ANÁLISE DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO DA APA DO LAJEADO, CAMPO GRANDE (MS), AO LONGO DE DEZ ANOS (2010-2020)

Autores

  • Felipe Gavioli Diniz Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Adriana Takahasi Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Palavras-chave:

Conservação, Vegetação, Recursos hídricos

Resumo

A APA dos mananciais do Córrego Lajeado localiza-se em Campo Grande (MS) e conta com 52,37 km2, dividida entre zona rural (66%) e urbana (34%). Esta unidade de conservação foi criada para a conservação de um dos principais mananciais para o abastecimento de água do município, mas que tem sofrido redução de sua vazão. Assim, nosso objetivo foi avaliar as alterações que ocorreram na vegetação, uso e ocupação da terra no período de 2010 a 2020. O mapeamento utilizou imagens Landsat 5 TM (2010) e Sentinel-2 (2020) e softwares Google Earth e Qgis 3.16.5. Foram determinadas catorze categorias de vegetação, uso e ocupação do solo para a produção de mapas temáticos com a aplicação de NDVI. A maior parte da área é ocupada por pastagens (39%) e sofreu uma pequena redução (2%) ao longo do período avaliado. As edificações ocupam 22% do total da área com aumento de 3,4% em 2020. A vegetação nativa teve um discreto aumento, especialmente ao longo dos cursos d’água, ocupando quase 25% da área total da APA. Além de se registrar o aumento da erosão do solo principalmente próximos às nascentes de alguns corpos hídricos nota-se a intensificação de fluxo de pessoas e veículos próximos ao Aeroporto Santa Maria que podem aumentar a pressão sobre os recursos naturais. Assim, sugerimos implementação de novas estratégias de manejo como a adoção de infraestrutura verde nos bairros e incentivo à restauração de ecossistemas na zona rural, além de uma gestão ambiental participativa.

Referências

ANDRADE, B.S. et al. Geoprocessamento aplicado à análise da cobertura e uso da terra na Área de Proteção Ambiental dos mananciais do Córrego Lajeado, Campo Grande- MS. Sociedade e Território. v.31, n.1, 200-221, 2019.

ANDRADE, Silvio. Com novos investimentos, Santa Maria vai operar como aeroporto auxiliar, 2019. Disponível: https://www.campograndenews.com.br/cidades/capital/com-novos-investimentos-santa-maria-vai-operar-como-aeroporto-auxiliar.

BORGES, G.M. et al. Sensoriamento Remoto: Avanços e Perspectivas. Revista de Geografia. v.32, n.2, 267-292, 2015.

CAMPANHA, M.M. Et al. Serviços ecossistêmicos: histórico e evolução. In: FERRAZ, R.P.D et al (orgs.). Marco referencial em serviços ecossistêmicos. 1. Brasília: Embrapa, 2019. p.37-56.

CAMPO GRANDE. Perfil Socioeconômico de Campo Grande, 2019. Disponível em: file:///C:/Users/Pc/Downloads/Perfil-2019-PLANURB-vers%C3%A3o-final%20(1).pdf.

CAMPO GRANDE. Qualidade das águas superficiais de Campo Grande – MS. Relatório Anual de 2019, 2019. Disponível em: http://www.campogrande.ms.gov.br/semadur/canais/corrego-limpo-cidade-vida-relatorios-anuais/.

CAMPO GRANDE. Plano de Manejo da Área de Proteção Ambiental dos Mananciais do Córrego Lajeado – APA do Lajeado, 2012. Disponível em: http://www.campogrande.ms.gov.br/planurb/apa-do-lajeado/plano-de-manejo-apa-lajeado/.

CAPOANE, V.; SILVA, D.A. Avaliação de parâmetros geomorfométricos derivados de modelos altimétricos de diferentes fontes e resoluções: estudo de caso da bacia hidrográfica do córrego Lajeado, Campo Grande, MS. Revista Brasileira de Geografia Física. v.13, n.2, 674-690, 2020.

CAPOANE, V. Susceptibilidade a erosão na bacia hidrográfica do córrego Guariroba, Campo Grande, Mato Grosso do Sul. Acta Brasiliensis. v.3, n.2, 49-55, 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.22571/10.22571/2526-4338180.

CARVALHO, W.T.V. et al. Pastagem degradadas e técnicas de recuperação: revisão. Pubvet. v.11, 1036-1045, 2017.

CORDEIRO, A.P.A. et al. Regiões homogêneas de vegetação utilizando a variabilidade do NDVI. Ciência Florestal. v.27, n.3, 883-896, 2017.

DECRETO N. 8.265. de 27 de julho de 2001: CAMPO GRANDE. Área de Proteção Ambiental dos Mananciais do Córrego lajeado - APA do Lajeado. Campo Grande, MS: Prefeitura Municipal, 2001.

FLORENZANO, T.G. Geotecnologias na geografia aplicada: difusão e acesso. Revista do Departamento de Geografia. v.17, 24-29, 2005. DOI: https://doi.org/10.7154/RDG.2005.0017.0002.

FONTES, A.R.M.; BARBASSA, A.P. Diagnóstico e prognóstico da ocupação e da impermeabilização urbanas. Revista Brasileira de recursos hídricos. v.8, n.2, 137-147, 2003. DOI: 10.21168/rbrh.v8n2.p137-147

GUTIERREZ, L.A.R. Mapeamento temporal dos índices: área de superfície impermeável e escoamento superficial da área urbanizada de Campo Grande-MS. Caminhos da Geografia. v.12, n.37, 269-288, 2011.

