ANÁLISE TIPOLÓGICA DE CANAIS FLUVIAIS URBANOS NA CIDADE DE SÃO RAFAEL (RIO GRANDE DO NORTE)

Gerônimo da Silva Costa, Josiel de Alencar Guedes

Resumo


Em áreas urbanas, a relação Sociedade/Natureza nem sempre é harmônica, sendo rios e canais fluviais em áreas urbanas penalizados. O objetivo do presente texto é analisar os impactos da urbanização em canais fluviais localizados na área urbana da cidade de São Rafael/RN. Para a realização da pesquisa foram adotadas três etapas metodológicas: revisão bibliográfica, trabalho em gabinete e pesquisa em campo (in loco). Como resultados foram identificadas diferentes tipologias associadas aos usos inadequados no percurso longitudinal dos canais, destacando-se obras que são intervenções diretas, como canalização, retificação, arruamentos e barramentos. Na caracterização morfológica, foi possível observar obras de engenharia que estrangulam as seções transversais, diminuindo a eficiência do escoamento e alterando o regime de deposição de sedimentos no leito dos canais, aumentando a possibilidade de picos de inundações. Os trechos 1 e 2 apresentam menores impactos pelo uso do solo, no entanto, os trechos 4 e 5 compreendem os maiores valores para tipologias. Dessa forma, conclui-se que o não cumprimento das diretrizes expostas no Plano Diretor Municipal (PDM), juntamente com a ausência da fiscalização do poder público, torna-se ineficiente a gestão do espaço urbano.

Palavras-chave


Tipologia de canais fluviais; Uso e ocupação; São Rafael/RN.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, D. P.; ROSESTOLATO FILHO, A. Os impactos da urbanização na dinâmica dos canais fluviais de Cáceres-MT. Revista Científica da Ajes, Juína, v.3, n.7, p.1-20, 2012.

ASSUMPÇÃO, A. P.; MARÇAL, M. S. Retificação dos canais fluviais e mudanças geomorfológicas na planície do rio Macaé (RJ). Revista de Geografia. Recife, v.29, n.3, p.19-36, 2012.

BRASIL. Lei Florestal n. 12.651, de 25 de março de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis nº s 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Lei nº s 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória nº 2.166- 67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Câmara dos Deputados, Brasília, DF, 25 mai. 2012. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm. Acesso em: 04 set. 2019.

CAPILÉ, B. Rios urbanos e suas diversidades: repensando maneiras de ver as cidades. Rio de Janeiro: UFRJ, 2015.

CARVALHO, P. F. Águas nas cidades: reflexões sobre usos e abusos para aprender novos usos. In: BRAGA, R.; CARVALHO, P. F. (Org.). Recursos hídricos e planejamento urbano e regional. Laboratório de Planejamento Municipal – Deplan – UNESP – IGCE, Rio Claro, 2003. Cap.1, p.09-36.

CARVALHO, L. E. P.; BITOUN, J.; CORRÊA, A. C. B. Canais fluviais urbanos: proposta de tipologias para a região metropolitana do Recife (RMR). Revista de Geografia. Recife: UFPE – DCG/NAPA, v. especial VIII SINAGEO, n. 3, p.66-80, 2010.

COSTA, D. A. São Rafael: a história da cidade que o progresso naufragou. Jucurutu: Gráfica Santo Expedito, 2010.

CUNHA, S. B. Canais fluviais e a questão ambiental. In: CUNHA, S. B.; GUERRA, A. J. T. (Org.). A questão ambiental: diferentes abordagens. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003. p.217-238.

CUNHA, S. B. Morfologia dos canais urbanos. In: POLETO, C. (Org.). Ambiente e sedimentos. Porto Alegre: ABRH, 2008. p.329-360.

CUNHA, S. B. Rios desnaturalizados. In: BARBOSA, J. L.; LIMONAD, E. (Org.). Ordenamento territorial e ambiental. Niterói-RJ: EDUFF, 2012. Cap.8, p.171-191.

CHRISTOFOLETTI, A. Geomorfologia. 2 ed. São Paulo: Edgard Blücher, 1980.

CHRISTOFOLETTI, A. Impactos no meio ambiente ocasionado pela urbanização no mundo tropical. In: SOUZA, M. A. A.; et al. (Org.). Natureza e Sociedade de hoje: uma leitura geográfica. 4 ed. São Paulo: Hucitec, 2002.

CHRISTOFOLETTI, A. Aplicabilidade do conhecimento geomorfológico nos projetos de planejamento. In: GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B. (Orgs.). Geomorfologia: uma atualização de bases e conceitos. 6 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005. p.415-437.

