INVESTIGAÇÃO DA TEMPERATURA APARENTE DE SUPERFÍCIE E DO ÍNDICE DE VEGETAÇÃO POR DIFERENÇA NORMALIZADA DA ZONA URBANA DE CASCAVEL, PARANÁ, BRASIL

Renan Valério Eduvirgem, André Jesus Periçato, Matheus Vinicius dos Santos, Laine Milene Caraminan

Resumo


Os estudos utilizando o Índice de Vegetação por Diferença Normalizada (NDVI) e Temperatura de Superfície (TS) são importantes ferramentas que podem subsidiar o planejamento urbano. Nesse sentido, o presente trabalho tem por objetivo promover o diagnóstico da TS e do NDVI no período de 2000 e 2019 na área urbana de Cascavel, estado do Paraná. Para tanto, foram utilizadas imagens dos satélites Landsat 5 e Landsat 8, além da aplicação da análise estatística (teste de Wilcoxon e correlação de Spearman). De maneira geral, os maiores valores de NDVI para os anos de 2000 e 2019 estão associados às áreas próximas aos cursos hídricos e parques, enquanto que os menores valores desse índice foram considerados nas áreas centrais da cidade, devido principalmente à densidade de edificações. Ao comparar os valores de NDVI de 2000 e 2019, foi observado uma diminuição do índice para o ano de 2019. Logo, os valores para a TS dos anos de 2000 e 2019 foram maiores nas áreas adensadas (centrais e principais avenidas). Os menores valores foram encontrados nas proximidades dos cursos hídricos e também nas Áreas de Preservação Permanente e no Parque Municipal Paulo Gorsk. Quando comparados os valores de TS entre os anos de 2000 e 2019, verificou-se um aumento significativo na temperatura para o ano de 2019. Por meio da aplicação do NDVI e TS foi possível apontar as principais áreas da cidade de Cascavel que merecem atenção especial e consequentemente, podem ser alvos de medidas mitigadoras.

Palavras-chave


Gestão urbana. Landsat. Vegetação urbana.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, A. J. P.; GUIMARÃES JUNIOR, S. A. M.; ANDRADE, E. L.; FERREIRA NETO, J. V. Relação entre o Índice de Vegetação e a Temperatura de Superfície na estimativa e identificação das ilhas de calor na cidade de Maceió-AL. In: XVII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO. 2015. João Pessoa, Anais... João Pessoa: INPE, 2015. p. 2047-2054.

ARAUJO, S. M. V. G.; GANEM, R. S. A nova lei florestal e a questão urbana. In: SILVA, A. P. M.; MARQUES, H. R.; SAMBUICHI, R. H. R. (Org.) Mudanças no código florestal brasileiro: desafios para a implementação da nova lei. Rio de Janeiro: Ipea, 2016, p. 107-124.

AMORIM, M.; DUBREUIL, V.; CARDOSO, R. Modelagem espacial da ilha de calor urbana em Presidente Prudente (SP), Brasil. Revista Brasileira de Climatologia. Ano, 11. Vol. 16, janeiro, p. 28-45, 2015.

AMORIM, M. C. C. T. Ilhas de calor superficiais: frequência da intensidade e variabilidade espacial em cidade de clima tropical continental. Geo UERJ, n. 34, 2019.

ADAMY, I. S. A Formação e Organização Política da Classe Dominante Agrária: a Sociedade Rural do Oeste do Paraná. 2010. 173 f. Dissertação (Mestrado em História) - Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Marechal Candido Rondon, 2010.

BARBOSA, A. H. S.; CARVALHO, R. G.; CAMACHO, R. G. V. Aplicação do NDVI para a Análise da Distribuição Espacial da Cobertura Vegetal na Região Serrana de Martins e Portalegre – Estado do Rio Grande do Norte. Revista do Departamento de Geografia, v. 33, p. 128-143, 2017.

BRASIL. Código Florestal. Lei n° 12.651 de 25 de maio de 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12651.htm. Acesso em: 26 ago. 2019.

CALLEGARI-JACQUES, S. M. Bioestatística: princípios e aplicações. Porto Alegre: Artmed, 2003. 255 p.

CARLSON, T. N.; RIPLEY, D. A. On the relation between NDVI, fractional vegetation cover, and leaf area index. Remote sensing of Environment, v. 62, n. 3, p. 241-252, 1997.

COLODEL, J. A. Cinco séculos de histórias. In: PERIS, A. F. (Org.). Estratégias de desenvolvimento regional: Região Oeste do Paraná. Cascavel: Edunioeste, p. 29-75, 2003.

