ANÁLISE DA FRAGILIDADE AMBIENTAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO JATOBÁ-MS

Visualizações: 343

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61389/geofronter.v9i1.7537

Palavras-chave:

Validação, Áreas de Preservação Permanentes, Geotecnologias

Resumo

Os estudos ambientais em bacia hidrográfica são fundamentais para o entendimento dos processos de uso e ocupação devido à urgência de equilíbrio entre as práticas econômicas e as condições ambientais que acabam por alterar drasticamente as paisagens naturais. O objetivo do presente estudo foi analisar a fragilidade ambiental da Bacia Hidrográfica do Ribeirão Jatobá- BHRJ localizada no médio curso do rio Aquidauana, sendo de grande contribuição para o Pantanal no estado de Mato Grosso do Sul. A metodologia adotada fundamentou-se na proposta de Ross (1994) e de Bacani et al. (2015), onde se considerou a análise integrada do ambiente a partir das variáveis, solo, declividade, precipitação, uso e cobertura da terra, e adição das Áreas Preservação Permanentes - APPs. Os resultados demonstraram que a BHRJ possui potencial natural de baixa fragilidade ocupando 56,9% da área da bacia, porém o tipo de uso predominante refere-se à classe de pastagem (46% da área), essa influência resulta em fragilidade ambiental emergente média, ocupando 74% da área de estudo. Para validar o modelo de fragilidade ambiental desenvolvido foram mapeados locais de erosão e conflitos de uso da terra que foram correlacionados com as classes de fragilidade ambiental e de uso e cobertura da terra. Constatou-se que as áreas mais frágeis próximas às APPs possuem maior número de locais (pontos) com erosão indicando uma correlação com os altos graus de fragilidade, onde o tipo de uso e cobertura da terra influencia na fragilidade juntamente com as condições naturais.

Referências

ABRÃO, Cleiton Messias Rodrigues; BACANI, Vitor Matheus. Diagnóstico da fragilidade ambiental na bacia hidrográfica do Rio Santo Antônio, MS: subsídio ao zoneamento ambiental. Boletim Goiano de Geografia, v. 38, n. 3, p. 619-645, 2018. DOI: https://doi.org/10.5216/bgg.v38i3.56362

ÁLVARES, Clayton Alcarde et al. Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische zeitschrift, v. 22, n. 6, p. 711-728, 2013. DOI: https://doi.org/10.1127/0941-2948/2013/0507

ANJINHO, Phelipe da Silva et al. Environmental fragility analysis in reservoir drainage basin land use planning: A Brazilian basin case study. Land Use Policy, v. 100, p. 104946, 2021. DOI: https://doi.org/10.1016/j.landusepol.2020.104946

BACANI, Vitor Matheus et al. Sensoriamento remoto e SIG aplicados à avaliação da fragilidade ambiental de bacia hidrográfica. Mercator (Fortaleza), v. 14, p. 119-135, 2015. DOI: https://doi.org/10.4215/RM2015.1402.0008

BATTAGLIA, Alessandro et al. Spaceborne cloud and precipitation radars: Status, challenges, and ways forward. Reviews of Geophysics, v. 58, n. 3, p. e2019RG000686, 2020. DOI: https://doi.org/10.1029/2019RG000686

BRASIL Código Florestal Brasileiro. Lei 12.651, de 25 de maio de 2012. Brasília, Diário Oficial da União, 2012.

BRASIL. Política Nacional de Recursos Hídricos. Lei nº 9.433, de 8 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos e cria o Sistema Nacional de Recursos Hídricos. 1997.

CAPOANE, Viviane et al. Caracterização geoambiental da bacia hidrográfica do Córrego Pombal e avaliação do potencial geoturístico da comunidade quilombola Furnas do Dionísio, Jaraguari–MS. Revista Brasileira de Geografia Física, v. 15, n. 01, p. 068-091, 2022. DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v15.1.p068-091

CHEN, Haonan et al. Rainfall estimation from ground radar and TRMM precipitation radar using hybrid deep neural networks. Geophysical Research Letters, v. 46, n. 17-18, p. 10669-10678, 2019. DOI: https://doi.org/10.1029/2019GL084771

CREPANI, Edison et al. Sensoriamento remoto e geoprocessamento aplicados ao zoneamento ecológico-econômico e ao ordenamento territorial. São José dos Campos: Inpe, 2001.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA – EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Sistema brasileiro de classificação de solos. 353 p. 3 ed. Brasília, 2013.

EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 5.ed. Brasília, 2018. 353p.

FBDS. FUNDAÇÃO BRASILEIRA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. Mapeamento em Alta Resolução dos Biomas Brasileiros, 2018.

