A REESTRUTURAÇÃO INDUSTRIAL DOS FRIGORÍFICOS DE CARNE BOVINA DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL

Valdomiro Antonio de Oliveira Lima

Resumo


Resumo: O setor frigorífico de Mato Grosso do Sul é um dos principais responsáveis por inseri-lo no cenário exportador mundial por meio das commodities do agronegócio. Os 39 frigoríficos do Estado subdividem-se em 12 unidades internacionalizadas, prioritariamente exportadoras, as denominadas Global Players JBS, Marfrig e Minerva, e outras 27 unidades, que atuam prioritariamente no abastecimento do mercado interno da carne bovina. Destas, 13 operam sob o controle do Sistema de Inspeção Federal (SIF) e 14 sob o Sistema de Inspeção Estadual (SIE). O objetivo deste artigo foi caracterizar a atividade industrial da carne bovina sul-mato-grossense, buscando representá-la em suas articulações e interações setoriais, por meio da análise de seu circuito espacial produtivo. A discussão proposta apoiou-se nas categorias de Formação Socioespacial e na dos Ciclos Econômicos, a partir das quais discutimos a formação pecuária e frigorífica e a capacidade ociosa desta atividade industrial sul-mato-grossense. Partimos da hipótese de que os frigoríficos de carne bovina, diante do desempenho das grandes empresas do setor, promoveram mudanças estratégicas em seus processos produtivos, uma reestruturação industrial de suas plantas de abates. A série histórica dos abates bovinos no período compreendido entre 2006 e 2016, registra aumento do número de animais abatidos nos frigoríficos SIE e SIF no Estado, o que corrobora com a hipótese inicialmente formulada.

 

Palavras-chave: Frigoríficos. Reestruturação Industrial. Formação socioespacial. Ciclos econômicos.


Palavras-chave


Geografia, Circuito espacial da produção; Ciclos econômicos

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, S. de Planejamento governamental: a Sudeco no espaço mato-grossense. Contexto, propósitos e contradições. São Paulo: USP, 2001.

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL.

Relatório Anual. Disponível em: . Acesso em 13 de abril de 2017.

BENITES, Miguel Gimenez. Brasil Central Pecuário: Interesses e conflitos.

Presidente Prudente: Unesp/FCT, 2000.

BERNARDES, Júlia. A.; ARACRI, L. A. dos S. (Orgs.). Espaço e Circuitos Produtivos: A cadeia carne/grãos no cerrado mato-grossense. Rio de Janeiro: Arquimedes, 2010.

BERTHOLI, Anderson. O lugar da pecuária na Formação Socioespacial Sul-Mato-Grossense. (Dissertação) PPGGeo/CFH/UFSC. Florianópolis, 2006.

CASTILLO, Ricardo; FREDERICO, Samuel. Espaço geoFigura, produção e movimento: uma reflexão sobre o conceito de circuito espacial produtivo. In: Sociedade e Natureza. Uberlândia, v. 22, n. 3, p. 461-474, dez, 2010.

FEDERAÇÃO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA DE MATO GROSSO DO

SUL. Participação de Mercado das Indústrias Frigoríficas em Mato Grosso do Sul. Disponível em: Acesso em 14 de abril de 2017.

GALERA, Mauricio Martorelli. A inserção dos frigoríficos exportadores de Mato Grosso do Sul no mercado global. (Dissertação) PPGG/FCH/UFGD. Dourados, 2011.

HARVEY, D. Condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1994.

IANNI, O. Estado e planejamento econômico no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1991.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Estabelecimentos

agropecuários produtores de bovinos. Disponível em: Acesso em 27 de abril de 2017.

LAMOSO, Lisandra Pereira. Comércio exterior brasileiro: a tese da “reprimarização” da pauta exportadora e suas repercussões para mato grosso do sul. In: XVI

ENCONTRO NACIONAL DE GEÓGRAFOS, 2010. Porto Alegre. Anais XVI

Encontro Nacional de Geógrafos. Porto Alegre: UFRGS, 2010.

MAMIGONIAN, A. Notas sobre os frigoríficos do Brasil Central pecuário.

Belém: AGB, 1974.

RANGEL, Ignácio. O ciclo médio e o ciclo longo no Brasil. Revista Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 3, n. 2, p. 31-42, 1983.

RANGEL, I. A história das dualidades brasileiras. Revista de economia política, São Paulo, n.1, 1981.

RANGEL, Ignácio. Recursos ociosos e política econômica. São Paulo: HUCITEC, 1980.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço. Técnica e tempo, razão e emoção. Editora Hucitec, São Paulo, 1996.

SANTOS, Milton. Sociedade e espaço: a formação social como teoria e como método. Boletim Paulista de Geografia, São Paulo, n 54, p. 35-59, jun. 1977.

SANTOS, Milton, SILVEIRA, Maria Laura. O Brasil – território e sociedade no início do século XXI. São Paulo: Record, 2001.

SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR. Exportações de Unidades Frigoríficas com registro no SIF. Disponível em: . Acesso em 13 de março de 2017.

SILVEIRA. M.R. A importância geoeconômica das estradas de ferro no Brasil.

Tese (Doutorado) – São Paulo: UNESP, 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 GEOFRONTER

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.