EXPERIÊNCIAS DE APRENDIZAGENS COMO PRESSUPOSTO METODOLÓGICO DE UMA EDUCAÇÃO INTEGRAL PARA O SÉCULO XXI

Autores

  • Regerson Franklin dos Santos Universidade Federal da Grande Dourados - UFGD https://orcid.org/0000-0001-9783-990X
  • Ucleber Gomes da Costa Professor de geografia da rede estadual de educação de Mato Grosso do Sul.

Palavras-chave:

Aprendizagem. Metodologias Ativas. Ciências Humanas.

Resumo

O presente texto, pertinente à área de Ciências Humanas, busca apresentar os resultados da aplicação prática de diversas metodologias de aprendizagem para estudantes do Ensino Médio (1º, 2º e 3º anos), em uma Escola Integral de Tempo Integral, tendo como base o ano de 2018. Atuando em área de conhecimento de maneira conjunta, os componentes curriculares de Filosofia, Geografia, História e Sociologia estabeleceram uma vertente pautada na centralidade no/do estudante que, usando a pesquisa para construir seu trajeto à busca pelo conhecimento, teve a contribuição dos professores enquanto orientadores/mediadores de seus percursos, desenvolvendo a aprendizagem em diversas nuances – teórico-conceitual, didático-pedagógica, científica e atitudinal. Nesse sentido, o planejamento (início), a execução (meio-fim) e a avaliação (análise final) realizadas em conjunto nortearam todo o trabalho ao longo de 2018, utilizando-se para tal metodologias ativas diversificadas e processos avaliativos inclusivos, em que as competências e habilidades eram plurais, promovendo assim uma educação integrada, holística e que se enquadra como característica ao século XXI. Para a construção desse trabalho, utilizou-se os preceitos da metodologia qualitativa característica às ciências humanas com um viés em que o pesquisador foi observador-participante de todo o trajeto, denotando expressões da realidade vivida, sentida e experienciada que analisa as consequências da teoria na consolidação prática que ocorreu ao longo do processo de aprendizagem em 2018. Ao final do ano, conclui-se que os pontos positivos elencados ultrapassaram significativamente o planejado, expressando que esta forma de atuar (em conjunto) pode ser um dos caminhos a se seguir na educação básica brasileira.

Biografia do Autor

Regerson Franklin dos Santos, Universidade Federal da Grande Dourados - UFGD

Doutor em Geografia pela Universidade Federal da Grande Dourados - UFGD, pesquisa as políticas públicas nas mais diversas esferas de governo, com ênfase em Mato Grosso do Sul. Trabalhando com a educação básica a mais de 15 anos, tem produzido análises in loco de alguns programas educacionais em Mato Grosso do Sul, caminhando também pela Geografia Humana e Cultural.

Ucleber Gomes da Costa, Professor de geografia da rede estadual de educação de Mato Grosso do Sul.

Professor de geografia da rede estadual de educação de Mato Grosso do Sul. Mestre em Geografia pela UFGD – Universidade Federal da Grande Dourados.

Referências

BARBOSA, Jane Rangel Alves. A Avaliação da Aprendizagem como Processo Interativo: Um Desafio para o Educador. Democratizar, v. II, n. 1, jan./abr. 2008. RJ.

BENDER, William N. Aprendizagem baseada em projetos: educação diferenciada para o século XXI. Porto Alegre: Penso, 2014. 159p.

BERBEL, Neusi Aparecida Navas. Metodologia da problematização: experiências com questões de ensino superior, ensino médio e clínica. Londrina: EDUEL, 1998. 251p.

BERBEL, Neusi Aparecida Navas. Metodologia da Problematização: fundamentos e aplicações. Londrina: Editora UEL, 1999.

BERBEL, Neusi Aparecida Navas. (Org.). Conhecer e intervir: o desafio da metodologia da problematização. Londrina: EDUEL, 2001.

BOGGINO, Norberto. A avaliação como estratégia de ensino. Avaliar processos e resultados. Sísifo/Revista de ciências da educação. n.º 9 · mai/ago 2009. pp. 70-86.

BOROCHOVICIUS, Eli; BARBOSA TORTELLA, Jussara Cristina. Aprendizagem Baseada em Problemas: um método de ensino-aprendizagem e suas práticas educativas. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, vol. 22, núm. 83, abri-jun, 2014, p. 263-293.

