EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL NA PRAÇA SOB A ÓTICA DA GEOGRAFIA

Autores

Palavras-chave:

Espaço não formal, Cidade, Prática Educativa

Resumo

Os espaços educativos não formais representam instâncias difusoras de conhecimento, catalisadores de motivação e interesse, tanto para alunos quanto para professores. Iniciativas em educação ambiental podem contribuir para promover uma maior interação do homem com o meio ambiente e dessa forma amenizar os prejuízos causados por essa relação. A praça pode servir de material para o desenvolvimento de programas em educação ambiental com o envolvimento dos professores e dos alunos. O presente trabalho teve por objetivo promover uma discussão teórica sobre a educação não formal, seus desdobramentos no processo de ensino e aprendizagem, a importância dos espaços públicos, em especial a praça, na promoção da educação ambiental e a contribuição da Ciência Geográfica na formação/construção de um ser humano mais consciente, sensível e crítico com as questões socioambientais.

Biografia do Autor

Tânia Peres de Oliveira, Universidade Estadual de Maringá

Graduada em Geografia pela Universidade Estadual de Maringá. (UEM)

Mestra em Geografia pelo programa de pós graduação em Geografia da Universidade Estadual de Maringá. (UEM)

Fabio Alvarenga Peixoto, Universidade Estadual de Maringá

Graduado em Geografia pela Universidade de Brasília. (UnB)

Mestrando pelo programa de pós graduação da Universidade Estadual de Maringá. (UEM)

Referências

ADAMS. B. G. O que é Educação Ambiental? 2005. Disponível em: <http://www.apoema.com.br/definicoes.htm>. Acesso em: 10 jul. 2018.

AFONSO, A. J. Sociologia da educação não formal: Reactualizar um objecto ou construir uma nova problemática? In: A. J. ESTEVES; S. R. STOER (Orgs.); A sociologia na escola. p.83–96, Porto: Afrontamento, 1989.

ALEX, S. Projeto da praça: convívio e exclusão no espaço público. São Paulo: SENAC, 2008.

BRASIL, Secretaria de Educação Básica. Orientações Curriculates de Ensino Médio. Brasília: MEC; SEB, 2004, 399p.

CAPUTO, P. La arquitectura del espacio público entre el cuidado del lugar y las figuras de la Tradición. In: CAPUTO, P. (Org.). La arquitectura del espacio público: formas del pasado, formas del presente. Sevilla: Triennale di Milano: Junta de Andalucía. 1999. p. 13-19.

CARLOS, A. F. A. O espaço urbano: novos escritos sobre a cidade. São Paulo: Labur, 2007.

CARVALHO. Z. S. Educação não formal: a aprendizagem promovida pela sociedade civil. In: Manual de métodos de promoção da aprendizagem para a educação não-formal. Financiado pela União Europeia. 2012. Disponível em: <http://www.uepaane.org/files/1614/6055/4557/3_Manual_Metodos_de_Promocao_para_a_Aprendizagem_Nao-Formal.pdf>.

CAVALHEIRO, F.; NUCCI, J. C.; GUZZO, P.; ROCHA, T. Y. Proposição de terminologia para o Verde Urbano. Boletim Informativo da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, Rio de Janeiro, n. 3, p. 7, jul/ago/set. de 1999.

COOMBS, P. A crise mundial da Educação: uma análise de sistemas. São Paulo: Perspectiva, 1986.

CORNELI, V. M. A Praça no contexto de pequenas cidades na microrregião de Campo Mourão – PR. 2013. 309 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2013.

DE ANGELIS, B. L. D.; ANGELIS NETO, G.; BARROS, G. D. A.; BARROS, R. D. A. Praças: história, usos e funções. Maringá: EDUEM, 2005. (Coleção Fundamentum, 15).

DIAS, G.F. Atividades interdisciplinares de educação ambiental. São Paulo: Global, 1994.

EIDELWEIN. M. Pagel; AMIEL. Tel. Construindo uma tipologia para categorizar atividades em espaços híbridos. Simpósio internacional de educação à distância. Encontro de pesquisadores em educação a distância. Universidade de São Carlos. 2016. Disponível em: < http://sistemas3.sead.ufscar.br/ojs/index.php/2016/article/viewFile/1757/747>. Acesso em: 12 jul.2018.

