MONITORAMENTO DA ALTERAÇÃO DA PAISAGEM FLORESTAL ENTRE 2004 E 2018 NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA, MG - BRASIL

Luan Carlos Octaviano Ferreira Leite, Cezar Henrique Barra Rocha

Resumo


O processo de urbanização e a expansão da agropecuária são os maiores responsáveis pela redução das coberturas florestais nativas e revegetadas (restauradas) em todos os biomas do Mundo. A Mata Atlântica no Brasil se reduz hoje a esparsos fragmentos nas serras, áreas rurais e em unidades de conservação, prejudicando a manutenção da biodiversidade e a prestação de serviços ecossistêmicos. O objetivo desse artigo foi monitorar a alteração da cobertura florestal do município de Juiz de Fora (MG) entre os anos de 2004 e 2018 através das métricas de paisagem. Foram utilizadas imagens Landsat e Sentinel da estação seca classificadas por MAXVER e submetidas a extensão Patch Analyst do software ArcGIS 10.2.1. Os resultados mostraram um processo avançado de fragmentação onde fragmentos maiores e mais espaçados se dividiram em fragmentos menores, porém mais próximos, mais que dobrando em número. Eles assumiram formas mais complexas e distintas de círculos, uma evidência da intervenção antrópica. O Índice de Áreas de Núcleo também se reduziu ao longo dos anos, corroborando com o aumento no número de fragmentos e redução do tamanho dos mesmos, aumentando o efeito de borda e a perda de habitat. A expansão da silvicultura em cerca de 7%, com destaque para a porção noroeste (distrito de Rosário de Minas), deve ser monitorada pelo poder público com vista ao manejo sustentável, limitando o desmatamento e reforçando a fiscalização em busca do equilíbrio ecológico da sua paisagem.

Palavras-chave


Fragmentação; Conservação; Métricas Ecológicas

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA D. S. Recuperação Ambiental Mata Atlântica. 3° Edição. Eds: Editora da UESC. Ilhéus, BA: Scielo Books, 2016.

BATISTA M. T. F. 2014. Modelação Geográfica Em Processos de Caracterização e Avaliação Da Paisagem Numa Perspectiva Transfronteiriça. Universidade de Évora.

CLIMATE-DATA.ORG. Juiz de Fora. Disponível em: https://pt.climate-data.org/america-do-sul/brasil/minas-gerais/juiz-de-fora-5957/. Acesso em novembro de 2019.

DEKEUKELEIRE, D.; LIONEL R. H.; PIETER, V.; IRENE M. V. S.; BRAM K. S.; ROSCHONG B.; MARTEL, K. V.; BONTE D.; STRUBBE D.; LENS L. 2019. Forest Ecology and Management Forest Fragmentation and Tree Species Composition Jointly Shape Breeding Performance of Two Avian Insectivores. Forest Ecology and Management, v. 443, (Fevereiro), pp. 95–105.

FUNDAÇÃO SOS MATA ATLÂNTICA. Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica. São Paulo: Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, 2019. Disponível em: https://www.sosma.org.br/wp-content/uploads/2019/05/Atlas-mata-atlantica_17-18.pdf. Acesso em novembro de 2019.

FYNN I. E. M.; CAMPBELL J. 2019. Forest Fragmentation Analysis from Multiple Imaging Formats. Journal of Landscape Ecology, vol. 12, n. 1: pp. 1–15.

GARCIA, L. S.; SANTOS A. M.; FOTOPOULOS I. G.; FURTADO R. S. 2013. Fragmentação Florestal e Sua Influência Sobre a Fauna: Estudo de Caso Na Província Ocidental Da Amazônia, Município de Urupá, Estado de Rondônia. Anais XVI Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto – SBSR, pp. 3163–3170.

