EDUCAÇÃO NA ZONA DE FRONTEIRA: UMA ABORDAGEM SOBRE A INTEGRAÇÃO TRANSFRONTEIRIÇA A PARTIR DO ENSINO BILÍNGUE

Autores

  • Wagner Galvão Ribeiro Filho Universidade Federal da Grande Dourados

Palavras-chave:

Fronteira, cidades-gêmeas, políticas linguísticas, escolas de fronteira

Resumo

Este trabalho busca abordar a questão educacional nas escolas das cidades-gêmeas de Mato Grosso do Sul, na perspectiva da integração e da cooperação transnacional, por meio do ensino intercultural bilíngue. A zona de fronteira sul-mato-grossense compartilhada com Bolívia e Paraguai possui diversas cidades-gêmeas nas quais são identificadas dinâmicas territoriais específicas, facilitadas pela conurbação e pelo caráter de interpenetração mútua inerente à zona de fronteira. Nessa perspectiva, a partir do embasamento teórico acerca das fronteiras e a partir da contextualização das cidades-gêmeas, este trabalho objetiva refletir sobre a planificação de políticas educacionais de caráter bilíngue para as escolas da zona de fronteira de Mato Grosso do Sul, ao mostrar as possiblidades de integração por meio do bilinguismo. Em consonância com esta proposta, busca-se exemplificar a partir do Programa Escolas Interculturais Bilíngues de Fronteira (PEIBF), a importância da formulação políticas educacionais para a fronteira, levando em consideração a realidade cultural e linguísticas dos habitantes da fronteira sul-mato-grossense. Por fim, tendo em vista as semelhanças e alteridade proporcionada por habitar numa região de fronteira internacional, busca-se justificar a importância de formulação de políticas educacionais bilíngues para promover maior integração e possibilitar a cooperação nas cidades-gêmeas da zona de fronteira do Mato Grosso do Sul.

Biografia do Autor

Wagner Galvão Ribeiro Filho, Universidade Federal da Grande Dourados

Licenciado em Geografia pela Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul. Mestrando em Geografia pela Universidade Federal da Grande Dourados. Dourados-MS.

Referências

Arroyo, Mônica. 2001. Território nacional e mercado externo: uma leitura do Brasil na virada do século XX. Tese de Doutorado em Geografia Humana, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Paulo, Brasil.

BELANDI, C. Municípios da faixa de fronteira. Agência IBGE Notícias. Geociências, jul. 2020, Disponível em: < https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/31090-ibge-atualiza-municipios-de-fronteira-e-defrontantes-com-o-mar-devido-a-mudancas-de-limites>

BIANCHEZZI, C; MACHIAVELLI, D, M; BERTUZZI, L, L; KOPHAL, M, S, C. A construção e a prática do programa bilíngue em região de fronteira internacional Brasil-Argentina. Cadernos do CEOM - Ano 25, n. 37, 2012. Disponível em:<http://bell.unochapeco.edu.br/revistas/index.php/rcc/article/view/1428> Acesso em: 05 de março de 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Termo de Referência. Brasília, maio 2006.

BRASIL; ARGENTINA. Ministério da Educação; Ministerio de Educación, Ciencia y Tecnología. Escolas de Fronteira – Programa Escolas Bilíngües de Fronteiras (PEBF).Brasília; Buenos Aires, mar. 2008.

CALVET, L. J. Sociolinguística: uma introdução crítica. São Paulo: Parábola, 2002.

CUISINIER-RAYNAK, A. “La Frontière au Pérou entre fronts et synapses”. L’Espace Gépgraphique 3: 213-229, 2001.

DORFMAN, A; ROSÉS, G. T. B. Regionalismo fronteiriço e o “acordo para os nacionais fronteiriços brasileiros uruguaios”. In: OLIVEIRA, T. C. M. de (Org.). Território sem limites: estudos sobre fronteiras. Campo Grande: UFMS. 195-228, 2005.