EDUVIRGEM, R. V.; FERREIRA, M. E. M. C. Achatina fulica na zona urbana de Maringá-PR: na perspectiva da análise ambiental. Revista Brasileira de Geografia Física, v.11, n.07, p. 2391-2411, 2018.

GUERSCHMAN, J. P.; PARUELO, J. M.; BURKE, I. C. Land use impacts on the normalized difference vegetation index in temperate Argentina. Ecological Applications, v. 13, n. 13, p. 616-628, 2003.

GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B. Impactos ambientais urbanos no Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001. 418 p.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA. Cidades. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pr/cascavel/panorama. Acesso em: 10 dez. 2018.

JENSEN, J. R. Sensoriamento Remoto do Ambiente: uma perspectiva em recursos terrestres, Editora Parêntese, São José dos Campos, São Paulo, 2009. 598p.

LIBARDI, P. L.; MANFRON, P. A.; MORAES, S. O.; TUON, R. L. Variabilidade da umidade gravimétrica de um solo hidromórfico. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 20, p. 1-12, 1996.

LIMA, V. Análise da qualidade ambiental em Osvaldo Cruz, SP. 2007. 146 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Estadual Paulista Julho de Mesquita Filho, Presidente Prudente. 2007.

MISAEL, J. K.; RODRIGUES, K. F. Urbanização nos municípios do oeste do Paraná no período de 1991, 2000 e 2010. In: CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE GESTÃO EM PROJETOS, 2015. Cascavel, Anais... Cascavel: Unioeste, 2015. p. 1-12.

MOTA, S. Urbanização e Meio Ambiente. Rio de Janeiro: ABES, 1999. 352 p.

OKE, T. Review of urban climatology: 1968-1973. Geneva: World Meteorological Organization, 1974 (WMO Technical note, n. 134).

PIERUCCINI, M. A.; TSCHÁ, O. C. P.; IWAKE, S. Criação dos municípios e processos emancipatórios. In: PERIS, A. F. (Org.). Estratégias de desenvolvimento regional: Região Oeste do Paraná. Cascavel: Edunioeste, 2003. p.105-178.

PEREIRA, B. R.; MEES, M. B.; LEITE, M. R.; MAGALHÃES FILHO, R. Análise da gestão ocupacional em Montes Claros – MG: Impactos do uso do solo e suas consequências na temperatura de superfície. Revista Cerrados, v.15, n. 1, p.285-311, 2017.

SADER, S. A.; LAWRENCE, R. B. W. W.; JOYCE, A. T. Tropical forest biomass and successional age class relationships to a vegetation index derived from Landsat TM data. Remote Sensing of Environment, v. 28, p. 143-198, 1989.

SANTOS, R. F. dos. Planejamento Ambiental: teoria e prática. São Paulo: Oficina de Textos, 2004, 184 p.

SANTOS, A. R.; EUGENIO, F. C.; SOARES, V. P.; MOREIRA, M. A.; RIBEIRO, C. A. A. S.; BARROS, K. O. Sensoriamento Remoto no ArcGIS 10.2.2. Passo a passo: processamento de imagens orbitais. Alegre, ES: CAUFES, 2014. 107 p.

SOUZA, A. I.; SANTOS, M. P. Caracterização do município de Cascavel como pólo econômico regional em comparação com os municípios de Maringá e Ponta grossa. In: X Seminário do Centro de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel, 2011, Cascavel – PR. Anais. O papel das Organizações na Promoção do desenvolvimento Sustentável. p. 1-13, 2011.

TEZA, C. T. V.; BAPTISTA, G. M. M. Identificação do fenômeno ilhas urbanas de calor por meio de dados ASTER on demand 08 – Kinetic Temperature (III): metrópoles brasileiras. Anais ... XII SBSR, Goiânia, Brasil, INPE, p. 3911-3918, 2005.

TSCHÁ, O. C. P.; RIPPEL, R.; LIMA, J. F. Transformação produtiva, urbanização, industrialização e migração no oeste do Paraná. In: XVII Encontro nacional de estudos populacionais ABEP, 2010, Caxambu - MG. Anais. População e Desenvolvimento: decifrando conexões, p. 1-18, 2010.

TOWNSHEND, J. R. G.; JUSTICE, C. O. Analysis of the dynamics of African vegetation using the normalized difference vegetation index. International Journal of Remote Sensing, v. 7, n. 11, p. 1435-1445, 1986.

VIANA, D. R.; ALVALÁ, R. C. S. Vegetation Index Performance For The Pantanal Region During Both Dry And Rainy Seasons. GEOGRAFIA, Rio Claro, v. 36, p. 143-158, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 GEOFRONTER

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

GEOFRONTER - ISSN 2447-9195