BRASIL, Lei Federal nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis n º 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e 11.494, de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e o Decreto-Lei nº 236, de 28 de fevereiro de 1967; revoga a Lei nº 11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. D.O.U. de 12 fev. 2017.

BRASIL, Secretaria de Educação Básica. Formação de professores do ensino médio, etapa I - caderno VI: Avaliação no Ensino Médio. Curitiba: UFPR/Setor de Educação, 2013.

CÂNDIDO, Elisabete Luisa; CIRINO, Roseneide M. Batista. Avaliação da Aprendizagem: Concepções e práticas. Os desafios da escola pública paranaense na perspectiva do professor PDE. Cadernos PDE, v. 1, 2014. Paraná.

CYRINO, Eliana Goldfarb; TORALLES-PEREIRA, Maria Lúcia. Trabalhando com estratégias de ensino-aprendizado por descoberta na área da saúde: a problematização e a aprendizagem baseada em problemas. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 20(3):780-788, mai-jun, 2004.

CHUEIRI, Mary Stela Ferreira. Concepções sobre a Avaliação Escolar. Estudos em Avaliação Educacional, v. 19, n. 39, jan./abr. 2008. pp. 49-64.

CORTELLA, Mario Sergio. Educação, escola e docência – novos tempos novas atitudes. São Paulo: Cortez, 2014.

CORTELLA, Mario Sergio. Pensar bem nos faz bem! 5. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

DEMO, Pedro. Escola de tempo integral. UNB. Brasília, 2007.

DEMO, Pedro. Outro Professor – alunos podem aprender bem com professores que aprendem bem. Jundiaí, SP: Paco Editorial, 2011.

DEMO, Pedro. Professor eterno aprendiz. Ribeirão Preto: Editora Alphabeto, 2015.

DEMO, Pedro. Atividades de aprendizagem: sair da mania do ensino para comprometer-se com a aprendizagem do estudante [recurso eletrônico]. Campo Grande, MS: Secretaria de Estado de Educação do Mato Grosso do Sul – SED/MS, 2018. 180p. Disponível em: http://www.sed.ms.gov.br/wp-content/uploads/sites/67/2018/12/eBook-Atividades-de-Aprendizagem-Pedro-Demo.pdf . Acesso em 20 jan. 2021.

DIESEL, Aline; BALDEZ, Alda Leila Santos Baldez; MARTINS, Silvana Neumann. Os princípios das metodologias ativas de ensino: uma abordagem teórica. Revista Thema, Vol. 14, nº 1. Lajeado, RS.2017,

FURLAN, Maria Ignez Carlin. Avaliação da aprendizagem escolar – convergências, divergências. 1ª edição. São Paulo: Amablume, 2007.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 15. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

GOLDENBERG, Mirian. A arte de pesquisar - Como fazer pesquisa qualitativa em Ciências Sociais. 8. ed. Rio de Janeiro: Record, 2004.

HOFFMANN, Jussara. Pontos e contrapontos: do pensar ao agir em avaliação. 9. ed. Porto Alegre: Mediação, 2005.

HOFFMANN, Jussara. Avaliação mediadora: uma prática em construção da pré-escola à Universidade. 32. ed. Porto Alegre: Mediação, 2012.

HOFFMANN, Jussara. Avaliar – respeitar primeiro educar depois. 4. ed. Porto Alegre: Mediação, 2013.

MEZZARI, Adelina. O uso da Aprendizagem Baseada em Problemas (ABP) como reforço ao ensino presencial utilizando o ambiente de aprendizagem Moodle. Revista Brasileira de Educação Médica. 35 (1): 114-121; 2011.

MORÁN, José. Mudando a educação com metodologias ativas. Coleção Mídias Contemporâneas. Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens. Vol. II. Carlos Alberto de Souza e Ofelia Elisa Torres Morales (Orgs.). PG: Foca Foto-PROEX/UEPG, 2015.

MOSÉ, Viviane. A escola e os desafios contemporâneos. 2 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.