GIMENES M. R.; ANJOS L. 2003. Efeitos Da Fragmentação Florestal Sobre as Comunidades de Aves. Acta Scientiarum. Biological Sciences, vol. 25, n. 2: pp. 391–402.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. IBGE Cidades. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/mg/juiz-de-fora/panorama. Acesso em novembro de 2019.

HOTT M. C.; SOARES V. P.; RIBEIRO C. A. A. S.; JACKSON J., GRIFFIH. 2007. Análise Fractal Aplicada à Fragmentação Florestal No Município de Viçosa -MG. Anais Do XIII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, pp. 5831–5838.

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUÍSAS ESPACIAIS. Catálogo de Imagens. Disponível em: http://www.dgi.inpe.br/CDSR/. Acesso em novembro de 2019.

KAGEYAMA PY, GANDARA FB, SOUZA LMI (1998) Consequências Genéticas Da

Fragmentação Sobre Populações de Espécies Arbóreas. Série Técnica IPEF, vol. 12, n. 32: pp. 65–70.

TONETTI V. R; MUYLAERT R. L. & RIBEIRO M. C. 2019. Fragmentação de Habitats. In: ASSIS L. S., CAMPOS M., GIRÃO V. J. (Orgs.) Manejo de Fragmentos Florestais Degradados. Campinas - SP: The Nature Conservancy, 2019.

LIMA R. N. S. 2010. Técnicas de sensoriamento remoto e geoprocessamento aplicadas no mapeamento e análise de fragmentos florestais no município de juiz de fora - mg em 1987 e 2008. Universidade Federal de Juiz de Fora.

LIMA W. P. Hidrologia Florestal Aplicada ao Manejo de Bacias

Hidrográficas. Departamento de Ciências Florestais Escola Superior de Agricultura

“Luiz Queiroz” Universidade de São Paulo. Piracicaba, SP, 2008.

MAUÉS M. M; OLIVEIRA P. E. A. M. 2010. Consequências da fragmentação do habitat na ecologia reprodutiva de espécies arbóreas tropicais, com ênfase na Amazônia. Oecologia Australis, vol. 14, n. 1: pp. 238–250.

MC GARICAL K. 2015. Fragstats Help. Disponível em: http://www.umass.edu/landeco/research/fragstats/documents/fragstats.help.4.2.pdf. Acesso em novembro de 2019.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. FRAGMENTAÇÃO DE ECOSSISTEMAS: Causas, Efeitos Sobre a Biodiversidade e Recomendações de Políticas Públicas. Eds: RAMBALDI D. M.; OLIVEIRA. D. A. S. Brasília, DF, 2003.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Mata Atlântica: Manual de Adequação Ambiental. Eds: CAMPANILI M.; BERTOLO W. Brasília, DF, 2010.

NUNES, W. A. G. A.; KER J. C.; SCHAEFER C. E. G. R.; FERNANDES FILHO E. I.; GOMES F. H. 2001. Relação solo-paisagem-material de origem e gênese de alguns solos no domínio do ‘mar de morros’, Minas Gerais. Revista Brasileira de Ciências Do Solo, vol. 25, n. 3: pp. 341–54.

PREFEITURA DE JUIZ DE FORA. Plano Diretor de Juiz de Fora 1996 – Diagnóstico. Eds: Instituto de Pesquisa e Planejamento de Juiz de Fora, vol. 1, pp. 33-34.

PREFEITURA DE JUIZ DE FORA. 2014. Plano Diretor Participativo. Disponível em: http://www.planodiretorparticipativo.pjf.mg.gov.br. Acesso em novembro de 2019.

REMPEL R.S.; KAUKINEN D.; CARR A. P. 2012. Patch Analyst and Patch Grid. Ministério de Recursos Naturais de Ontário. Centro de Pesquisa de Ecossistemas Florestais do Norte, Thunder Bay, Ontário. Disponível em: http://www.cnfer.on.ca/SEP/patchanalyst/. Acesso em novembro de 2019.