EUZÉBIO, Emerson Flávio. A porosidade territorial na fronteira da Amazônia: as cidades gêmeas Tabatinga (Brasil) e Leticia (Colômbia). Revista Colombiana de Geografía, Bogotá, Colômbia, v. 23, n. 1, p. 109-124, Janeiro, 2014.

FERRARI, M. AS NOÇÕES DE FRONTEIRA EM GEOGRAFIA. Perspectiva Geográfica, v. 9, n. 10, p. 1-25, 15 jul. 2014. Disponível em: http://e-revista.unioeste.br/index.php/pgeografica/article/view/10161/7550. Acesso em: 06 de agosto de 2021.

FIORIN, J. L. Considerações em Torno do Projeto de Lei n° 1676/99. In: FARACO, C. A. (org.) Estrangeirismos: guerras em torno da língua. São Paulo: Parábola Editorial, 2002.

HAMEL, R. E. Direitos Linguísticos como Direitos Humanos: Debates e Perspectivas. In: OLIVEIRA, G. M. Declaração Universal dos Direitos Linguísticos. São Paulo: Mercado de Letras, Associação de Leitura do Brasil; Florianópolis: IPOL – Instituto de Investigação e Desenvolvimento em Política Linguística, 2003.

LACOSTE, Yves. Por uma abordagem geopolítica da difusão do inglês. In: LACOSTE, Yves; RAJAGOPALAN, Kanavillil (Orgs.). A Geopolitica do Inglês. São Paulo: Parábola, 2005.

MACHADO, L, O. Limites, Fronteiras e Redes. In: T.M.Strohaecker, A.Damiani, N.O.Schaffer, N.Bauth, V.S.Dutra (org.). Fronteiras e Espaço Global, AGB-Porto Alegre,Porto Alegre, 1998, p.41-49.

__________________¬_. Limites e Fronteiras: da Alta Diplomacia aos Circuitos da Ilegalidade. In: Território nº 8, Jan/Jun. LAGET/UFERJ, 2000.

____________________. Estado, territorialidade, redes. Cidades gêmeas na zona de fronteira sul-americana. In: M.L.Silveira (Org.). Continente em chamas. Globalização e território na América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005. p. 246-284.

Plano de Ação do Setor Educacional do Mercosul (2001 - 2005) disponível em http://edu.mercosur. int/pt-BR/documentos-categoria/viewcategory/7-planos-planes.html. Acesso em: 22 de agosto de 2021.

PEREIRA, J, H, V do. Diversidade cultural nas escolas de fronteiras internacionais: o caso de Mato Grosso do Sul. Revista Múltiplas Leituras, v.2, n. 1, p. 51-63, jan. / jun. 2009. Disponível em: <https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/ML/article/view/327/325>. Acesso em: 3 de julho de 2021.

PEREIRA, Maria Ceres. Experiências, vivências e o imaginário na fronteira seca do sul de Mato Grosso do Sul. In: Escolas Interculturais de Fronteira. Ano XXIV - Boletim 1 – Salto para o Futuro, TV Escola, maio 2014.

RAFFESTIN, Claude. POR UMA GEOGRAFIA DO PODER. São Paulo: Ática, 1993.

SILVA, R, M; OLIVEIRA, T, C, M, de. O MÉRITO DAS CIDADES-GÊMEAS NOS ESPAÇOS FRONTEIRIÇOS. Oidles, Málaga, v. 2, n. 5, p. 1-11, dez. 2008.

TORCHI, Gicelma da Fonseca Chacarosqui; SILVA, Crisliane Patricia da. A Expansão do Programa Escolas Interculturais de Fronteira no Mato Grosso do Sul. Revista GeoPantanal, Corumbá, v. 1, n. 13, p. 33-46, Jul./Dez. 2014.

Downloads

Publicado

07/06/2022

Como Citar

Galvão Ribeiro Filho, W. (2022). EDUCAÇÃO NA ZONA DE FRONTEIRA: UMA ABORDAGEM SOBRE A INTEGRAÇÃO TRANSFRONTEIRIÇA A PARTIR DO ENSINO BILÍNGUE. GEOFRONTER, 8. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/GEOF/article/view/6984

Edição

Seção

Artigos