NASCIMENTO, Ana Carolina Santos do. Metodologias de Pesquisa em Ciências Humanas Sociais – Percurso Epistemológico da Pesquisa Qualitativa. In: Congreso Ibero-Americano De Investigación Cualitativa – Ciaiq, 6., 2017, Vol. 3, Salamanca-ESP. Anais [...]. Salamanca-ESP: 2017. p. 431-438. Disponível em: http://proceedings.ciaiq.org/index.php/ciaiq2017/issue/archive. Acesso em 11 maio 2021.

RODRIGUES, Disnah Barroso. Avaliação da Aprendizagem no Ensino Médio: As concepções dos professores de Física sobre o uso da observação e dos registros para avaliar. Educação em Debate, Fortaleza, anos 35-38 - nº. 66-71 jul/dez. 2013, jan./jun., jul/dez. 2014, jan./jun., jul/dez. 2015, jan./jun. 2016.

SANTOS, Regerson F. dos. A Escola de tempo integral no contexto do século XXI: ensinar ou pesquisar? In: VII Seminário Internacional: fronteiras étnico-culturais e fronteiras da exclusão, 2016. Campo Grande-MS. Anais [...]. Campo Grande-MS: UCDB; 2016.

SANTOS, Regerson F. dos. Os Percalços docentes acerca das Novas Metodologias de Aprendizagem na Escola Integral. In: III Seminário da Rede Internacional de Escolas Criativas (RIEC), educação transdisciplinar: escolas Criativas e transformadora, 2017. Palmas – TO. Anais [...]. Palmas – TO; 2017a.

SANTOS, Regerson F. dos. Políticas educacionais e a formação do estudante na escola de tempo integral em mato grosso do sul. In: II Jornada Ibero-Americana de Pesquisas em Políticas Educacionais e Experiências Interdisciplinares na Educação, Natal-RN, 2017. Anais [...] Natal – RN; 2017b.

SANTOS, Regerson F. dos. Avaliação e Planejamento no contexto do Educar pela Pesquisa - e agora Professor? In: Alessandra Ferreira Beker Daher; Éverton Paulino Damaceno; Estela Mara Andrade. (Org.). Teia da educação: pesquisa e autoria nas vozes dos professores de Mato Grosso do Sul. 1ed. Campo Grande - MS: Secretaria de Estado de Educação, 2018, p. 116-132. Disponível em: http://www.sed.ms.gov.br/wp-content/uploads/sites/67/2018/12/Pesquisa-e-Autoria-nas-Vozes-dos-Professores-do-MS.pdf . Acesso em 20 jan. 2020.

SANTOS, Regerson F. dos. Análise dos Componentes Curriculares da Base Diversificada nas Escolas Integrais em Mato Grosso Do Sul: Avanços e Reflexões. In: Willian Douglas Guilherme; Diogo Luiz Lima Augusto; Roger Goulart Mello. (Org.). EDUCAÇÃO EM FOCO: HISTÓRIA, POLÍTICA E CULTURA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL. 1ed. Rio de Janeiro: e-publicar, 2021, v. 1, p. 265-283.

SCHERRER, Paula Pereira. E quando pesquisador e pesquisado são a mesma pessoa? Reflexões epistemo-metodológicas à luz da complexidade e da transdisciplinaridade. Terceiro Incluído - NUPEAT–IESA–UFG, Dossiê ECOTRANSD: Ecologia dos saberes e Transdisciplinaridade. v.5, n.1, Jan./Jun., 2015, p. 263-286.

SILVEIRA, Denise Tolfo; CÓRDOVA, Fernanda Peixoto. A Pesquisa Científica. In: GERHARDT, Tatiana Angel; SILVEIRA, Denise Tolfo. (Orgs.). Métodos de Pesquisa. 1.ed. Porto Alegre: UFRGS, 2009. p. 31-42.

WERNECK, Hamilton. Se você finge que ensina, eu finjo que aprendo. 8. Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1992.

WERNECK, Hamilton. Se a boa escola é a que reprova, o bom hospital é o que mata. 10. Ed., RJ: Vozes, 2007.

Downloads

Publicado

28/07/2021

Como Citar

Santos, R. F. dos, & Costa, U. G. da. (2021). EXPERIÊNCIAS DE APRENDIZAGENS COMO PRESSUPOSTO METODOLÓGICO DE UMA EDUCAÇÃO INTEGRAL PARA O SÉCULO XXI. GEOFRONTER, 7(1). Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/GEOF/article/view/6127

Edição

Seção

Artigos