como fator de risco à saúde em propriedades rurais. Revista de Saúde Pública. V. 37, n. 4, 2003.

BORGES, M. das. G. M. SANTOS, E. da C. Educação Ambiental como Articuladora para a Gestão Ambiental do Território: a preservação das nascentes do Igarapé do Mindu – Manaus. REVISTA GEONORTE, Edição Especial, V.3, N.4, p. 114-126, 2012.

BRASIL. LEI 2.914. Lei de Educação Ambiental. Casa Civil. Brasília, DF, 2011. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l2914.htm. Acesso em 10/09/2013.

BRASIL. Ministério da saúde. Secretaria da Vigilância da Saúde. Coordenação- Geral da Vigilância em Saúde Ambiental. Portaria MS nº 518/2004. Brasília – DF. Editora do Ministério da Saúde. 2005.

DOMINGUES, Vanessa Oliveira. Contagem de bactérias heterotróficas na água para consumo humano: Comparação entre duas metodologias. Revista Saúde, Santa Maria, vol 33, n 1: p 15-19, 2007. Disponível em: http://cascavel.cpd.ufsm.br/revistas/ojs2.2.2/index.php/revistasaude/article/download/6458/3926. Acesso em 22/2/2014.

IBGE. Estimativas Populacionais do Brasil, Grandes Regiões, Unidades da Federação e Municípios. Rio de Janeiro, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2010.

IPARDES. Caderno estatístico município de Iretama. Curitiba – PR: IPARDES, 2013.

KEPNER, C. H.; TREGOE, B. B. O administrador racional. São Paulo: Atlas, 1981.

MERTEN, G. H.; MINELLA, J. P. Qualidade da água em bacias hidrográficas rurais: um desafio atual para a sobrevivência futura. Revista: Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável. Porto Alegre, v.3, n.4, out/dez. 2002.

OMS. Estrategia Mundial de Salud para todos en el ano 2000. Genebra, 1981.

RIBEIRO, J. W.; ROOKE, J.M.S. Saneamento básico e sua relação com o meio ambiente e a saúde pública. Curso de especialização em análise ambiental. Universidade Federal de Juiz de Fora. Juiz de Fora, MG. 2010.

RODERJAN, C. V., GALVÃO, F., KUNIYOSHI, Y. S. & HATSCHBACH, G. G. As unidades fitogeográficas do Estado do Paraná. Ciência & Ambiente. P. 75 – 92. 2002.

STUKEL T. A.; GREENBERG E. R.; DAIN, B. J.; REED, F. C.; JACOBS, N. J. A longitudinal study of rainfall and coliform contamination in small community drinking water supplies. Environ SCITECHNOL1990; 24h57min-5.

VON SPERLING, M. Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. Princípios do tratamento biológico das águas residuárias. Volume 1. 3º Edição. Belo Horizonte – MG. Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental. 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 GEOFRONTER

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.