CRESCIMENTO ECONÔMICO EM MATO GROSSO DO SUL: POLARIZAÇÃO E HETEROGENEIDADE

Caroline Andressa Welter, Daniel Amorim Souza Centurião

Resumo


A fim de analisar a dinâmica de crescimento do estado de Mato Grosso do Sul entre os anos de 2005 a 2015. Este trabalho propôs a utilização de indicadores de ritmo e nível de crescimento econômico aplicados a todos os municípios do estado, além de verificar quais atividades econômicas apresentaram maior destaque no desempenho econômico através do quociente locacional (QL) e análise do valor adicionado. Verificou-se que as microrregiões de Iguatemi, Três Lagoas, Dourados e Paranaíba possuem maiores quantidades de municípios desenvolvidos em expansão e que estes estão fortemente especializados em atividades agroindustriais, destacando-se como polos de crescimento regional.

Palavras-chave


Economia Regional. Estrutura Produtiva. Especialização.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, T. A. Produção teórica em economia regional: das formulações clássicas aos modelos endógenos de desenvolvimento. In: XII Semana Acadêmica da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Vitória da Conquista, Bahia. Anais eletrônicos… 2013.

ALVES, L. R. Indicadores de localização, especialização e estruturação regional. In: PIACENTI, C. A.; FERRERA DE LIMA, J.; (ORG.) Análise Regional: metodologias e indicadores. Curitiba: Camões, 2012. p. 134.

CONSTANTINO, M.; PEGORARE, A. B.; COSTA, R. B. D. Desempenho regional do IDH e do PIB per capita dos municípios de Mato Grosso do Sul, Brasil, entre 2000 e 2010. Interações, Campo Grande, v. 17, n. 2, p. 234-246, 2016.

COSTANTINO, M. et al. Caracterização econômica dos municípios sul-mato-grossenses do Corredor Bioceânico. Interações, Campo Grande, v. 20, n. Especial, p. 179-192, 2019.

CORRÊA, A. S. et al. Fluxos migratórios no estado de Mato Grosso do Sul (1970-2010). Interações, Campo Grande, v. 19, n. 2, p. 325-341, abr./jun. 2018.

FRAINER, D. M. et al. Uma aplicação do Índice de Desenvolvimento Sustentável aos municípios do estado de Mato Grosso do Sul. Interações, Campo Grande, v. 18, n. 2, p. 145-156, abr./jun. 2017.

HIRSCHMAN, A. O. Estratégia do desenvolvimento econômico. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1961. Edição original de 1958.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Conceitos e Métodos. Metadados IBGE, 2015. Disponivel em: . Acesso em: 28 maio 2018.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA ESTATÍSTICA. Pesquisa Nacional de Amostra de Domicilios Contínua Trimestral – PNADT, 2015. Disponivel em: . Acesso em: 10 agosto 2019.

IPARDES - INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL. Indicadores Econômicos, Curitiba, 2010. Disponivel em: . Acesso em: 08 mar. 2018.

IPARDES - INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL. Perfil da Região Geográfica Oeste Paranaense. Disponivel em: . Acesso em: 08 mar. 2018.

LIMA, J. F. D.; PIFFER, M.; OSTAPECHEN, L. A. P. O crescimento econômico regional de Mato Grosso do Sul. Interações, Campo Grande, v. 17, n. 4, p. 757-766, out./dez. 2016.

MARSHALL, A. Principles of Economics. São Paulo: Nova Cultural Ltda, 1890.

MATTEI, F. T.; MATTEI, T. S. Métodos de Análise Regional: um estudo de localização e especialização para a Região Sul do Brasil. Revista Paranaense de Desenvolvimento, Curitiba, v. 38, n. 133, p. 227-243, Jul/Dez 2017. ISSN 2236-5567.

MONASTERIO, L.; CAVALCANTE, L. R. Fundamentos do pensamento econômico regional. In: CRUZ, B. O., et al. Economia regional e urbana: teorias e métodos com ênfase no Brasil. Brasília: IPEA, 2011. p. 43-78.

PERROUX, F. O conceito de polo de desenvolvimento. In: SCHWARTZMAN, J. (. ). Economia regional: textos escolhidos. Belo Horizonte: Cedeplar, 1955. p. 145-156.

PERROUX, F. A economia do século XX. Porto: Herder, 1967.

PIACENTI, C. A. Indicadores do potencial de desenvolvimento endógeno dos municípios paranaenses, no período 1999/2013. Foz do Iguaçu: Parque Itaipu, 2016. 216 p.

PIFFER, M. Ateoria da base econômica e o desenvolvimento regional do estado do Paraná no final do século XX. Santa Cruz do Sul: UNISC, 2009 (Tese de Doutorado).

RAIS - RELAÇÃO ANUAL DE INFORMAÇÕES SOCIAIS; MTE - MINISTÉRIO DO TRABALHO. RAIS Estabelecimento. [S.l.]: [s.n.], 2019. Disponivel em: . Acesso em: 20 agosto 2018.

RAIS - RELAÇÃO ANUAL DE INFORMAÇÕES SOCIAIS; MTE - MINISTÉRIO DO TRABALHO. RAIS Vínculos. [S.l.]: [s.n.], 2019. Disponivel em: . Acesso em: 20 agosto 2019.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4. ed. São Paulo: Edusp, 2002.

SEMAGRO – SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, PRODUÇÃO E AGRICULTURA FAMILIAR; IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Produto Interno Bruto Municipal Per capita e Valor Bruto da Produção dos Setores Econômicos, 2016. Disponivel em: . Acesso em: 10 agosto 2019.

SEMAGRO –SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, PRODUÇÃO E AGRICULTURA FAMILIAR.Produto Interno Bruto Municipal 2010 -2016. 2018. 65p.

SUZIGAN, W. et al.Coeficientes de Gini locacionais – GL: aplicação à indústria de calçados do Estado de São Paulo.Nova Economia, Belo Horizonte, v.13, n. 2. 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 GEOFRONTER

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

GEOFRONTER - ISSN 2447-9195

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - UEMS