TERRITORIALIDADES DE INSURGÊNCIA, TESSITURAS DE DESENVOLVIMENTO(S): PARTICIPAÇÃO SOCIAL E COALIZÃO NAS JORNADAS DE JUNHO DE 2013 NO BRASIL

Autores

  • Gustavo Souza Santos FIPMoc e Unimontes
  • Anete Marília Pereira Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes)

Palavras-chave:

Jornadas de Junho, Desenvolvimento social, Mobilização social.

Resumo

As Jornadas de Junho de 2013 no Brasil se configuraram como um evento-fenômeno de insurgência que concentrou atos em todo o território nacional articulando pautas diversificadas. Tendo por embrião os protestos em torno da mobilidade e o aumento tarifário do transporte público urbano, o escopo das manifestações foi ampliado, se etiquetando à demandas estruturais e de natureza social, política e econômica familiares à realidade brasileira. Nesse ínterim, arregimentados pelas redes sociais e marcados por uma indumentária espontânea, solidária e em rede, os atos ganharam coesão multiescalar pressionando Estado, mídia e opinião pública. Contudo, os gritos insurgentes não prenunciaram apenas a anatomia constitutiva de movimentos sociais, mas denotaram novos formatos de participação social, com refletância on/off-line, produzindo coalizão e tessituras de desenvolvimento reclamado e reticulado territorialmente. Face a esses cenários, desenvolveu-se aqui uma reflexão sobre os atos de 2013 como pulsões populares produtoras de tessituras de desenvolvimento(s), em uma lógica onde a linguagem insurgente se torna expressão de coalizão e participação social. A análise de publicações de usuários do Twitter, selecionadas sob hashtags de engajamento, foi feita e auxilia na compreensão do processo.

Biografia do Autor

Gustavo Souza Santos, FIPMoc e Unimontes

Doutorando em Desenvolvimento Social (PPGDS) e mestre em Geografia (PPGEO) pela Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes). Docente das Faculdades Integradas Pitágoras de Montes Claros (FIPMoc).

Anete Marília Pereira, Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes)

Doutora em Geografia pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Docente do Departamento de Geociências e dos programas de pós-graduação em Geografia (PPGEO) e Desenvolvimento Social (PPGDS) da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes).

Referências

BENJAMIN, W. Obras escolhidas: magia e técnica, arte e política. Tradução de Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BRANDÃO, C. R. A primeira. Walter Benjamin. A dívida solidária com o passado. In: _________. Memória Sertão: cenários, cenas, pessoas e gestos nos sertões de João Guimarães Rosa e de Manuelzão. São Paulo: Cone Sul; Uberaba: Editora Uniube, 1998. p. 27-34.

CARDOSO, A. D. Capitalismo e democracia na teoria de crise de Streeck. Revista Argumentos, Montes Claros, v. 12, n. 1, p. 71-85, 2015.

CARVALHO, J. M. Cidadania na encruzilhada. In: BIGNOTTO, N. (Org.). Pensar a república. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2000. p. 105-130.

CASTELLS, M. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

FRASER, N. Da redistribuição ao reconhecimento? Dilemas da justiça na era pós-socialista. In: SOUZA, J. (Org.). Democracia hoje: novos desafios para a teoria democrática contemporânea. Brasília: Editora UnB, 2011. p. 245-282.

HONNETH, A. Luta por reconhecimento. A gramática moral dos conflitos sociais. Tradução de Luiz Repa. São Paulo: Editora 34, 2003.

LEFEBVRE, H. O direito à cidade. 5. ed. São Paulo: Centauro, 2008.

MANNHEIM, K. Ideologia e utopia. Tradução de Sérgio Magalhães Santeiro. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1976.

MARINI, R. M. Dialética da dependência. In: SADER, E. (Org.). Dialética da dependência: uma antologia da obra de Ruy Mauro Marini. Petrópolis: Vozes; Buenos Aires: CLACSO, 2000. p. 105-165.

MOVIMENTO PASSE LIVRE. Não começou em Salvador, não vai terminar em São Paulo. In: MARICATO, E. et al. Cidades rebeldes: Passe Livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo; Carta Maior, 2013.

NEVES, F. R. Nova Hermenêutica Histórico-Crítica: revolução anamnésica e solidariedade histórica em Walter Benjamin. Contexto, Mossoró, v. 3, n. 3, p. 103-110, jan./jul. 2008.

RIBEIRO, G. L. Poder, redes e ideologia no campo do desenvolvimento. Novos Estudos - CEBRAP, São Paulo, n. 80, p.109-125, mar. 2008.

RIST, G. El desarrollo: historia de una creencia occidental. Tradución de Adolfo Fernández Marugán. Madrid, España: Catarata, 2002.

SANTOS, G. S.; CUNHA, M. G. C. As Territorialidades Insurgentes do Gigante Desperto: Jornadas de Junho de 2013 no Brasil e suas Dinâmicas Territoriais. Revista do Departamento de Geografia, São Paulo, v. 35, p. 37-48, 24 jul. 2018a.

______________________________. Entre protestos e fluxos: rede e escala nas jornadas de junho de 2013 no Brasil. Revista Elisée, Porangatu, v. 7, n. 1, p. 71-84, jan./jul. 2018b.

SAQUET, M. A. Por uma abordagem territorial. In: SAQUET, M. A.; SPOSITO, E. S. (Org.). Territórios e territorialidades: teorias, processos e conflitos. São Paulo: Expressão Popular, 2009. p. 73-94.

_____________. Por uma Geografia das territorialidades e das temporalidades: uma concepção multidimensional voltada para a cooperação e para o desenvolvimento territorial. São Paulo: Outras Expressões, 2011.

SARGISSON, L. Fool’s gold: utopianism in the twenty-first century. Hampshire: Palgrave Macmillan, 2012.

SILVEIRA, M. L. Novos aconteceres, novas territorialidades. In: DIAS, L. C.; FERRARI, M. (Org.). Territorialidades humanas e redes sociais. Florianópolis: Insular, 2011. p. 39-62.

STREECK, W. Tempo Comprado. A crise adiada do capitalismo democrático. Lisboa, Portugal: Actual, 2013.

Downloads

Publicado

12/12/2018

Como Citar

Santos, G. S., & Pereira, A. M. (2018). TERRITORIALIDADES DE INSURGÊNCIA, TESSITURAS DE DESENVOLVIMENTO(S): PARTICIPAÇÃO SOCIAL E COALIZÃO NAS JORNADAS DE JUNHO DE 2013 NO BRASIL. GEOFRONTER, 4(4). Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/GEOF/article/view/3018

Edição

Seção

Artigos