GEE. Google Earth Engine. Disponível em: https://cade.earthengine.google.com. Acesso em:10nov2021

GOUVEIA, Rogerio GL et al. Análise da fragilidade ambiental na bacia do rio Queima-Pé, Tangará da Serra, MT. Pesquisas em Geociências, v. 42, n. 2, p. 131-140, 2015. DOI: https://doi.org/10.22456/1807-9806.78115

GOUVEIA, Isabel Cristina Moroz-Caccia; ROSS, Jurandyr Luciano Sanches. Fragilidade Ambiental: uma proposta de aplicação de Geomorphons para a variável relevo. Revista do Departamento de Geografia, v. 37, p. 123-136, 2019. DOI: https://doi.org/10.11606/rdg.v37i0.151030

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. RECURSOS NATURAIS. Coordenação; AMBIENTAIS, Estudos. Manual técnico de Geomorfologia. Ed. Rio de Janeiro, 2009.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Manual técnico da vegetação brasileira. 2012.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE. Banco de dados de informações ambientais. Rio de Janeiro, 2019.

JOIA, Paulo Roberto; ANUNCIAÇÃO, Vicentina Socorro da; PAIXÃO, Alfredo Aguirre da. Implicações do uso e ocupação do solo para o planejamento e gestão ambiental da Bacia Hidrográfica do Rio Aquidauana, Mato Grosso do Sul. Interações (Campo Grande), v. 19, p. 343-358, 2018. DOI: https://doi.org/10.20435/inter.v19i2.1404

LONGLEY, Paul A. et al. Sistemas e ciência da informação geográfica. Bookman Editora, 2009.

MANFRÉ, Luiz Augusto et al. Environmental fragility evaluation and guidelines for environmental zoning: a study case on Ibiuna (the Southeastern Brazilian region). Environmental Earth Sciences, v. 69, p. 947-957, 2013. DOI: https://doi.org/10.1007/s12665-012-1979-2

MAPBIOMAS. Projeto. Série anual de mapas de cobertura e uso de solo do Brasil. 2021.

MMA. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. 2ª Atualização das Áreas Prioritárias para Conservação da Biodiversidade, 2018.

NASA. EARTH DATA. Open access for open Science. Disponível em: https://search.asf.alaska.edu/. Acesso em: 10ago2021.

OLIVEIRA, Ademir Kleber Morbeck de et al. Análise multitemporal do sul do munícipio de São Gabriel do Oeste, Mato Grosso do Sul, região das nascentes do rio aquidauana, frente às atividades antrópicas e suas consequências. Caderno de Geografia, v. 32, n. 68, p. 247-247, 2022. DOI: https://doi.org/10.5752/P.2318-2962.2022v32n68p247

QGIS Development Team. QGIS Geographic Information System. Open Source Geospatial Foundation Project, 2022. Available online: https://www.qgis.org/en/site/.

RODRIGUES, Lidiane Perbelin; LEITE, Emerson Figueiredo. Dinâmica do uso e cobertura da terra na bacia hidrográfica do Rio Aquidauana, MS. Os Desafios da Geografia Física na Fronteira do Conhecimento, v. 1, p. 6817-6825, 2017. DOI: https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1873

ROSA, Roberto. Geotecnologias na geografia aplicada. Revista do Departamento de Geografia, v. 16, p. 81-90, 2005. DOI: https://doi.org/10.7154/RDG.2005.0016.0009

ROSS, Jurandyr Luciano Sanches. Análise empírica da fragilidade dos ambientes naturais antropizados. Revista do Departamento de Geografia, v. 8, p. 63-74, 1994. DOI: https://doi.org/10.7154/RDG.1994.0008.0006

ROSS, Jurandyr Luciano Sanches. Landforms and environmental planning: Potentialities and Fragilities. Revista do Departamento de Geografia, p. 38-51, 2012. DOI: https://doi.org/10.7154/RDG.2012.0112.0003

SANTOS DA SILVA, Edson Rodrigo dos et al. Geotecnologías aplicadas al análisis de la fragilidad ambiental a los procesos erosivos. Cuadernos de Geografía: Revista Colombiana de Geografía, v. 31, n. 1, p. 222-240, 2022. DOI: https://doi.org/10.15446/rcdg.v31n1.85654

SANTOS, HG. dos et al. Embrapa: Sistema brasileiro de classificação de solos. 2018.

SANTOS, Jeane Reis dos. Recursos hídricos no Cerrado brasileiro: importância e contribuições da educação ambiental na preservação e no manejo sustentável. 2012.

SEPLAN-MS. SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO GERAL. Atlas Multirreferencial do Estado de Mato Grosso do Sul. Campo Grande, MS: SEPLAN/IBGE, 1990.

SPÖRL, Christiane; ROSS, Jurandyr Luciano Sanches. Análise comparativa da fragilidade ambiental com aplicação de três modelos. GEOUSP-Espaço e Tempo, v. 15, p. 39-49, 2004.

TRICART, Jean. Ecodinâmica. Secretaria de Planejamento da Presidência da República, Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Diretoria Técnica, Superintendência de Recursos Naturais e Meio Ambiente, 1977.

Downloads

Publicado

2023-06-01

Como Citar

Martins da Silva, E., & Matheus Bacani, V. (2023). ANÁLISE DA FRAGILIDADE AMBIENTAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO JATOBÁ-MS. GEOFRONTER, 9(1). https://doi.org/10.61389/geofronter.v9i1.7537

Edição

Seção

Artigos