ANÁLISE TEMPORAL DO USO DA TERRA NA BACIA DO RIO GRANDE NO ESTADO DE MINAS GERAIS

Visualizações: 115

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61389/geofronter.v9i1.7732

Palavras-chave:

Bacia hidrográfica; , Conservação ambiental; , Rio Grande; , Geoprocessamento; , Dinâmica de paisagem.

Resumo

O objetivo deste trabalho foi identificar e quantificar o uso da terra na Bacia Hidrográfica do rio Grande no Estado de Minas Gerais, com área total de 86345,43 km², nos anos 1990, 2000, 2010 e 2020. Foram utilizadas as imagens do satélite LANDSAT com resolução espacial de 30 m, em que o projeto Mapbiomas processa os dados e disponibiliza um produto com várias classes de uso da terra desde  1985 até o momento. O grau de antropização foi verificado por meio do Índice de Transformação Antrópica. Foram identificadas dez classes de uso da terra na bacia do rio Grande no Estado de Minas Gerais: mata nativa, formação campestre, silvicultura, campo alagado, massas d´água, pastagem, agricultura, outras áreas não vegetadas, mineração e área urbanizada. Os resultados indicaram a diminuição nos percentuais das classes:  12,07% na mata nativa, 0,49% em campo alagado e 0,07% em outras áreas não vegetadas. Por outro lado, a área de uso da terra aumentou  4,88% na agricultura, 3,31% pastagem, 1,95% massas d’água, 1,66% silvicultura, 0,66% área urbanizada, 0,15% formação campestre e 0,01% mineração. Portanto, este trabalho evidenciou alteração drástica da paisagem e, por meio do Índice de Transformação Antrópica, verificou-se aumento de 4,55 para 5,14 entre os anos 1990 e 2020, ou seja, a área de estudo, que  se encontrava na classe regular, passou a ser degradada em decorrência, sobretudo, das atividades antrópicas associadas à expansão da agricultura e da pastagem.

Biografia do Autor

Rogerio Gonçalves Lacerda de Gouveia, Universidade do Estado de Minas Gerais

Doutor em Agronomia (Ciência do Solo) - UNESP. Professor da Universidade do Estado de Minas Gerais – UEMG

Gustavo Rodrigues Barbosa, Universidade do Estado de Minas Gerais

Doutor em Geografia – UFG. Professor da Universidade do Estado de Minas Gerais

Referências

ANDRADE, Á. S.; RIBEIRO, S. C. A.; PEREIRA, B. W. F.; BRANDÃO, V. V. P. Fragmentação da vegetação da bacia hidrográfica do Rio Marapanim, nordeste do Pará. Ciência Florestal, v. 30, n. 2, pp. 406-420, 2020. DOI: https://doi.org/10.5902/1980509835074

ARAÚJO, D. F. C.; SOBRINHO, F. L. A. Análise do impacto social da mecanização da colheita de cana-de-açúcar no Triângulo Mineiro. Revista Eletrônica da Associação dos Geógrafos Brasileiros, Seção Três Lagoas, v. 1, n. 34, p. 13-48, 2021. DOI: https://doi.org/10.55028/agb-tl.v1i34.12886

BENETTI, T. J.; SILVA, C. M.; MORETTO, S. P. Avanço das Monoculturas e Desmatamento no Oeste Catarinense: Mapeamento das Alterações no Uso da Terra em Xanxerê com o Uso da História Digital (1979-2018). Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science, v. 10, n. 2 p.232-246, 2021. DOI: https://doi.org/10.21664/2238-8869.2021v10i2.p232-246

BITTENCOURT, T. P.; OSVALDO, J. R.; CASTILHO, A. C. S. O discurso político do agronegócio. Revista Tamoios, v. 18, n. 1, p.186-287, 2022. DOI: https://doi.org/10.12957/tamoios.2022.63680

BRASIL. Portal Brasileiro de Dados Abertos. 2022. Disponível em: https://dados.gov.br/organization/about/estado-de-minas-gerais-mg#:~:text=Minas% 20Gerais%20%C3%A9%20uma%20das,na%20Regi%C3%A3o%20Sudeste%20do%20pa%C3%ADs. Acesso em: 10 out. 2022.

CODEMGE – Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais. Mapa Geológico de Minas Gerais. Disponível em http://recursomineralmg.codemge.com.br/historia-geologica-de-minas-gerais/#:~:text=Em%20sua%20maior%20parte%2C%20o, S%C3%A3o%20Francisco%20(Figura%205). Acesso em: 25 out. 2022

COSTA JUNIOR, M. F.; SOUZA, R. F.; COSTA, F. R. Caracterização da produção pecuária na bacia hidrográfica do rio Doce–RN. Revista Gestão & Sustentabilidade Ambiental, v. 11, n. 1, p. 310-329, 2022. DOI: https://doi.org/10.59306/rgsa.v11e12022310-329

CRUZ, C. B. M. et al. Carga antrópica da bacia hidrográfica da Baía de Guanabara. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 1998, Santos. Anais.... Santos: 1998. p.99-109.