JAPIASSÚ, L.A.T; LINS, R.D.B. As Diferentes Formas de Expansão Urbana. Revista Nacional de Gerenciamento das Cidades. v.2, n.13, 15-25, 2014.

LIMA, P. C. F. Áreas degradadas: métodos de recuperação no semi-árido brasileiro. In: REUNIÃO NORDESTINA DE BOTÂNICA, 27.; 2004, Petrolina, Anais... Petrolina: SBB, 2004. p. 70-79.

LIVESLEY, S.J.; ESCOBEDO, F.J.; MORGENROTH, J. The Biodiversity of Urban and Peri-Urban Forests and the Diverse Ecosystem Services They Provide as Socio-Ecological Systems. Forests. v.7, n.12, 01-05, 2016. DOI: https://doi.org/10.3390/f7120291

MAGALHÃES, M.A. et al. Área, densidade e população: o caso de áreas urbanas e urbanizadas dos municípios do Espírito Santo. Planejamento e políticas públicas. v.40, 219-256, 2013.

MEIRELLES, M.L et al. Espécies do estrato herbáceo e profundidade do lençol freático em áreas úmidas do cerrado. Embrapa Cerrados-Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento (INFOTECA-E), Planaltina, p. 1-19, 2002.

MENDONÇA, R.A.M. et al. Uso das Geotecnologias para Gestão Ambiental: Experiências na Amazônia meridional. 1. Ed. Cuiabá: Instituto Centro de Vida, 2011.

MOREIRA, J.F.; ANDRADE, M.O. Conflitos Sócio-ambientais na APA da Barra do Rio Mamanguape: O Caso da Atividade de Carcinicultura, 2008. Disponível em http://www.anpas.org.com.br/encontro4/cd/arquivos/GT1-1049-950-20080510214634.pdf.

NAPOLEÃO, M.C. Fusão de imagens landsat-5 tm e spot pancromática aplicada ao mapeamento do uso da terra. 2001. 108 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Ciências Geodésicas, UFP, Curitiba, 2001.

OLIVEIRA, A.K.M. et al. Avaliação multitemporal das paisagens da área de proteção ambiental (APA) dos mananciais do Córrego Guariroba, Campo Grande, Mato Grosso do Sul, por meio de imagens de satélites. Ra’e Ga.; v.42, 8-20, 2017. DOI: 10.5380/raega.

OLIVEIRA, F.P. et al. Tolerância de Perda de Solo por Erosão para o Estado da Paraíba. Revista de Biologia e Ciências da Terra. v.8, n.2, 60-71, 2008.

PARANHOS FILHO, A.C et al. Imagens de Sensoriamento Remoto. In: PARANHOS FILHO, A.C et al (orgs.). Geotecnologias para aplicações ambientais. 1. Maringá: Uniedusul, 2021. p. 1-394.

PINTO, L.LC.A. O desempenho de pavimentos permeáveis como medida mitigadora da impermeabilização do solo urbano. 2011. 283 f. Tese (Doutorado) – Curso de Engenharia Hidráulica, USP, São Paulo. DOI: 10.11606/T.3.2011.tde-31082011-160233.

PIROLI, E.L. Imagens de satélite de alta resolução espacial para o mapeamento da dinâmica do uso da terra. In: SIMPÓSIO DE GEOTECNOLOGIAS NO PANTANAL, 4., 2012, Bonito. Anais... Bonito: Inpe, 2012. p. 10.

REZENDE, P.S. et al. Uso de dados do Sentinel-2 para cálculo de NDVI com base nos valores da refletância aparente e de superfície. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO-SBSR, 18.; 2017, Santos. Anais... Santos: Inpe, 2017. p. 4181-4188.

RIBEIRO, J. F.; WALTER, B.M.T. Fitofisionomias do bioma cerrado. In: SANO, S.M.; ALMEIDA, S.P. (orgs.). Cerrado: ambiente e flora. 1. Planaltina: EMBRAPA-CPAC, 1998. p. 89-166.

RIBEIRO, J. F.; WALTER, B. M. T. As Principais Fitofisionomias do Bioma Cerrado. In: SANO, S.M.; ALMEIDA, S.P.; RIBEIRO, J.F. (orgs.). Cerrado: ecologia e flora. 2. Brasília: EMBRAPA-CERRADOS, 2008. p. 152 - 212.

SANTOS, C.F.; KRAWIEC, V.A.M. A Situação Ambiental e a Administração das Unidades de Conservação em Campo Grande - MS, na visão de seus Gestores. Revista Floresta e Ambiente. v.18, n.3, 334-342, 2011. DOI: http://dx.doi.org/10.4322/floram.2011.053.

SENTINEL HUB EO BROWSER. Imagem de satélite. Satélite Sentinel-2 de 01 de agosto de 2020.Disponível:https://apps.sentinelhub.com/eobrowser/?zoom=11&lat=41.92144&lng=12.38571&thmeId=DEFAULT-THEME&toTime=2021-07-08T15%3A56%3A23.991Z. Acesso em: 12 de out. 2020

SIMONETTI, V.C. et al. Análise da influência das atividades antrópicas sobre a qualidade da água da APA Itupararanga (SP), Brasil. Geosul. v.34, n.72, 01-27, 2019. DOI: HTTP://DX.DOI.ORG/10.5007/1982-5153.2019V34N72P01.

Downloads

Publicado

2022-05-16

Como Citar

Gavioli Diniz, F., & Takahasi , A. . (2022). ANÁLISE DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO DA APA DO LAJEADO, CAMPO GRANDE (MS), AO LONGO DE DEZ ANOS (2010-2020). GEOFRONTER, 8. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/GEOF/article/view/6960

Edição

Seção

Artigos