PERCEPÇÃO AMBIENTAL E ARQUEOLOGIA: CONTRIBUIÇÕES DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL – BRASIL

Visualizações: 238

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61389/geofronter.v9i1.7638

Palavras-chave:

Meio Ambiente., Percepção Ambiental., Espaço não formal

Resumo

O texto reflete sobre a Percepção Ambiental como um processo que envolve mecanismos perceptivos e cognitivos, que permitem a compreensão das relações que o indivíduo estabelece com o seu meio e que são essenciais à construção de sentimentos e sensações em relação às questões ambientais. Uma Exposição de Longa Duração do Museu de Arqueologia da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul- MuArq foi o universo da investigação realizada com bolsistas que atuam na área do Meio Ambiente.  Para o aporte das análises, de perspectiva qualitativa/interpretativa, foram realizadas revisões bibliográficas sobre as temáticas e a produção dos dados empíricos realizada por meio de reunião e aplicação de um questionário com perguntas abertas, abrangendo questões relacionadas ao meio ambiente e à arqueologia. Os resultados permitem apontar que a experiência dos participantes estabelece importantes relações com o museu e com suas coleções, influenciando as suas percepções e a construção de novos conhecimentos. A Exposição de Longa Duração contribuiu para a valorização do museu, principalmente, por meio de elos afetivos a ele vinculados que podem desencadear o sentimento de pertencimento, fundamental para o exercício de uma educação museal patrimonial e ambiental.

Referências

AURICCHIO, Ana Lúcia Ramos. Os museus e a questão ambiental. Publicações Avulsas do Instituto Pau Brasil, n. 6, mar. 2003.

BRASIL, 2012. Resolução ME nº 2, de 15 de junho de 2012. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. Brasil .2012.

CAZELLI, S., MARANDINO, M., STUDART, D. Educação e Comunicação em Museus de Ciências: aspectos históricos, pesquisa e prática. In: Educação e Museu: a construção social do caráter educativo dos museus de ciências. ed.Rio de Janeiro: FAPERJ, Editora Access, 2003. p. 86-106.

CURY, M. X. Comunicação e pesquisa de recepção: uma perspectiva teórico-metodológica para os museus. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, v. 12 (suplemento), p. 365-80, 2005. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-59702005000400019

FALK, J.H.; DIERKING, L. D. Lessons Without Limit – how free-choice learning is transforming education. Califórnia: Altamira Press, 2002.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17. Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FUNARI, Pedro Paulo. Patrimônio histórico e cultural. Cultura material e arqueologia histórica. Campinas, SP: UNICAMP, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, 1998.

FUNARI, Pedro Paulo. Os desafios da destruição e conservação do patrimônio cultural no Brasil. Trabalhos de Antropologia e Etnologia. Porto, 41, 2001, p.23-32. Disponível em: http://www.ufjf.br/maea/files/2009/10/texto1.pdf. Acesso em: 12/04/2023.

FONSECA, Marília Cecília Londres. O patrimônio em processo: trajetória da política federal de preservação no Brasil. 3ª ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2009.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Tradução Bernardo Leitão et al. Campinas, SP Ed. UNICAMP, 1990.

LEFF, E. Epistemologia ambiental. São Paulo: Cortez, 2001. Traduções de Sandra Valenzuela; revisão técnica de Paulo Freire Vieira. São Paulo: Cortez, 2001a.

LOUREIRO, Carlos Frederico. B. Sustentabilidade e Educação: um olhar da ecologia política. São Paulo: Cortez, 2012.

LOUREIRO, Carlos Frederico. B. Trajetórias e fundamentos da educação ambiental. 4.ed. São Paulo: Cortez, 2012.

LOUREIRO, Carlos Frederico B.; LAYRARGUES Philippe Pomier. Ecologia política, justiça e educação ambiental crítica: perspectivas de aliança contra-hegemônica. Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, v. 11 n. 1, p. 53-71, jan./abr. 2013. DOI: https://doi.org/10.1590/S1981-77462013000100004

LOUREIRO, M. L. de N. Matheus. Preservação in situ X ex situ: reflexões sobre um falso dilema. In: 3.º Seminário Iberoamericano de Museologia, Madrid, España, 2011. Disponível em: http://www.siam2011. eu/wp-content/uploads/2011/10/Maria-Lucia-de-Niemeyer Ponencia-Draft.pdf. Acesso em: 25/05/2023.

LOUREIRO, M. L. de N. M.; LOUREIRO, J. M. M., Documento e musealização: entretecendo conceitos, MIDAS [Online], 1 | 2013, posto online no dia 01 abril 2013, consultado no dia 18 abril 2023. URL: http://journals.openedition.org/midas/78; DOI: https://doi.org/10.4000/midas.78. DOI: https://doi.org/10.4000/midas.78

MARANDINO, M. Conhecimento Biológico em Exposições de Museus de Ciências: análise do processo de produção do discurso expositivo. 2001. 451 f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001a.

MARANDINO, M. Transposição ou Recontextualização?: Sobre a produção de saberes na educação em museus de ciências. Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação, 2006.

MARANDINO, M. Perspectivas da pesquisa educacional em museus de ciências. In.: SANTOS, Flávia Maria Teixeira dos; GRECA, lleana Maria (Orgs.). A Pesquisa em Ensino de Ciências no Brasil e suas Metodologias. Ijuí: UNIJUÍ, p. 89-122, 2006.

MARANDINO, M., KAUANO, R., & CONRADO MARTINS, L. (2022). Paulo Freire, Educação, Divulgação e Museus de Ciências Naturais: relações e tensões. Cadernos De Sociomuseologia, 63(19), 91-103. DOI: https://doi.org/10.36572/csm.2022.vol.63.07

MARTINS, G. R. e KASHIMOTO, E. M. 12.000 anos: Arqueologia do povoamento humano no nordeste de Mato Grosso do Sul. Campo Grande: FIC-FCMS/Life Ed., 2012.

MORIN, Edgar. Ensinar a viver: manifesto para mudar a educação. Trad. Edgard de Assis Carvalho e Mariza Perassi Bosco. Porto Alegre: Sulina, 2015.

NASCIMENTO, S. S. A relação museu e escola na prática docente: tensões de uma atividade educativa. In: DALBEN. A.; DINIZ, J.; LEAL, L.; SANTOS, L. (Org.). Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente. Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente. Belo Horizonte: Autêntica, 2010, p. 357 – 369.

SANTOS, Maria Célia T. Moura. Museu e educação: conceitos e métodos. In: Encontros museológicos: reflexões sobre a museologia, a educação e o museu. Rio de Janeiro: MinC/IPHAN/DEMU, 2008.

STUDART, Denise Coelho. Educação em museus: produto ou processo?. In: DOSSIÊ CECA-Brasil. MUSAS – Revista Brasileira de Museus e Museologia/ Instituto do Patrimônio Artístico Cultural, Departamento de Museus e Centros Culturais. Vol. 1, n.1, (2004). Rio de Janeiro: IPHAN, 2004.

Downloads

Publicado

2023-07-03

Como Citar

Pael Duarte , L. R., de Castro Wiziack , S. R., van Lonkhuijzen, D. M., & Albuquerque de Vargas, I. (2023). PERCEPÇÃO AMBIENTAL E ARQUEOLOGIA: CONTRIBUIÇÕES DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL – BRASIL. GEOFRONTER, 9(1). https://doi.org/10.61389/geofronter.v9i1.7638

Edição

Seção

Dossiê - Meio Ambiente e Educação Ambiental