O USO DO GOOGLE EARTH® COMO FERRAMENTA DE ENSINO DA GEOGRAFIA ESCOLAR

Autores

Palavras-chave:

Geografia Escolar, Geotecnologias, Google Earth®, Tecnologias da Informação e da Comunicação

Resumo

Mediante a evolução do acesso às tecnologias e a ampla utilização dos computadores e da informática, surge a necessidade de inseri-los no contexto da educação. A este passo, às Tecnologias da Informação e da Comunicação (TIC's), adentram a esfera social e educacional. Pautado nisso, o objetivo geral do trabalho concentra-se em analisar o uso do Google Earth® como ferramenta de aprendizagem para a Geografia Escolar, tanto no Ensino Fundamental, quanto no Ensino Médio. Para o alcance do objetivo proposto no presente artigo, empregou- se a pesquisa exploratória, descritiva. A popularização dessas tecnologias, desenvolveram-se diferentes instrumentos para compreender a relação entre natureza e sociedade, bem como, para analisar o espaço geográfico, sendo o Google Earth® um exemplo de Geotecnologias que podem ser utilizadas para estimular esse processo de aprendizagem. Assim, observa-se que o Google Earth®, pode ser visto como um recurso complementar criativo às aulas de Geografia.

Referências

ALMEIDA, F. J. Análise dos diferentes tipos de softwares usados na educação. In: VALENTE, J.A. (org). O Computador na sociedade do conhecimento. Campinas: SP. UNICAMP/NIED, 1999.

ANDERSEN, E. M. L. O uso de multimídia digital no ensino. Por quê? Para quê? In: ANDERSEN, Elenice Maria Larroza (Org.). Multimídia digital na escola. São Paulo: Paulinas, 2013.

BARANAUSKAS, M. C. C.; VALENTE, J. A. Edição temática sobre aprendizagem criativa. Tecnologias, Sociedade e Conhecimento, Campinas, SP, v. 6, n. 2, p. 1–8, 2019.

BERLATO, L. F. et al. Mapas digitais interativos como ferramenta de auxílio na gestão de projetos em design: uma análise da plataforma My maps. Gestão & Tecnologia de Projetos, v. 16, n. 1, p. 109-126, 2021. Disponível em: http://http://www.ub.edu/geocrit/aracne/aracne-097.htm. Acesso em: 20 set. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/. Acesso em: 01 set. 2021.

CASTELLS, M. A galaxia da internet: reflexões sobre internet, os negócios e a sociedade. (Tradução Maria Luíza X. A. Borges; Revisão Paulo Vaz). Rio de Janeiro: Zahar, 2003.

FLORENZANO, T. G. IMAGENS OBTIDAS POR SENSORIAMENTO REMOTO. In: FLORENZANO, Teresa Gallotti. Iniciação em sensoriamento remoto. 2. ed. São Paulo: Oficina de Textos, 2007.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

LACOSTE, Y. Uma disciplina simplória e enfadonha? In: LACOSTE, Yves. A geografia - isso serve, em primeiro lugar, para fazer a guerra. 15.ed, São Paulo: Papirus, 2009.

LIMA, R. N de S. Google Earth aplicado a pesquisa e ensino da Geomorfologia. Revista de Ensino de Geografia, Uberlândia, v. 3, n. 5, p. 17-30, 2012.

MALDONATO, M.; DELL’ORCO, S. Criatividade, pesquisa e inovação: o caminho surpreendente da descoberta. Boletim Técnico do SENAC, Rio de Janeiro, v. 36, n.1, p. 5-13, 2010.

MILENA, A. P. M.; ZACHARIAS, A. A. Mapas digitais e interativos no ensino de geografia: aplicações da versão digital do atlas municipal escolar de ourinhos. In: VI Encontro Nacional ANPEGE, 2015, São Paulo. Anais. Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Geografia. 2015. Disponível em: http://www.enanpege.ggf.br/2015/anais/. Acesso em: 03 set. 2021.

OLIVEIRA, I. N.; LOPES, M. C. Uso das novas Tecnologias no ensino da Geografia: Google Maps, Flightrader24 e Marine Traffic abordando os meios de transporte aéreo e marítimo. In: Os desafios da escola pública paranaense na perspectiva do professor PDE. v. 1. Cadernos PDE. 2003.Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2013/2013_uepg_geo_artigo_ivan_nascimento_de_oliveira.pdf. Acesso em: 01 set. 2021.

ROSA, R. Análise espacial em geografia. Revista da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Geografia (ANPEGE), Mato Grosso do Sul, v. 7, n. 01, p. 275-289, 2011. Disponível em: https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/anpege/article/view/6571/0. Acesso em: 23 mar. 2021.

SANTOS, M. H. S. M. Cibercultura e Educação: a comunicação em rede em culturas digitais juvenis. Dissertação (Ciências da Cultura) - Universidade de Trás do Montes e Alto Douro - Portugal, 2013.

SILVA, M. Educar na cibercultura: desafios da formação de professores para docência online. Revista Digital de Tecnologias Cognitivas. Nº 3 janeiro -junho, 2010.

SOUZA, M. L. Quando o trunfo se revela um fardo: reexaminando os percalços de um campo disciplinar que se pretendeu uma ponte entre o conhecimento da natureza e o da sociedade. GEOUSP Espaço e Tempo (Online), [S. l.], v. 22, n. 2, p. 274-308, ago. 2018. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/geousp/article/view/147381. Acesso em: 22 set. 2021.

SUERTEGARAY, D. M. A. Espaço geográfico uno e múltiplo. Rev. Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales, Barcelona, n. 93, p. 1-10, julho 2001. Disponível em: < http://www.ub.edu/geocrit/sn-93.htm>. Acesso em: 23 set. 2021.

VALENTE, J. A. Análise dos diferentes tipos de softwares usados na educação. In: VALENTE, J. A. (org). O Computador na sociedade do conhecimento. Campinas: SP. UNICAMP/NIED, 1999.

Downloads

Publicado

2022-08-16

Como Citar

de Queiroz Ribeiro, D., Lopes da Cruz, W., & Ferreira Alves dos Santos, G. I. (2022). O USO DO GOOGLE EARTH® COMO FERRAMENTA DE ENSINO DA GEOGRAFIA ESCOLAR. GEOFRONTER, 8. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/GEOF/article/view/7098

Edição

Seção

Artigos