RICKLEFS R.; RELYA R. A Economia da Natureza. Orgs: RICKLEFS R.; RELYA, R. 7° Edição. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2016. 803 p.

RIITTERS K. 2019. Pattern Metrics for a Transdisciplinary Landscape Ecology. Landscape Ecology, vol. 34, n. 9: pp. 2057–2063.

SANTOS A. R.; PELUZIO J. B. E.; PELUZIO T. M. O.; SANTOS G. M. A. D. A. 2012. Geotecnologias Aplicadas Aos Recursos Florestais. Alegre - ES: CAUFES.

SANTOS A. R.; RIBEIRO C. A. A. S.; PELUZIO T. M. O; PELUZIO J. B. E.; QUEIROZ V. T.; BRANCO E. R. F.; LORENZON A. S.; DOMINGUES G. F.; MARCATTI G. E.; CASTRO N. L. M.; TEIXEIRA T. R.; SANTOS G. M. A. D. A.; MOTA P. H. S.; SILVA S. F.; VARGAS R.; CARVALHO J. R.; MACEDO L. L.; ARAÚJO L. L.; ALMEIDA S. L. H. 2016. Geotechnology and Landscape Ecology Applied to the Selection of Potential Forest Fragments for Seed Harvesting. Journal of Environmental Management, v. 183: pp. 1050–1063.

SCHAADT S. S.; VIBRANS A. C. 2015. O Uso Da Terra No Entorno de Fragmentos Florestais Influencia a Sua Composição e Estrutura. Floresta e Ambiente, vol. 22, n. 4: pp. 437–445.

SOUSA T. R.; COSTA F. R. C.; BENTOS T. V; LEAL FILHO N.; MESQUITA R. C. G.; RIBEIRO I. O. 2017. Forest Ecology and Management: The Effect of Forest Fragmentation on the Soil Seed Bank of Central Amazonia. Forest Ecology and Management, vol. 393: pp. 105–112.

TAVARES A.; BEIROZ W.; FIALHO A.; FRAZÃO F.; MACEDO R.; LOUZADA J.; AUDINO L. 2019. Forest Ecology and Management Eucalyptus Plantations as Hybrid Ecosystems: Implications for Species Conservation in the Brazilian Atlantic Forest. Forest Ecology and Management, vol. 433: pp. 131–139.

TONETTI V. R.; MUYLAERT R. L.; RIBEIRO M. C. Fragmentação de Habitat. In: ASSIS L. S.; CAMPOS M.; GIRÃO V. J. (Orgs.), Manejo de Fragmentos Florestais Degradados (pp. 28–47). Campinas, SP: The Nature Conservance, 2019.

TUNDISI J. G.; TUNDISI M. T. 2010. Impactos potenciais das alterações do Código Florestal

nos recursos hídricos. Biota Neotropica, vol. 10, n. 4: pp. 67–76.

THOMAZINI M. J.; THOMAZINI A. P. B. W. 2000. A Fragmentação Florestal e a Diversidade de Insetos Nas Florestas Tropicais Úmidas. Embrapa Acre, vol. 54: pp. 0–21.

UNITED STATES GEOLOGICAL SERVICE. Earth Explorer. Disponível em: https://earthexplorer.usgs.gov/. Acesso em novembro de 2019.

VIANA V. M.; PINHEIRO L. A. F. V. 1998. Conservação Da Biodiversidade Em Fragmentos Florestais. Série Técnica IPEF, vol. 12, n. 32: pp. 25–42.

VITAL M. H. F. 2007. “Impacto Ambiental de Florestas de Eucalipto”. Revista Do BNDES, vol. 14, n. 28: p. 235–276.

ZANOTTA, D. Processamento de Imagem de Satélite. Orgs: ZANOTTA, D; ZORTEA & FERREIRA, M. P. São Paulo: Oficina de Textos, 2019.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 GEOFRONTER

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

GEOFRONTER - ISSN 2447-9195

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - UEMS