CHRISTOFOLETTI, A. Impactos no meio ambiente ocasionado pela urbanização tropical. In: SOUSA, M. A. A.; et al. (Org.). O novo mapa do mundo natureza e sociedade de hoje: uma leitura geográfica. 3 ed. São Paulo, São Paulo: HUCITEC, p.127-138. 1997.

DINIZ, M. T. M.; PEREIRA, V. H. P. Climatologia do Estado do Rio Grande do Norte, Brasil: sistemas atmosféricos atuantes e mapeamento de tipos de clima. Boletim Goiano de Geografia. Goiânia, v.35, n.3, p. 488-506, set./dez. 2015.

DIAS, F. A. Caracterização e análise da qualidade ambiental urbana da bacia hidrográfica do Ribeirão do Lipa, Cuiabá/MT. 2011, fls 132. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Edificações e Ambiental). Universidade Federal de Mato Grosso, 2011.

GIRÃO, O; CORRÊA, A. C. B. Progressos nos estudos de geomorfologia fluvial urbana ao final do Século XX. GeoUerj, Niterói, v.2, n.26, p.245-269, 2015.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Bases e referencias cartográficas. 2015. Disponível em: https://mapas.ibge.gov.br/bases-e-referenciais/bases-cartograficas/cartas. Acesso em: 15 de abril 2019.

JESUZ, C. R.; SANTOS, A. J. C. Problemática socioambiental urbana da nascente do córrego Vassoral em Cuiabá-MT. Geographia Opportuno Tempore, Londrina, v.2, n.1, p.93-113, 2015.

LUCAS, L. M.; CUNHA, S. B. Rede de drenagem urbana em área tropical: mudanças na morfologia do canal e níveis de poluição das águas, Rio dos Macacos - Rio de Janeiro -RJ. GEOUSP: Espaço e Tempo, São Paulo, n.22, p.39-64, 2007.

MELO, M. J. V. Medidas estruturais e não estruturas de controle de escoamento superficial aplicáveis na bacia do rio Fragoso na cidade de Olinda. 2007. 172f. Tese (Doutorado em Engenharia Civil) – Área de Tecnologia Ambiental e Recursos Hídricos. Universidade Federal de Pernambuco; Pernambuco/PE. 2007.

MORAIS, L. G. B. L.; MELO, J. A. B. Pensando a relação sociedade-natureza na geografia: apontamentos para a geografia socioambiental. Caminhos de Geografia, Uberlândia, v.14, n.45, p.22-29, 2013.

OLIVEIRA, E. L. A.; RECKZIEGEL, B. W; ROBAINA, L. E. S. Modificações na morfologia dos canais de drenagem da Bacia Hidrográfica do Arroio Cadena, Santa Maria/RS. RA’EGA - O Espaço Geográfico em Análise, Curitiba, v.11, p.103-113, 2006.

PARANHOS FILHO, A.C. et al. Geotecnologias em aplicações ambientais. Campo Grande: UFMS, 2016.

PERES, R. B.; SILVA, R. S. Análise das relações entre o Plano de Bacia Hidrográfica Tietê-Jacaré e os Planos Diretores Municipais de Araraquara, Bauru e São Carlos, SP: avanços e desafios visando a integração de instrumentos de gestão. Sociedade & Natureza, Uberlândia, v.25, n.2, p.349-362, 2013.

QUEIROZ, A. O.; FREITAS, F. W. S.; GUEDES, J. A. Impactos da urbanização sobre o riacho do Termas - Mossoró (RN). Revista Pensar Geografia, Mossoró, v.2, n.1, p.53-72, 2018.

RAYMUNDI, V. M. O.; SOUZA, C. A.; CUNHA, S. B. Tipologias do canal na bacia hidrográfica do córrego junco: estudo resultante do uso e ocupação. Revista Equador. Teresina, v.7, n.1, p.242-258, 2018.

SANTANA, M. F.; SOUZA, C. A.; CUNHA, S. B. Processo de urbanização da bacia do sangradouro Cáceres, Mato Grosso. Revista Equador, Teresina, v.5, n.4 (Edição Especial 03), p.164-186, 2018.

SÃO RAFAEL (Prefeitura). Lei Complementar n° 383 de 2016 – Institui o Plano Diretor Participativo do Município de São Rafael. São Rafael, 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 GEOFRONTER

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

GEOFRONTER - ISSN 2447-9195

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - UEMS