EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL NA PRAÇA SOB A ÓTICA DA GEOGRAFIA

Tânia Peres de Oliveira, Fabio Alvarenga Peixoto

Resumo


Os espaços educativos não formais representam instâncias difusoras de conhecimento, catalisadores de motivação e interesse, tanto para alunos quanto para professores. Iniciativas em educação ambiental podem contribuir para promover uma maior interação do homem com o meio ambiente e dessa forma amenizar os prejuízos causados por essa relação. A praça pode servir de material para o desenvolvimento de programas em educação ambiental com o envolvimento dos professores e dos alunos. O presente trabalho teve por objetivo promover uma discussão teórica sobre a educação não formal, seus desdobramentos no processo de ensino e aprendizagem, a importância dos espaços públicos, em especial a praça, na promoção da educação ambiental e a contribuição da Ciência Geográfica na formação/construção de um ser humano mais consciente, sensível e crítico com as questões socioambientais.

Palavras-chave


Espaço não formal; Cidade; Prática Educativa

Texto completo:

PDF

Referências


ADAMS. B. G. O que é Educação Ambiental? 2005. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2018.

AFONSO, A. J. Sociologia da educação não formal: Reactualizar um objecto ou construir uma nova problemática? In: A. J. ESTEVES; S. R. STOER (Orgs.); A sociologia na escola. p.83–96, Porto: Afrontamento, 1989.

ALEX, S. Projeto da praça: convívio e exclusão no espaço público. São Paulo: SENAC, 2008.

BRASIL, Secretaria de Educação Básica. Orientações Curriculates de Ensino Médio. Brasília: MEC; SEB, 2004, 399p.

CAPUTO, P. La arquitectura del espacio público entre el cuidado del lugar y las figuras de la Tradición. In: CAPUTO, P. (Org.). La arquitectura del espacio público: formas del pasado, formas del presente. Sevilla: Triennale di Milano: Junta de Andalucía. 1999. p. 13-19.

CARLOS, A. F. A. O espaço urbano: novos escritos sobre a cidade. São Paulo: Labur, 2007.

CARVALHO. Z. S. Educação não formal: a aprendizagem promovida pela sociedade civil. In: Manual de métodos de promoção da aprendizagem para a educação não-formal. Financiado pela União Europeia. 2012. Disponível em: .

CAVALHEIRO, F.; NUCCI, J. C.; GUZZO, P.; ROCHA, T. Y. Proposição de terminologia para o Verde Urbano. Boletim Informativo da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, Rio de Janeiro, n. 3, p. 7, jul/ago/set. de 1999.

COOMBS, P. A crise mundial da Educação: uma análise de sistemas. São Paulo: Perspectiva, 1986.

CORNELI, V. M. A Praça no contexto de pequenas cidades na microrregião de Campo Mourão – PR. 2013. 309 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2013.

DE ANGELIS, B. L. D.; ANGELIS NETO, G.; BARROS, G. D. A.; BARROS, R. D. A. Praças: história, usos e funções. Maringá: EDUEM, 2005. (Coleção Fundamentum, 15).

DIAS, G.F. Atividades interdisciplinares de educação ambiental. São Paulo: Global, 1994.

EIDELWEIN. M. Pagel; AMIEL. Tel. Construindo uma tipologia para categorizar atividades em espaços híbridos. Simpósio internacional de educação à distância. Encontro de pesquisadores em educação a distância. Universidade de São Carlos. 2016. Disponível em: < http://sistemas3.sead.ufscar.br/ojs/index.php/2016/article/viewFile/1757/747>. Acesso em: 12 jul.2018.

GADOTTI, M. A questão da educação formal/não-formal. Droit à l’education: solution à tous les problèmes sans solution? Institut International des droits de l’enfant, Sion, 2005. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2018.

GARCIA, V. A. A Educação não-formal como acontecimento. Universidade Estadual de Campinas- SP. 2009. p. 53–64 f. (Tese de Doutorado) – PUC – Campinas, SP, São Paulo, 2009.

GOHN, M. G. Educação não-formal, participação da sociedade civil e estruturas colegiadas nas escolas. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v.14, n.50, p. 27-38. 2006. Disponível em: . Acesso em: 09 jul. 2018.

GOHN, Maria da Glória. Não-fronteiras: universos da educação não-formal. São Paulo, Itaú Cultural, 2007. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2018.

JACOBUCCI, D. F. C. Contribuições dos espaços não formais de educação para a formação da cultura científica. Em Extensão, Uberlândia, v. 7, p. 55-66, 2008. Disponível em: < http://www.seer.ufu.br/index. php/revextensao/article/view/20390/10860>. Acesso em: 11 jul. 2018

LOPES, L. M. GODOY, P.; SOUSA, R. C. A educação não formal. 2016. 47 f. Trabalho de Conclusão de Curso Americana, SP. (Graduação em Pedagogia) - Faculdade de Americana Disponível em: . Acesso em: 29 jun. 2018.

PEREIRA, M. M. D. C. E. Praças públicas sustentáveis: caso de renovação das praças. 2008. 142 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura) - Universidade Técnica de Lisboa, Lisboa, 2008.

JÚNIOR, S. C. T.; AMARAL, M. D. B. MALHEIRO, B. C. P. Praticando a Geografia em ambientes não-escolares: uma experiência na orla fluvial de Belém-Pará. Geografia Ensino & Pesquisa, vol. 18, n. 1, jan./abr. 2014.

LEFF, E. Epistemologia Ambiental. 4.ed. São Paulo: Cortez, 2006.

LIBÂNEO, J. C. Pedagogia e pedagogos pra quê? 10 ed. São Paulo: Cortez, 2008.

LOBODA, C. R. Espaço público e práticas socioespaciais: uma articulação necessária para análise dos diferentes usos da cidade. Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, v. 1, n. 31, p. 32-54, 2009.

PEREIRA, M. M. D. C. E. Praças públicas sustentáveis: caso de renovação das praças. 2008. 142 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura) - Universidade Técnica de Lisboa, Lisboa, 2008.

ROBBA, F.; MACEDO, S. S. Praças Brasileiras. Public Squares in Brazil. São Paulo: Edusp/Imprensa Oficial do Estado, 2002.

SEGAWA, H. Ao amor do público: jardins no Brasil. São Paulo: Studio Nobel: FAPESP, 1996.

TRILLA, J. A educación fuera de la escuela: ámbitos no formales y educación social. Barcelona: Ariel, 1996.

TRILLA, J. A educação não formal. In: ARANTES; Valéria Amorim (Org.). Educação formal e não formal. São Paulo: Summus, 2008.

WOOLLEY, H.; ROSE, S.; CARMONA, M.; FREEDMAN, J. The value of public space. London: CABE Space, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 GEOFRONTER

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.