DINIZ, G, F.; TAKAHASI, A. Análise do uso e ocupação do solo da APA do Lajeado, Campo Grande (MS), ao longo de dez anos (2010-2020). Geofronter, v. 8, n. 1, p. 1 – 19. 2022.

GOUVEIA, R. G. LA.; GALVANIN, E. A. S.; NEVES, S. M. A. S. Aplicação do índice de transformação antrópica na análise multitemporal da bacia do córrego do Bezerro Vermelho em Tangará da Serra-MT. Revista Árvore, v. 37, n. 6, pp. 1045-1054, 2013. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-67622013000600006

GUERRA, A. T. Dicionário geológico-geomorfológico. Rio de Janeiro: IBGE, 1978, 446p.

IDE-SISEMA -Infraestrutura de Dados Espaciais do Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. Disponível em: https://idesisema.meioambiente. mg.gov.br/webgis. Acesso em: 5 set. 2022.

LIBÂNIO, C.; SARDINHA, D. Transporte anual de sedimentos e nutrientes do rio Muzambo, tributário do reservatório de Furnas (MG). Revista Mineira de Recursos Hídricos, v. 1, n. 1, 2020. DOI: https://doi.org/10.59824/rmrh.v1i1.184

MATEO, J. Apuntes de Geografia de Los Paisajes. La Habana: Universitaria, 1984.

p.

MINAS GERAIS - Instituto Estadual de Floresta de Minas Gerais. Cobertura Vegetal de Minas Gerais. Disponível em http://www.ief.mg.gov.br/florestas. Acesso em: 25 out. 2022

LIMA, E. C.; SANQUETTA, C. R.; KIRCHNER, F. F. Qualidade de paisagem: estudo de caso na floresta ombrófila mista. Floresta, v. 34, n. 1, p. 45-56, 2004. DOI: https://doi.org/10.5380/rf.v34i1.2374

MAPBIOMAS. Projeto MapBiomas – Coleção 6.0 da Série Anual de Mapas de Cobertura e Uso de Solo do Brasil. Disponível em: http://mapbiomas.org. Acesso em: 03 fevereiro 2022.

MARTHA JR., G. Dinâmica de uso da terra em resposta à expansão da cana-de- açúcar no Cerrado. Revista de Política Agrícola, v. 17, p. 105-125, 2015.

MARTINS, F. B.; GONZAGA, G.; SANTOS, D. F. Classificação climática de Köppen e de Thornthwaite para Minas Gerais: cenário atual e projeções futuras. Revista Brasileira de Climatologia, Edição Especial Dossiê Climatologia de Minas Gerais, p.129-156, 2018. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/revistaabclima/article/view/60896. Acesso em: 26 out. 2022. DOI: https://doi.org/10.5380/abclima.v1i0.60896

MATEO, J. Apuntes de Geografia de Los Paisajes. La Habana: Universitaria, 1984. 194p.

NASCIMENTO, W. M.; VILAÇA, M. G. Bacias Hidrográficas: Planejamento e Gerenciamento. Revista Associação dos Geógrafos Brasileiros, n.7, p. 102-121, 2008.

OLIVEIRA ROCHA, L. B; MAGRI, R. A. F. Predição da perda de solo por erosão laminar na bacia hidrográfica do ribeirão Bocaina, Passos-MG. Caminhos de Geografia, v. 23, n. 87, p. 153–174, 2022. DOI: https://doi.org/10.14393/RCG238759130

ROCHA, S. P.; CRUZ, C. B. M. Aplicação do ITA na análise espaço-temporal do entorno da BR-101 nos municípios de Angra dos Reis e Parati. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 2009, Natal. Anais... Natal: 2009. p.1505-1512.

SILVA, M. E.; BACANI, M. V. Análise da fragilidade ambiental na bacia hidrográfica do ribeirão Jatobá-MS. Geofronter, v. 9, n. 1, p. 1 – 24, 2023.

TEIXEIRA, A. J. A. Classificação de bacias de drenagem com o suporte do Sensoriamento Remoto e Geoprocessamento – O caso da Baía de Guanabara. 2003. 156f. Dissertação (Mestre em Geografia) - Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2003.

TEODORO, V. L. I.; TEIXEIRA, D.; COSTA, J. L. C. O Conceito de Bacia Hidrográfica e a Importância da Caracterização Morfométrica para o Entendimento da Dinâmica Ambiental Local. Revista Brasileira Multidisciplinar, v. 11, p. 137-156, 2007. DOI: https://doi.org/10.25061/2527-2675/ReBraM/2007.v11i1.236

VITALLI, P. L.; ZAKIA, M. J. B.; DURIGAN. D. Considerações sobre a legislação correlata à zona-tampão de unidades de conservação no Brasil. Ambiente & Sociedade, v. 12, p. 67-82, 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-753X2009000100006

Downloads

Publicado

2023-10-04

Como Citar

Gonçalves Lacerda de Gouveia, R., & Rodrigues Barbosa, G. (2023). ANÁLISE TEMPORAL DO USO DA TERRA NA BACIA DO RIO GRANDE NO ESTADO DE MINAS GERAIS. GEOFRONTER, 9(1). https://doi.org/10.61389/geofronter.v9i1.7732

Edição

Seção

Artigos