EU, TU, ELXS, NÓS: FRONTEIRAS CAMBIANTES E TERRITÓRIOS PENETRADOS – A TRAJETÓRIA ATÉ TRAVESTI E DEPOIS DELA

Regerson Franklin dos Santos

Resumo


Compreender as múltiplas e complexas atitudes de afirmação e identidade de gênero na atualidade é importante para analisar de maneira holística os grupos que não se enquadram dentro de padrões normativos sexuais e simbólicos estabelecidos pela classe conservadora e, nessa mesma esteira, saber conviver com eles e suas pautas de reivindicações e vivências. Nesse sentido, a primeira parte do trabalho buscou realizar uma trajetória evolutiva desse ser, desde se assumir homossexual até o limite máximo de modificabilidade corporal propiciado pelos avanços da medicina e tecnologia, tornando-se travesti e, em última instância, transexual. Posteriormente, a segunda parte ressalta as características dos territórios – de rua – de atuação daquelas que vivem da prostituição, sendo, portanto, profissionais do sexo e as relações com sua clientela e as demais territorialidades físicas. Por fim, mediante trabalho de campo, com entrevista estruturada, buscou-se entender como é ser Travesti em Campo Grande-MS, os desafios e características do enlace preconizado com seus clientes no ato da prostituição enquanto trabalhadoras do sexo e reflexões acerca do atual momento político do país.


Palavras-chave


Fronteiras; Travestis; Territórios; Sexualidades

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, José L. C. Fronteiras múltiplas e paradoxais. Textos & Debates, Boa Vista-RR, n. 22, p. 71-87, jun./dez. 2012.

ARANTES A. (Org.). O espaço da diferença. Campinas: Papirus, 2000.

BENTO, Berenice. Necrobiopoder: Quem pode habitar o Estado-nação? Cadernos Pagu (53), 2018:e185305.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil.1998.

BRASIL. Decreto nº 8.727, de 28 de abril de 2016. Dispõe sobre o uso do nome social e o reconhecimento da identidade de gênero de pessoas travestis e transexuais no âmbito da administração pública federal direta, autárquica e fundacional. DOU de 29.04.2016.

______. Portaria nº 1.820, de 13 de agosto de 2009. Dispõe sobre os direitos e deveres dos usuários da saúde. Brasília, 2009. DOU DE 14/08/2009.

CARVALHO, Mauro. “Travesti”, “mulher transexual”, “homem trans” e “não binário”: interseccionalidades de classe e geração na produção de identidades políticas. Cadernos Pagu. 2018:e185211 ISSN 1809-4449.

CARRIERI, Alexandre de Pádua; SOUZA, Eloisio Moulin de; AGUIAR, Ana Rosa Camillo. Trabalho, Violência e Sexualidade: estudos de Lésbias, Travestis e Transexuais. RAC, Rio de Janeiro, v. 18, n. 1, art. 5, pp. 78-95, Jan./Fev. 2014.

CHAUÍ, Marilena. Brasil: mito fundador e sociedade autoritária. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2000.p.57-95.

CLIFFORD, James. Culturas Viajantes. In: ARANTES A. (Org.). O espaço da diferença. Campinas: Papirus, 2000. pp. 50-79.

COSTA, Alfredo B. Exclusões sociais. Lisboa: Gradiva. 1998. 99p.

DELEUZE, Gillés; GUATTARI, Félix. O liso e o estriado. In:______. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Vol. 5. São Paulo, ed. 34, 1997, pp. 179-214.

DINIZ, Nilson Fernandes; PAMPLONA, Renata Silva. “Encontrando Bianca”: discursos sobre o corpo-travesti. Pro-Posições | v. 25, n. 2 (74) | p. 217-236 | maio/ago. 2014.

ELIAS, Norbert. Sociedade dos indivíduos. Rio de Janeiro: Zahar, 1994.

FOUCHER, Michel. Introdução: a arte dos limites. In: ______. Obsessão por fronteiras. São Paulo: Radical Livros, 2009. pp. 9-27.

GOETTERT, Jones D. “Desimaginando” O mundo pelas margens do “desmundo”: Pensando o espaço em “dobras” da literatura e do cinema. São Paulo. Revista Terra Livre, nº 34, vol. 1, jan./jun. 2010, p. 79-108.

HAESBAERT, Rogério. Dos Múltiplos Territórios à Multiterritorialidade. Disponível em: . Acesso em 16/06/2019.

______. Viver no limite: território e multi/transterritorialidade em tempos de in-segurança e convenção. Rio de Janeiro: Beltrant Brasil, 2014.

HANCIAU, Núbia J. Entre-Lugar. In: FIGUEIREDO, Euridice (Org.) Conceitos de Literatura e Cultura. Juiz de Fora. UFJF, 2005, p. 125-142.

HARVEY, David. A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume, 2005.

INGOLD, Tim. Um mundo narrado. In: ______. Estar vivo: ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. Petrópolis: Vozes, 2015, p. 211-257.

KOSIK, K. A dialética do concreto. 3.ed. Trad. Célia Neves e Alderico Toríbio. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

LONGARAY, Deise Azevedo; RIBEIRO, Paula Regina Costa. Travestis e transexuais: corpos (trans)formados e produção da Feminilidade. Estudos Feministas, Florianópolis, 24(3): 761-784, setembro-dezembro/2016.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. Revista de Antropologia. São Paulo, USP, v. 35, pp.191-203, 1992.

MARTINS, José de Souza. Fronteira: a degradação do outro nos confins do humano. São Paulo: Hucitec, 1997.

MASSEY, Dorren. Pelo espaço: uma nova política da espacialidade. Rio de Janeiro: Beltrand Brasil, 2008.

NASCIMENTO, Elimar P. Dos excluídos necessários aos excluídos desnecessários. In: BURSZTYN, M. (Org.) No meio da rua: nômades excluídos e viradores. Rio de Janeiro: Garamond, 2000. p. 56-87.

RAFFESTIN, Claude. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa Social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, 1999.

SANTOS, Milton: SILVEIRA, Maria Laura. O Brasil: Território e sociedade no início do século XXI. 4. ed. Rio de Janeiro: Record, 2002.

SANTOS, Regerson Franklin dos; BERGAMIN, Alexandre Vieira. O trabalho das profissionais do sexo na cidade de Campo Grande-MS/Brasil: olhares e percepções acerca da exclusão social. In: VI Seminário Internacional América Platina: Campo Grande - MS, UEMS-UFGD, 2016.

SILVA, Anderson Moraes de Castro; O prazer de Sísifo está no leito de Procustro: a emoção do prazer nos relatos dos consumidores de fast sex. Sexualidad, Salud y Sociedad. Revista Latinoamericana. n. 6, dec 2010, p. 63-82.

SILVA, Lívia Caroline Moraes da. et. all. Uso do nome social no Sistema Único de Saúde: elementos para o debate sobre a assistência prestada a travestis e transexuais. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 27 [ 3 ]: 835-846, 2017.

SOUZA, Jesse de. A elite do atraso. São Paulo: Leya. 2017.

ZUCCHI, Eliana Miura et. all. Bem-estar psicológico entre travestis e mulheres transexuais no Estado de São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Pública, 2019; 35(3):e00064618.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 GEOFRONTER

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.