GADOTTI, M. A questão da educação formal/não-formal. Droit à l’education: solution à tous les problèmes sans solution? Institut International des droits de l’enfant, Sion, 2005. Disponível em: <http://www.ceap.br/material/MAT26052010212813.pdf>. Acesso em: 10 jul. 2018.

GARCIA, V. A. A Educação não-formal como acontecimento. Universidade Estadual de Campinas- SP. 2009. p. 53–64 f. (Tese de Doutorado) – PUC – Campinas, SP, São Paulo, 2009.

GOHN, M. G. Educação não-formal, participação da sociedade civil e estruturas colegiadas nas escolas. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v.14, n.50, p. 27-38. 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ensaio/v14n50/30405>. Acesso em: 09 jul. 2018.

GOHN, Maria da Glória. Não-fronteiras: universos da educação não-formal. São Paulo, Itaú Cultural, 2007. Disponível em: <http://d3nv1jy4u7zmsc.cloudfront.net/wp-content/uploads/2012/02/000323.pdf>. Acesso em: 10 jul. 2018.

JACOBUCCI, D. F. C. Contribuições dos espaços não formais de educação para a formação da cultura científica. Em Extensão, Uberlândia, v. 7, p. 55-66, 2008. Disponível em: < http://www.seer.ufu.br/index. php/revextensao/article/view/20390/10860>. Acesso em: 11 jul. 2018

LOPES, L. M. GODOY, P.; SOUSA, R. C. A educação não formal. 2016. 47 f. Trabalho de Conclusão de Curso Americana, SP. (Graduação em Pedagogia) - Faculdade de Americana Disponível em: <http://aplicacao.vestibularfam.com.br:881/pergamumweb/vinculos/000001/>. Acesso em: 29 jun. 2018.

PEREIRA, M. M. D. C. E. Praças públicas sustentáveis: caso de renovação das praças. 2008. 142 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura) - Universidade Técnica de Lisboa, Lisboa, 2008.

JÚNIOR, S. C. T.; AMARAL, M. D. B. MALHEIRO, B. C. P. Praticando a Geografia em ambientes não-escolares: uma experiência na orla fluvial de Belém-Pará. Geografia Ensino & Pesquisa, vol. 18, n. 1, jan./abr. 2014.

LEFF, E. Epistemologia Ambiental. 4.ed. São Paulo: Cortez, 2006.

LIBÂNEO, J. C. Pedagogia e pedagogos pra quê? 10 ed. São Paulo: Cortez, 2008.

LOBODA, C. R. Espaço público e práticas socioespaciais: uma articulação necessária para análise dos diferentes usos da cidade. Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, v. 1, n. 31, p. 32-54, 2009.

PEREIRA, M. M. D. C. E. Praças públicas sustentáveis: caso de renovação das praças. 2008. 142 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura) - Universidade Técnica de Lisboa, Lisboa, 2008.

ROBBA, F.; MACEDO, S. S. Praças Brasileiras. Public Squares in Brazil. São Paulo: Edusp/Imprensa Oficial do Estado, 2002.

SEGAWA, H. Ao amor do público: jardins no Brasil. São Paulo: Studio Nobel: FAPESP, 1996.

TRILLA, J. A educación fuera de la escuela: ámbitos no formales y educación social. Barcelona: Ariel, 1996.

TRILLA, J. A educação não formal. In: ARANTES; Valéria Amorim (Org.). Educação formal e não formal. São Paulo: Summus, 2008.

WOOLLEY, H.; ROSE, S.; CARMONA, M.; FREEDMAN, J. The value of public space. London: CABE Space, 2004.

Downloads

Publicado

12/12/2018

Como Citar

de Oliveira, T. P., & Peixoto, F. A. (2018). EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL NA PRAÇA SOB A ÓTICA DA GEOGRAFIA. GEOFRONTER, 4(4). Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/GEOF/article/view/2979

Edição

Seção

Artigos